Paixão em preto-e-branco – GALO!!!

Brasileirão da Biscatagem
Atlético Mineiro, Renata Lima

“Se houver uma camisa branca e preta pendurada no varal durante uma tempestade, o atleticano torce contra o vento” – Roberto Drummond

Éder Aleixo acompanhado só de feras. Entre eles, João Leite, Toninho Cerezo, Luizinho, Jorge Valença e Palhinha

A menina escuta o foguete estourando.

É dia de Nossa Senhora Aparecida. Mas pra ela, é dia de Galo.

A menina se senta na frente do avô, e o assiste ouvindo ao jogo pelo rádio. Ele fica pálido, vermelho, roxo. De repente, pula da cadeira, e grita: Galo!!!! E pega a menina no colo.

O manto de Nossa Senhora é azul, e a menina fica pensando que seria muito mais bonito se fosse preto-e-branco.

Mineirão, Atlético e Cruzeiro. Arquivo pessoal

A menina sou eu.

Desde que me entendo por gente, convivo com a paixão pelo Galo.

Clube Atlético Mineiro. Galo forte, vingador.

Desde que eu torço, na verdade, desde antes de eu nascer, nunca ganhou mesmo nada de destaque. Só esteve perto.

Esteve perto e foi roubado, como em 1981 – quando o Wright expulsou cinco jogadores do Galo, incluindo o Rei, num jogo que até hoje é lembrado pela roubalheira! Esteve perto e deu azar. Esteve perto, mas não era a hora.

O Doutor e o Rei – Sócrates e Reinaldo

Em 1999, no Mineirão, faltava pouco, tão pouco… Era o auge da dupla Marques e Guilherme. Era a nossa hora. Mas não foi. Foi uma derrota decepcionante e eu disse: NUNCA MAIS!

Marques e Guilherme!

Nunca mais vou sofrer por você, Galo.

Nunca mais vou chorar por você.

Nunca mais vou me embriagar de dor.

Nunca mais!

Só que… né?

Sou biscate, sou apaixonada, sou atleticana.

E em 2006, série B. O horror, o horror!!!! (dramática… )

E em 2007, de novo, no Mineirão. De novo.

Essa foto foi feita no carro, a caminho do Mineirão, em 2007 – arquivo pessoal

E a cada vez que ia ao Mineirão, meu coração disparava. Dispara.

Eu ainda sinto o cheiro da paixão.

Aquela coisa que a gente não sabe explicar, só que embriaga os sentidos.

O cheiro de churrasquinho e feijão tropeiro, no bar 26.

O sabor da cerveja – sem álcool, que antipatia… e dos inúmeros cigarros, os cantos da unha roídos.

O som da massa cantando: Aha, uhu, O MINEIRÃO É NOSSO! O batuque da fanfara, o coração disparado. O apito final.

A sensação daquelas arquibancadas tremendo, no ritmo da Galoucura pulando.

A visão do gramado, do sol se pondo sobre a arquibancada, das faixas espalhadas.

Os sorrisos e palavrões compartilhados.

Placar final no Mineirão! – arquivo pessoal

Aqueles UH! AH! NÓOO!!!

Minha garganta aperta de vontade de gritar GOOOOOL! GAAAAALOOOOOOO!!!!

Abre logo, Mineirão.

To com saudade!

A menina cresceu, mas ainda hoje, como todo atleticano, quando ouve um estouro de foguete, grita: GALOOOO!!!!

Porque Chanel e Valentino já sabiam do poder do clássico preto-e-branco! – arquivo pessoal – Hall de entrada do Mineirão

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

9 ideias sobre “Paixão em preto-e-branco – GALO!!!

  1. Ai, que saudade de ir no Mineirão! Também sou do tempo que o maior rival do Galo era o Flamengo (e sua famosa mala preta). Na parede da area do meu apartamento estava pichado pelo meu irmão “Rei, Rei, Reinaldo é nosso Rei”.

    E João Leite era o melhor goleiro do MUNDO! =)

    Amei o texto, amei a declaração de amor para esse meu pai torto (já contei pra todas as bisca que nasci por causa do Galo, neah? Meus pais celebraram a conquista do Campeonato Brasileiro da melhor forma… e eu nasci nove meses depois!)

    Então, como bisca-filha-do-Galo, só posso dizer que to babando toda feliz nesse seu post!

    Gaaaaaaaaaalo!

    Beijos

    Dri

    • João Leite era o melhor goleiro do mundo, sim.
      Mas eu era louca pelo Taffarel tb. Foi uma boa fase, lembra?
      E Eder Aleixo, aquele lindo!
      Eu era apaixonada por ele, queria casar com ele (aos cinco anos de idade! Biscate-mirim!)
      Que bom que vc gostou!!!! Difícil arriscar escrever sobre o Galo com tantos apaixonados mas o atrevimento foi maior!

      beijos pra vc e pro futuro atleticano!!!

  2. O primeiro campeonato Brasileiro de Futebol, o de 1971, e não os anteriores que eram campeonatos nacionais, como a Copa do Brasil, a Taça de Prata e etc e tals, foi ganho pelo Galo. Foi um triangular final entre o Galo, o São Paulo e o Fogão. O Galo arrancou uma vitória suada contra o SP no Mineirão, 1×0. O Tricolor ensacou o Fogão no Morumbi, 4×1. Mas no Maracanã, du Galo… 1×0, gol de Dadá Maravilha. O time do Galo era dirigido por Mestre Telê Santana. E em 77 o SPFC daria o troco, ganhando em pleno Mineirão a primeira das seis taças de Campeão Brasileiro (até o presente momento) do mais querido. Fica aqui o relato…. e o gol do Dadá no “VocêTubo”, na voz de Luiz Noriega (“Primeiro gol EM Maracanã…”) :

    Dra. Renata, lindo texto.

  3. Adorei o texto, parabéns, Renata!

    É desses textos que não precisam ser grandes (longe disso) para sintetizarem o que forma uma paixão que desconhece divórcio!

    Galo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>