A Parada Gay não é mais a mesma?

A tristeza acompanha as notícias vindas de São Petersburgo: a paraga gay russa será, até o momento e apesar do clamor dos defensores dos direitos civis, proibida pelos próximos 100 anos em nome de uma sociedade mais ***civilizada***. Nesse momento, a luta contra homofobia no país significa o direito de protestar pelo direito de protestar. Aqui a situação é parecida.

Guardadas as devidas proporções, recentemente enfrentamos situação semelhante com a Marcha da Maconha. Felizmente, o STF considerou inconstitucional a repressão contra manifestações públicas. Temeroso pensar que precisamos chegar a essa instância para garantir um dos direitos mais básicos do modelo democrático em que vivemos.

Esse é o contexto da 16ª edição da Parada Gay 2012 que acontece amanhã em São Paulo. Porém, o evento vem sendo erroneamente criticado pelo suposto esvaziamento político e acentuado alcance econômico. A data, antes marcada pelo protesto, teria se transformado numa ocasião de diversão, pegação geral, sexo livre, promiscuidade. Coisa que não ***combina*** com a luta pelo casamento igualitário e a defesa da ***família***.

As perguntam se multiplicam. Por que temer o caráter carnavalesco do evento? Por que uma manifestação LGBT deveria ser casta e puritana? Por que a luta deveria sublimar toda e qualquer manifestação da sexualidade? E se os manifestantes não podem pegar geral em seu próprio evento, quando poderão? Não se trata apenas de moral e bons costumes. Pegar geral e irrestritamente é fazer política, biscates sabemos.

E assim temos avançado. Há conquistas a  celebrar, terreno a ser defendido. Na base de muito pancake, por que não? Porque nunca será apenas uma oportunidade para ver e ser visto. E mesmo que seja, teremos motivação política suficiente: lutamos pelo direito de existir numa sociedade que nos quer (femininas, masculinas, transsexuais ou assexuais) invisíveis a todo custo, no máximo submissas e caricatas.

A boa notícia (e a má) notícia é que todo manifestante LGBT sabe disso.

Então que venham muitos beijos, glamour e pegação.

Enquanto incomodar muita gente, é porque estamos no caminho certo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 ideias sobre “A Parada Gay não é mais a mesma?

  1. Acho que esse texto foi muito certeiro em sua análise. Ultimamente, tenho tbm construído críticas a parada pela diversidade, justamente por esse suposto esvaziamento político e oportunismo do capital, que tratou de transformá-lo em um jeito de conseguir gerar lucros. Digo isto porque para mim ainda há uma questão que a gente precisa se aprofundar no seio da militância LGBTT: nós homossexuais temos diferenças de classe e os efeitos da homofobia são sentidos mais fortemente entre aqueles e aquelas mais empobrecidos e empobrecidas. Bom, isso é apenas uma auto-crítica e muito ainda se poderia falar a respeito. Considero que a gente tem que ir somando isso aos desafios a serem enfrentados, que são inúmeros. Mesmo assim, continuo achando que a parada é uma estratégia legal e a Charô trouxe elementos importantes, que na verdade são luzes ofuscando a escuridão das críticas certinhas demais. Portanto, vamos “se montar” galera e soltar BEIXOS PRA QUEM É TRAVESTCHY! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *