Ser biscate é…

Por Niara de Oliveira

… não ter vergonha nenhuma na cara!

Minha avó Carolina dizia que mulher tinha que ter vergonha na cara e à boca pequena dizia que mulher só tinha que ter vergonha na cara.

Vou dar uma ideia para vocês da minha sem-vergonhice ou da minha descaração e do que estou falando. Estou em falta com o BiscateSC e desde que comecei um novo trabalho em meados de julho deixei minha parceira na gerência dessa bagaça pendurada no pincel e solita. Antes fosse pendurada noutra cousa, né Lu? Não faço ideia se vocês estão sentindo minha falta (tinha que ter um mimimi…), mas eu — depois de um estresse básico e de querer ficar um pouquinho afastada mesmo — estou morrendo de saudade da biscatagi por escrito. Claro, porque da outra biscatagi eu não largo nem a pau (aliás… bem… cês entenderam, né?)

Não é que falte inspiração para escrever, mas é que estou num momento estranho e profundo da biscatagi sobre o qual ainda não consegui escrever.

Aí, tentando dar uma curva na-falta-de-saber-o-que-escrever, resolvi perguntar no feicibúqui (clica para conferir) e no tuíter (clica para conferir) o que era ser biscate para cada amigue. Buenas, as respostas foram quase todas na mesma direção e nenhuma me satisfez. Teve ainda a linda da Bárbara que sugeriu essa trilha pra noite de ontem e se dispôs a me ajudar depois de algumas cervejas (adogo!)… Mas, ela também foi na direção contrária do que eu (não) estava pensando — Aproveito, sendo muito cara-de-pau, para convidá-la a escrever como nossa biscate convidada. Vem, Bárbara!? — Obrigada também a Márcia, Amana, Clara, Vivi, Jeane, Tati, Tania, Mônica, José João, Daniela, Ginga, Renata, Luciano, Moses e Cris. A todos também fica o convite, afinal essa casa está sempre de portas e pernas (ui!) arreganhadas para quem quiser entrar.

Mas, voltando à vaca fria… A inspiração não veio, meu dia foi atropelado pela agenda doida de trabalho e eu não consegui descobrir um aplicativo para postar (ainda bem!) o rascunho péssimo que rabisquei no ônibus no trânsito engarrafado de hoje de manhã pelo celular. Só consegui parar em frente a um computador agora (30/08, 16h31) e saiu esse desabafo.

Achei melhor ser sincera — porque biscate diz o que pensa e o que sente –, reconhecer a minha falha e declarar minha saudade da biscatagi escrita.

… e morrer de saudade!

Agora, dá licença que tem amiga biscate na cidade me chamando para tomar cerveja e eu não resisto.

Beijo, me liga!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

6 ideias sobre “Ser biscate é…

  1. Pingback: Inventário de uma alma rebelde, de bisca |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *