A valentia de Tereza

Em meados dos anos 70, Tereza, aos 18 anos, tomou uma decisão que certamente, mudaria todo o resto de sua vida: sair da casa dos pais. Solteira.

Hoje, tal atitude não seria vista como uma afronta (apesar de ter muita gente que ainda torce o nariz para mulheres que moram sozinhas). Mas imaginem como foi para Tereza enfrentar tudo e todos para poder fazer suas próprias escolhas, numa época em que mesmo com tantas revoluções feministas acontecendo, o Brasil estava mergulhado nas trevas de uma ditadura militar e nos resquícios de um pensamento bastante conservador?

Tereza nasceu numa cidade pequena do interior do Paraná. Filha mais velha de uma dona de casa e um comerciante, tinha duas irmãs e dois irmãos e cresceu vendo os “homens da casa” terem uma série de privilégios com os quais ela e suas irmãs jamais poderiam sonhar. As irmãs não ligavam muito para isso, pois achavam que era assim mesmo que teria de ser. Mas Tereza era muito questionadora e inquieta. Ela queria poder brincar de bola, sujar a roupa, chegar em casa mais tarde, falar palavrão… E não demorou muito até que ela se tornasse a “ovelha negra” da família e um “mau exemplo” para as garotas da vizinhança.

Ela sempre gostou muito de estudar e já na escola, mostrava-se uma aluna brilhante. O sonho dela era ser engenheira, sonho este que jamais foi incentivado por ninguém. Mas quem disse que ela desistia? Estudava nas poucas horas vagas que tinha após ajudar a mãe e as irmãs no serviço doméstico. O fato de ser tão estudiosa acentuou muito o seu senso crítico, fazendo com que ela decidisse que iria lutar com todas as forças para defender àquilo que acreditava.

Não foram poucas as vezes em que Tereza viu várias mulheres de seu convívio – incluindo ela mesma – sofrerem caladas por conta do machismo. Poucas eram aquelas que tinham coragem de enfrentar o peso que a sociedade exercia sobre suas vidas e quando enfrentavam, eram excluídas, mal vistas, duramente julgadas.  Mas nem isso fez com que ela abrisse mão de sua liberdade. Saiu da casa dos pais e veio tentar a vida em São Paulo.

Com um emprego de ajudante de bar, Tereza ganhava o suficiente apenas para comer e para arcar com os custos de um quartinho em um pensionato. Economizava todo o pouco dinheiro que sobrava e nas horas vagas, e sempre que podia, estudava. Até que ao final de seu primeiro ano em São Paulo, foi aprovada num dos vestibulares mais concorridos de engenharia do país. Ela e outra garota eram as únicas mulheres presentes num curso de duzentos alunos. Após muito esforço, conseguiu uma bolsa de pesquisa e antes mesmo de terminar a graduação, conquistou um emprego em sua área.

Dia desses, contei para um conhecido a história de Tereza. Talvez, teria sido melhor eu ficar quieta, porque tudo que ouvi foi: “valentia de mulher dá nisso mesmo: em tristeza e solidão. Certeza que a família dela morre de vergonha do que ela aprontou”.

Que nada. Ai se ele soubesse… É que depois daquelas palavras, perdi a paciência de contar e a vontade de conversar com ele novamente. No entanto, digo para vocês: Tereza hoje mora com seus três gatos em um dos prédios de apartamentos que projetou. E nem pensa em se aposentar, porque ama muito aquilo que faz. Não se casou porque não quis, e tem bons amigos. Adora viajar e dançar. Sua família hoje tem muito orgulho dela e fala sobre sua trajetória com muito carinho. A coragem dela foi forte o suficiente para transformar o preconceito em respeito.

Depois disso, só posso concluir que “valentia de mulher”, ao contrário do disse o meu famigerado conhecido, não traz nada que envergonhe. Muito se engana quem pensa que uma mulher que luta por seus sonhos e pela conquista de seu espaço é infeliz e solitária. Tereza – e tantas outras hoje – estão aí para mostrar isso. E é nela – e nestas outras mulheres livres e destemidas – em quem eu, que ainda tenho um longo caminho a percorrer, quero me espelhar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Uma ideia sobre “A valentia de Tereza

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>