Vida Dura de Biscate…

Por Niara de Oliveira

Quem define biscate – vadia – puta (não vou usar o vagabunda de propósito) como mulher de vida fácil não faz ideia do trabalho que é bancar esse título-posto nesse mundo machista e capitalista em que vivemos. E nem precisa ser, basta parecer para ter que sustentar e botar banca.

De verdade, nunca me importei com os títulos que me davam, só com os que assumia por livre e espontânea vontade. Nessa vibe, aos 16 anos ouvi da minha mãe que os comentários a meu respeito na feira era que não conseguiria um bom casamento. E eu pensava cá com meus botões: Oba! Nunca quis casar e um bom casamento para minha mãe era um homem trabalhador, não precisava ser culto ou estudado, que sustentasse a mim e aos filhos que teríamos sem que eu precisasse trabalhar. Não é um sonho dourado? Só que não, né? Por favor…

Fato é que acostumei a bancar, fosse o que fosse: preconceito, títulos, julgamentos… Só que um dia isso tudo pesou de uma forma decisiva. Foi quando tomei uma decisão tão controversa que meus amigos da vida toda — com exceção da Fernanda, comadre e melhor amiga pra todo o sempre — não se seguraram e apontaram seus dedinhos na minha direção. A sorte — não do dia, nem do mês, nem da década — da vida? É que ao mesmo tempo em que perdia esses amigos, outros amigos surgiram. Não amigos maiores e nem melhores, AMIGOS! LINDOS! AMADOS! Gente-tri-humana, saca? Gente que me acolheu no coração e na casa e que em nenhum momento me julgou.

Mas… Eu me julgava. Não foi fácil deixar meu dino-filhote para trás. A dor e a culpa me consumiam… E por mais que conscientemente eu soubesse que estava fazendo o que deveria, não bastava. Falhar como mãe, sendo biscate, tem assim peso duplo. Sabe comé?

Já vi as demais biscates usando a expressão “mãe de cesárea”. Pois, é. Não é o caso. O parto do dino-filhote foi normal. Normal não, natural. Porque não é normal passar a cabeça de uma criança por um lugar onde “normalmente” só entram coisas pequenas (a piada é péssima, eu sei, as não resisti). E não me sinto mãe de cesárea. Tenho uma ligação muito forte com meu dino e acho que fui muito além do que poderia ir como mãe.

Há coisas das quais não me orgulho, é fato. Mas não me sinto diminuída. E agora que meu dino está de novo debaixo da minha asa, me sinto bem mais segura para sustentar minhas bandeiras, títulos e famas.

Estou botando banca, sim, e sustentando essa banca. Vai encarar?

photo (1)

Dinossauros reunidos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

14 ideias sobre “Vida Dura de Biscate…

  1. Muito feliz de saber que você está com seu filhote embaixo da asa novamente. Não sei como é ficar longe do meu tanto tempo, e sei o quanto você sofreu com a distância. Mas, agora, tudo isso é passado.
    Curta muito seu dino-filhote. Tire o atraso.
    Beijos!

  2. Aos prantos com teu texto aqui. E como não estaria? A gente que te vê e te acompanha te admira a cada dia mais, e torce pra que dê tudo certo pra você, pro dino-filhote. Na nova vida, na nova casa, na nova cidade. Tudo novo. Muito muito carinho. As fotos tão lindas.

  3. Minha alegria não cabe em mim. Feliz por você, pelo dino-filhote, pelo novo pai…
    A vida também traz coisas boas, a gente tem que dar uma chance a ela.

    Obrigada pela honra de sua amizade. Obrigada por poder acompanhar esse momento.

    Biscas, unidas, jamais serão vencidas!

    Beijos emocionados,
    Dri

  4. Ai, comadre! Ia escrever que não imaginas como estou feliz por estarem finalmente juntos.Mas eu tenho certeza que não só imaginas: sabes. O melhor de tudo é ter participado( mesmo que menos que desejava)do resgate da tua autonomia, das tuas verdades e dea felicidade merecida para ti e pro meu Dino-afilhado! Toda felicidade´,muito amor e muita saúde pra vocês e pro cumpadre nesta vida nova. Beijo, abraço de urso e a minha profunda admiração de sempre,como sempre e para sempre. Nanda

  5. E tem outra, quando algum (a) idiota falar em mãe de cesareana, manda à mercadoria por mim. Eu sou mãe de cesária por três vezes e bem sabes que minha maternidade não pode e não deve ser menosprezada. Amo e celebro cada um dos meus rebentos, cada um do seu jeito, com suas diferenças e peculiaridades.E tem mais: cesariana dói à beça…e não é uma opção da mãe,só as fiz por absoluta necessidade clínica.E se insistirem…ora,ma va fancullo!

    • A expressão “mãe de cesárea” é usada por mães que se criticam por serem “degeneradas”, por não cumprirem o papel esperado para elas. Vai embutida na expressão a crítica, a ironia. Eu é que nunca usei de me chamar assim. 😉

  6. To muito feliz que você resgatou o dino-filhote. Estava esperando por esse dia. Nossa, ainda fico lembrando das suas inquietações de quando você esteve aqui em casa. Ainda bem que passaram… 😀 BEIJOS!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *