Alguém perguntou alguma coisa?

Ou sobre a ditadura da “beleza”

Por Carolina Iootty Dias*, Biscate Convidada

TextoCarol

Outro dia uma amiga veio cobrar de mim porque eu não malhava pesado, dizendo que, afinal, já estou com 35. Ela chegou ao cúmulo de pegar no meu braço para medir a flacidez do meu músculo.

Na hora escutei perplexa, chocada com a total falta de respeito, mas horas depois mandei email cujo conteúdo pode ser traduzido em uma só frase: “Eu te perguntei alguma coisa?”.

É errado se sentir bem com um punhado de fios de cabelos brancos na cabeça, alguns músculos flácidos e duas ou três rugas que começam a se revelar? Quando foi que nos impuseram essa estética que torna a passagem do tempo um crime inafiançável? Alguém perguntou a minha opinião a respeito?

Não pretendo, com esta pequena reflexão, entrar naquela lógica babaca de que “hoje eu sou melhor do que aos 25”, como se tivesse algo de que me desculpar. NÃO! Hoje eu sou a mesma merda que era aos 25. Sou chata, implicante pra caramba, mal humorada, bronquinha, superexigente no trabalho, atrasilda para uma determinada espécie de compromissos, preguiçosa…

Eu sou normal. Não quero ser nada além disso.

Mulheres de 45, 50, 60, 70, vocês são lindas e, por vezes, muito mais interessantes do que nós. Se quiserem fazer aplicações de botox, façam. Se não quiserem fazer não façam. Façam o que lhes der prazer.

.

carolina_biscaconvidada*Carolina Iootty Dias é escritora diletante, advogada, carioca, flamenguista, apaixonada por moda e autora do blog arosacarolina.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 ideias sobre “Alguém perguntou alguma coisa?

  1. A frase mais significativa para mim nos últimos tempos é a que dizia que chegamos a um estágio de letargia (idiotia, imbecilidade e futilidade) que, hoje, ao contrário de defendermos a digestão de novas posturas no mundo, nós estamos, ainda, tentando defendermo-nos do óbvio…texto sucinto e delicioso.

  2. “Carolina… seus olhos fundos… a dor de todo mundo…
    seu pranto não vai nada mudar… lá fora amor…”
    Essas padronizações estéticas brasileiras, são lamentáveis. Pra dizer o mínimo, muito limitadoras. Você está maravilhosa.. Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *