Qualquer Uma

Uma qualquer… Qualquer.

Aprender a respeitar, calar, escutar. Apanhar, sofrer, morrer. Para (ter que) gritar, exigir, lutar. E Sobreviver.  Ser. Estar. Apontada, julgada, excluída.  Errar. Acertar. Subverter. Aí de novo, de outro jeito. Outra vez.

qualquer

*

E no (re)começo era (também) o verbo.

Depois outros textos. Adjetivos. Pronomes (im)pessoais. Tantos. Mais.Resoluções. Revoluções.  Destruições. Desmontar, desconstruir, repensar. A teoria cotidianamente colocando em xeque a prática que é viver e tentar ser feliz. Aconchegar-se. Florescer em outras estações. Ser clichê. Expor-se. Poetizar, pintar, escrever.

qualquer

*

(Des)aparecer.

Apaixonar-se. Enlouquecer. Querer matar a quem se pretende. Proteger. Equilibrar-se no tênue fio que é querer. Rimar. Ruborizar. Pontuar. Lembrar. Esquecer. Flagrar-se. Ensinar a quem aprendeu a temer.

qualquer

*

Podia ser qualquer uma, se não fosse eu. Eu me chamo. Gargalhando e entre novos brindes. Sambando miudinho.

Biscate, muito, muito, muito. Prazer.

*fotos de Paz Vega, em cenas do filme Lucia y el Sexo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Uma ideia sobre “Qualquer Uma

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *