Ver pra Crer: sobre a visibilidade

Ver pra que, Tomé? Colocar o dedo na chaga por quê, Tomé? Para Crer? É isso que é necessário para se entender? Ver?

Falar em visibilidade pode parecer um contra-senso pra quem é minoria. Por que querer aparecer? Por que querer, em certo sentido, mostrar a intimidade? Por que buscar se colocar como peça frágil no tabuleiro da vida? Mas é justo por isso que ela é necessária!

Esse não é um texto para a militância… Que está na militância entende bem o porquê da visibilidade. Esse texto é pra quem está em casa, no trabalho, no armário, nas caixas da rotina. É pra quem está acomodado, satisfeito, receoso, com medo da situação.

Ver o amor, Crer no Amor

Ver o amor, Crer no Amor

Ter visibilidade é parte de um processo, um processo de luta. A visibilidade é o primeiro passo de um fazer ser entendido. Ter visibilidade é se fazer valer como alguém em sociedade, é dizer que não se está à mercê de uma imposição de resignação e esquecimento. Ser visível é se fazer crer como gente!

Se fazer visível é poder, acima de tudo, se fazer estar sem sentir vergonha, sem ter receio, sem perder a esperança. Mas não é um processo bonito. Se fazer visível e, mais, se fazer visível para mostrar o próprio amor requer coragem. Coragem para aguentar o preconceito. Coragem para lutar contra a agressão. Coragem pra não desistir quando o reconhecimento parecer inalcançável. É coragem de ser fora da margem.

IMG_4479

Ser e Ser Visto

A luta pela visibilidade é, no fim, a manifestação da insatisfação de ser excluído do que é considerado “aceitável” no meio social. É se dizer parte de tudo isso, é se mostrar presente em tudo isso, é, incansavelmente, trazer incômodo a quem não é capaz de entender o diferente. Essa luta para ser acreditado como “também” é em que consiste a pauta da visibilidade!

Ser visto, ser reconhecido, não é querer ser algo especial, para além. Ter visibilidade é justamente querer ser entendido como parte disso tudo. É por isso que essa busca se dá na esfera do não-íntimo, ou da exposição do íntimo. A pauta da visibilidade é de mostrar à sociedade que, se um dia ela o fez calar, ela o fez esconder, ela o fez temer, hoje ela terá que lhe encarar.

Os processos sociais não são puras assimilações pacíficas ou repetições controladas do que sempre foi. Os processos sociais são, sim, o rescaldo de lutas, o reflexo de manifestação das vontades contidas por dogmas e padrões causadores de opressão. E é por isso que, acomodado ou não, com medo ou não, a visibilidade é algo necessário para uma única coisa: se fazer crer como gente.

Por isso, não aproveite apenas o dia ou a semana da visibilidade lésbica ou bissexual para se fazer ver, Tomé. Para se fazer crer, visibilidade é todo dia!

IMG_4887

Não se deixar abater

Les-Bi-Biscatismos

Les-Bi-Biscatismos

 

A postagem faz parte da 1ª Semana de Blogagem Coletiva pelo Dia da Visibilidade Lésbica e Bissexual, convocada pelo True Love

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 ideias sobre “Ver pra Crer: sobre a visibilidade

  1. Puta texto, Mozzine. Obrigada por ele. Fiquei emocionada. E é isso, a luta tem que ser de todo dia. Nas pequenas coisas. Nos detalhes que mudam atitudes que mudam opiniões que mudam realidades.
    Beijo.

  2. Pingback: Isso também é assunto meu | Biscate Social ClubBiscate Social Club

  3. Pingback: Sou Lésbica! Sou Biscate! | Biscate Social ClubBiscate Social Club

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *