As mulheres direitas

Por Adriana Torres*, Biscate Convidada

Trabalhar com direitos humanos não é nada fácil, ainda mais em tempos de bandido bom é bandido amarrado em poste, mimimi cadê direitos humanos pra defender os homens de bem, mimimi se está com dó leva pra casa, blábláblá wiskas sachê.

Mas confesso que as amostras de ignorância da #classebrancadericosecultos nada são, perto da revolução que somos obrigadxs a fazer em nós mesmxs.

Eu comecei a atuar no terceiro setor há sete anos e mais diretamente com direitos (ambientais, humanos e não humanos) há pouco mais de cinco anos, quando aderi voluntariamente ao Movimento Nossa BH.

Até então, me orgulhava profundamente de tudo que tinha “conquistado” na vida. Em que pese eu ter nascido de uma verdadeira TFM (ahhhh, a famosa Tradicional Família Mineira…) e vivido quase trinta anos em um dos bairros mais tradicionais de Belo Horizonte, batalhei um bocado para conquistar minha autonomia financeira. Trabalho desde que me entendo por gente e necessito de dindim para tomar brejas e pagar meu cigarro.

Já lavei cachorro pra ganhar trocado, fui cuidadora do meu próprio avô durante quatro anos (com direito a meio salário e uma rotina considerada pesada para uma adolescente de 15 anos, que chocou alguns médicos que o examinavam), fui vendedora de bebidas (aeeeeee!)  de peças para equipamentos pesados (ok, antes eu também chamava de trator, pode chamar também), até conseguir cursar a faculdade com vinte oito anos de idade, pagando do meu bolso ao mesmo tempo em que morava sozinha, cuidava de dois dogs, dormia no máximo quatro horas por dia… a partir daí entrei para o mundo da comunicação, depois para o terceiro setor e aqui estou. Sou uma vencedora? Acreditava que sim. Uma guerreira! =p

iansa

—-

Uma pausa para entenderem aonde quero chegar. Como atuo com comunicação, passo boa parte do dia analisando notícias e posts nas plataformas digitais (pausa dentro da pausa pra explicar – sim, twitter, facebook e similares NÃO SÃO REDES SOCIAIS, são plataformas. Rede é aquilo que formamos e fomentamos dentro e/ou fora dessas plataformas e sou virginiana o bastante para detestar que chamem a ferramenta pelo uso que podem – ou não – fazer dela. Ufa).  E analisar o discurso dos internautas é prato cheio para compreender o pensamento vigente e os preconceitos naturalizados pelo sistema que nos cerca e nos estrutura.

Ontem me chamou a atenção o discurso de um amigo sobre sei lá quem (não consegui ler o resto do post, me ative à primeira frase).  Ele afirmava que admirava mulheres bonitas que não se escoravam nisso para fazer sucesso. Consciente ou não, seu objetivo era elogiar as mulheres da sua timeline que batalham e conquistam suas pequenas alegrias materiais do dia a dia com o suor (?) do seu cérebro ou do seu corpo, desde que não seja na posição horizontal, papai-e-mamãe etc.

No mesmo dia, vi o comentário de amiga de amiga (não me xingue, Niara, eu já consegui parar de ler comentários em sites, mas no twitter e no facebook ainda não foi possível) dizendo que admira as poucas mulheres direitas “que ainda prezam pela sua imagem” e não se vendem ao mercado e – ponto alto –  que é culpa dessas aí que se vendem estarmos todas “na vitrine”,  pois os pobres homens acabam acreditando que todas são iguais e querem se vender. (escorreu uma lágrima no canto do olho de dó dos machos alfa, como ela os apelidou).

—-

Recapitulando, nada é mais dolorido e ao mesmo tempo enriquecedor do que a revolução que fazemos em nós mesmxs quando trabalhamos com direitos. Eu posso não mudar o mundo, mas tenho consciência que a Adriana de hoje é completamente diferente da jovem que limpava a bunda do seu avô sonhando com o dia em que seu príncipe encantado a resgataria e a levaria para morar numa fazenda no meio do mato cheia de cães, cavalos, galinhas, onças e tigres(era meu sonho, dá licença? =p).

Lendo essas pérolas, fiz uma viagem ao passado. Eu sou branca, cis, magra e com carinha de francesa que acabou de chegar de Paris, como dizia minha saudosa mãe.  O quanto isso influenciou as minhas “vitórias”?  Quantas vezes um contratante não se deixou influenciar pela imagem do padrão “certo” que eu refletia? O quanto meus gerentes, professores, colegas não compraram inconscientemente meu corpitcho? Não sei dizer. Não tinha parado para pensar nisso, só me incomodava quando ultrapassavam o sinal e o assédio acontecia.

O sistema patriarcal é muito escroto. Por um lado impõe um culto nefasto ao corpo feminino, negando a quem não se submete as regras oportunidades diversas. Mas se a mulher resolve usar isso como meio para alcançar seus objetivos é repudiada. Não sejamos ingênuxs, né? Todas somos avaliadas constantemente pela nossa aparência física. Hoje eu tenho plena consciência que meu biotipo me proporcionou privilégios negados constantemente às que fogem do padrão. Então que, sinceramente, eu dispenso de bom grado elogios de como venci (?) pela inteligência e não usando a beleza, pois  isso independe de mim.  Merece elogio quem, a despeito do sistema e do preconceito que ele dissemina, conseguiu vencer apesar de não se encaixar no modelo imposto.

DSC_0098-002

Devemos também parar de jogar pedras em quem usa seus atributos físicos para ganhar dinheiro. Ela só está dançando conforme a música, e, muitas vezes, mudando o tom sem que o autor perceba. Não é responsabilidade da mulher que opta livremente por expor seu corpo – e, consequentemente, ganhar algo com isso (que pode ser dinheiro, poder ou simplesmente um beijinho na autoestima) – a opressão que nos cerca. Não fomos nós que criamos o sistema, ele está aí e questioná-lo é válido, mas reverter a lógica do opressor usando-a ao seu favor também é uma forma de luta. E isso parece incomodar muito mais do que a mulher que “usa a inteligência para vencer” (como se as demais não usassem, neah? hahahaha) Só lembrar da campanha para combater o preconceito com profissionais do sexo, barrada pela gritaria da bancada evangélica que esperneou ao pensar em uma prostituta feliz.

Imagine o pensamento:

(Como? Eu crio e alimento um sistema para humilhar, mostrar o quanto a mulher é inferior, um objeto descartável, você se empodera por meio dele e ainda tem a audácia de gritar que é feliz? Assim não pode, assim não dá! )

cartazprostituta

Confesso, eu não tenho respostas para mudar a lógica do sistema, só questionamentos. Mas tenho indícios do que não fazer. Negar a realidade é um deles. Julgar pessoas e não culturas/ processos/modelos/estruturas é outro.  E parar de questionar cada pensamento que nos surge é a pá de cal na revolução que precisamos fazer nesse mundinho machista, homofóbico, racista e classista dos infernos.

Bora biscatear e sambar na cara da sociedade. Com direito a beijinho no ombro das universitárias de plantão! =D

 

adriana torres*Segunda vez que Adriana Torres, essa bisca convidada ingrata, escreve por aqui, devendo muito mais do que dá conta de pagar, mas a gente finge que entende porque tem filhote de um e meio, cinco cachorros, duas gatas, trabalha de frila em frila, tem três trampos voluntários e ainda arruma tempo pra ler comentários no facebook.  Oh dó! =D

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 ideias sobre “As mulheres direitas

    • Amor é com a gente mesmo! =D

      E eu só não posso dizer que o dia de ontem foi pesado, pois passei o tempo todo postando fotos de feminista bisca na página da Marcha das Vadias BH… hahahaha

      Vamo que vamo! <3

  1. Não conhecia este site. Estou amando os textos, pois são de uma lucidez e de uma franqueza extrema, o que dificilmente encontramos nos meios de comunicação de massa, os quais se dizem “sem preconceitos” e que, no entanto, estão impregnados de um machismo velado e cruel. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *