Não mascare a violência contra a mulher – Campanha de Carnaval

Esta biscate escrevente está de plantão, em uma cidade histórica de Minas, com um Carnaval famoso em todo país.

1978672_486191464814134_1570486791_n

E onde em 2012 uma campanha da PM contra o beijo roubado gerou protestos dos foliões – e foliãs.

Este ano o mesmo tema retorna na campanha “Não mascare a violência contra as mulheres”, da Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana da Paraíba. Segundo informado, serão distribuídos mais de 50 mil leques com telefones de Delegacias da Mulher e do Disque Denúncia 197 alertando sobre o que fazer em casos de agressão e beijo forçado. De acordo com dados da Delegacia da Mulher de João Pessoa, neste período carnavalesco o número de denúncias aumenta cerca de 30%.

Tão importantes quanto processar criminalmente e punir os agressores, autores de violências contra as mulheres, são as campanhas de conscientização.

1782164_563093943788242_545333913_n

O beijo “roubado”, pode, sim, ser “brincadeira”, se a parte do “roubado” for brincadeira, consentida, entre pessoas adultas e capazes.

O beijo forçado, obrigado, constrangido mediante uso de força física, segurando pelo braço, pelo cabelo, cercando a pessoa com os amigos em “corredores poloneses”, etc, é violência, é crime, tem que ser coibido.

O problema que vejo é que somos tão acostumadas, nós, mulheres, a mascarar a violência como brincadeira, ainda que de mau gosto, que toleramos e negamos nosso direito de dizer não. No Carnaval, não vale tudo.

No Carnaval e nas baladas, mais ainda que no dia a dia, é como se nosso corpo se tornasse público. E não é. Nosso corpo é nosso, e não abrimos mão de nossa autonomia ao vestir uma fantasia provocante e tomar bebidas alcoólicas e sairmos desacompanhadas de um homem.

Ano passado no plantão de carnaval em outra cidade do interior, um jovem de 16 anos, daqueles bem fortes, criados “a danoninho”, agrediu uma colega, com um murro no rosto que quase fraturou o nariz da jovem. O motivo: ela não quis aceitar a brincadeira de beijo roubado, já que o jovem estava embriagado.

Ser agarrada a força e obrigada a beijar, seja um desconhecido seja um colega, não é brincadeira.

1920084_560798004027168_1726063545_n

Brincadeira é brincar Carnaval. Somos todas a favor de variadas estripulias e de se fazer o que se quer. Beijin no ombro, camisinha no bolso!

Mas fazer o que não se quer, e ainda ser acusada de “estar aí para isso”, ter que ouvir “com essa roupa, quem mandou”? Não. Amor de Carnaval tem que ser sem violência!

Amigas, meninas, moças, mulheres. Não somos obrigadas. Se você quer beijar um, dois ou quantos mais, é seu direito. Se não quiser beijar ninguém, é também seu direito!

Se quer brincar, entrar na brincadeira dos beijos roubados e achar que não tem nada de mais, ok, claro que você pode.

Mas se outra não quiser, não é frescura, exagero nem “cu doce”.

É liberdade, também.

tumblr_inline_mhx7olIDu91qz4rgp

* adendo necessário: muitos dos homens que fazem tais brincadeiras acham que são realmente brincadeiras, porque não estão acostumados a pensar na autonomia da mulher. Felizmente, vários já estão se conscientizando e entendendo que a violência se mascara de várias formas.

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Uma ideia sobre “Não mascare a violência contra a mulher – Campanha de Carnaval

  1. Pingback: Qual a sua fantasia? - Beleza Mamífera

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *