Lidando com Nevascas

Angústia não pede licença. Não manda aviso. Não precisa de batedores. A angústia mora no sótão, arrasta correntes, recebe bandejas de comida à porta sempre ensombreada e, vez ou outra, quando lhe dá agonia de ser ela mesma, ela, a angústia, desce a escada e põe-se a percorrer a casa. Percorre-me, em corredores que se tornam sombrios, lâmpadas que amarelam os cantos e aquele vento frio que assovia como a manter acordado o desespero. Ela, a Angústia, em seu desbotado estar, se abanca na varanda e fica a espiar, pelos meus olhos, o mundo. Com suas unhas enormes arranha a madeira da cadeira em que lentamente se balança. A angústia ocupa os espaços. Ela empurra tudo pra fora e tudo me arde em lágrimas. Corto cebolas pra nos alimentar e não confessar minha entrega. Ela revira os armários e desordena o tempo que eu pensava meu. É sempre frio por dentro quando a angústia faz a ronda.

Cortar-Cebola-sem-Chorar_2

Pra sentir-me melhor e reconduzir a angústia pra seu embolorado sótão – porque embora ela só vai quando vamos todos: sonhos, esperanças, amores, alegrias, suspiros, até o último – tem que ter comida que conforta. E, como todo mundo sabe, há 3 coisas que fazem a vida ter sentido: açúcar, gordura e fritura (rá, vocês pensaram que eu ia dizer sexo, né?). Então, comida que conforta deve ter pelo menos um desses ingredientes. Se eu fosse de doces, abria logo uma lata de goiabada, uma caixa de chocolates ou fazia essa receita da Niara. Como não sou…

…quando é frio em mim, faço coisinhas. Tipo bruschetta (já disse como faço as minhas aqui mesmo nesse blog). Ou corto cubinhos de queijo coalho, tempero com azeite e ervas finas e coloco um minutinho no microondas. Linguiça no forno com mel pra comer com pãozinho de leite. Torrada com patê, farinha de castanha com queijo gorgonzola e uma taça de vinho branco seco. Ou os quitutes que outras biscas já fritaram e garantem.

Mas se é nevasca no peito, apelo. E convoco Ele. Isso mesmo. Bacon. Com carboidrato, então, é batata (#trocadilhoinfame). Deixa ele chegar como for. Em quadradinhos que se juntam ao gorgonzola e envolvem o penne (quase, quase #12anos), em fatias finas torradas com ovo pra acompanhar as torradas, com cogumelos dando novo status ao arroz cremoso, pode ser com requeijão e cebola no recheio de uma torta rápida com massa de pizza… pode ser envolvendo, amorosamente, nosso rocambole de carne. Pode, pode, pode, desde que seja ele, a frigideira e aquela crocância que faz, de quase todo mundo, um devoto fiel.

p1060995

Um dos jeitos mais legais: pega aquelas batatas miudinhas e coloca pra cozinhar por uns dez minutos em água temperada com aqueles tabletes de caldo de bacon. Depois faz uma pasta com manteiga, azeite, alho amassado, pimenta-do-reino e mais as ervas que você curtir. Passa nas batatinhas com vontade. Luxúria. Deixa a batatinha lambuzada. Aí embrulha com aquelas fatias finas de bacon, prende com palito e coloca no forno por mais ou menos meia hora (até o bacon ficar crocante). Se não tiver a batatinha miúda? Ué, biscate improvisa. Cozinha a batata maior conforme indicado, amassa como se fosse fazer um purê, faz as bolinhas, espalha a pasta e cobre com os bacons da mesma forma.

keep-calm-and-love-bacon-338

Se não resolver com bacon, bom, aí só com sexo mesmo 😉

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *