Cinema: Contos de fada e foda

Aquela boa e velha história da melhor foda da vida e foram felizes para sempre. E daí nasce todo o amor de tudo, de que vai dar certo e pronto: fim, the end, blockbuster, explodiu na bilheteria. O sonho é este: o de uma boa foda, memorável, com que se ama – ou vai amar.

Ellen Barkin e Al Pacino em Sea Of Love

Ellen Barkin e Al Pacino em Sea Of Love

Escrito assim a gente até já sente a náusea. Daquela opressãozinha marota das certezas absolutas, da tal ordem. Porque resumem amor e foda, sentimentos que definitivamente não podem ser catalogados numa estante de mercado.

A foda, dizem, é só sexo. Então, não é. A foda é experimentar o outro ou a outra. Sim, tem fricção, felação, brincadeira. Mas não, né. A foda é vivenciar. No sexo, vivenciamos o corpo da companhia, das companhias, também trilhando o nosso. Quantas vezes a gente não descobre um novo e nosso pau quando um invento novo – que pode ser da mesma língua, do mesmo dedo, da mesma buceta, do mesmo cu – surge da foda?

Sei que tem gente que considera o ato sexual um protocolo de operações repetitivas. E não julgo, não. Mas a foda, a foda é outra parada. Envolve mais que saliva. E pode não ter sexo na foda, pode ter aquela provocação de carta, de recreio, de internete. Efe, ó, dê, á.

E o amor, o amor é tanta cousa. Nessas histórias de contos de fada fica o amor condicionando a foda num rame rame que não leva ninguém a lugar nenhum.

Dito tudo isso, quer casar comigo?

Final alternativo: “Vamos pegar um cineminha hoje?”

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 ideias sobre “Cinema: Contos de fada e foda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *