das coisas que nem o meu cachorro aguenta mais

Por  Fabiana Motroni*, Biscate Convidada

choque de realidade is so last year: a moda agora é choque de ficção — vejamos:

a moça, entediada com um desterro que atende pelo nome de uma cidade serrana bicentenária, resolve gastar seu sábado a noite levando seu cachorro para passear — pelo menos tá bem mais fresco, dá até para usar um modelito de outono em pleno verão e, na falta de coisa melhor, se distrair é com isso mesmo.

atravessa a famosa praça de eucaliptos da cidade e chega na calçada ao longo do rio e, no ziguezague do seu cachorro bumerangue, que não decide se faz xixi na árvore, ou no poste, ou no meio-fio, ou na grade da ponte — veja bem que a cidade mais tediosa do universo jamais será entediante para um cachorro, um dia serei sábia assim — e ela acaba caminhando ao lado de um moço que está de papo no celular.

normal, ela segue seu ritmo, mas acaba que o moço também segue o dele e coincide que eles estão indo na mesma direção e na mesma velocidade. e a moça então ouve o moço ao celular:

— é, mas isso porque eu sou homem direito, quero ver o que ele vai fazer quando aquela pirigueti da filha dele comecar a dar pra todo mundo, quero ver se ele vai continuar achando que eu não sou ninguém. mas aí também, como ela já deu pra todo mundo mesmo, quem não vai querer ela sou eu.

e ele continua a conversa nesse mesmo nível de antice, e a moça fala para dentro de si mesma ‘ignora, hoje você está a paisana, ignora, faz de conta que você não está ouvindo nada, ignora…’, mas eis que o cachorro ziquezagueia entre as pernas do moço do celular e pronto: mais um choque de realidade no mesmo fim de semana.

— desculpa, moço, ele é assim, o gps dele veio com defeito de fábrica e ele anda em ziguezague, foi mal.
— magina, cachorro é assim mesmo (responde ele automaticamente enquanto, também automaticamente, dá uma avaliada geral na produção de outono veranil da moça)
— mas me desculpa mesmo assim.
— mas foi bom, pelo menos eu parei de falar no celular e pude reparar em você *xaveco de oportunidade detected*
— ha-ha…(sorriso protocolar e educado da moça)
— meu nome é flavio, e o seu?
— meu nome é pirigueti.
— como?
— pirigueti.
— como assim? (e olha para o cachorro como quem procura um outro olhar que compartilhasse a sua impressão de que ele só pode ter ouvido errado. encontrou um olhar de paisagem canino, muito parecido com o dos humanos, só que aquele era de verdade: ele tava com olhar fixo no matinho mesmo, o qual cheirava naquela fissura canina de quem pretende investigar o cheiro até o nivel do dna das folhas.)
— é isso mesmo. meu nome é pirigueti. primeiro nome. o sobrenome é ‘que dá pra todo mundo`. ou seja, meu nome todo é Pirigueti Que Dá pra Todo Mundo, prazer em conhecê-lo.
— (silêncio constrangedor, até que o moço arrisca) você tá me zoando né? mas gostei de você. voce é sincera, e direta, gosto disso.
— não gosta não. eu sou sincera e direta como toda boa pirigueti que dá pra todo mundo é, e que eu acabei de ouvir você falando mal de uma pessoa que era pirigueti e também ouvi você dizendo que, depois que ela desse pra todo mundo, quem não ia querer saber dela era você. então decida em que momento você tá sendo falso: se é agora, pra me cantar, ou se era no telefone.

o cara para de andar e olha pra moça, espantado. a moça para de andar, em solidariedade. o cachorro, coitado, não tem opção, né, tá na coleira. e o moço pergunta:

— quem é você? de onde você veio?
— meu nome é Pirigueti Que Dá Pra Todo Mundo Mas Não Pra Qualquer Um, e eu venho do planeta Onde Quer Que Tenha Machismo Eu Não Me Calarei.

o cara continua olhando com cara de WTF e, quando a moça achou que ia ouvir um monte de merda, ele diz:
– e o salsichinha, como é o nome dele?

FIM.

ImagemPostFabiMotroni

FabianaMotroniBSC

 

*Fabiana Motroni é fazedora de escrituras, inventora de proesias, voyeur de epifanias e apaixonada por conhecer: a vida, as coisas, e gente como você. Boa de papo e facinha de encontrar, ela mora na internet e não resiste a um café fresco: é só chamar =)  www.about.me/fabianamotroni

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 ideias sobre “das coisas que nem o meu cachorro aguenta mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *