Festa de São João

festa de sao joao 2014 4

Eu sempre cantarolei Foguete. Porque eu nem acredito, mas já te sabia em mim. Ou quero acreditar que sim. Por enquanto. A fogueira na pele. As cores. O balanço gostoso. Cantarolo com mais vigor. Desafino. Rio. Um quase rodopio e me deixo quieta num sorriso, há certas belezas que se pedem discretas, uma mulher e um segredo. Então, abro as janelas e aqueço o peito pro abraço. Azul é o dia em antecipações. Pode-se viver no quase e é quase o bastante. Refogo cebolas, para que o cheiro seja de intimidade. Um dia aprendi: é preciso abrir o apetite. Afofo as almofadas e estico bem o lençol da cama. A saudade faz barulho, reconheço, com surpresa, o peito em descompasso. Se eu tivesse a coragem de morrer de amor, encheria a casa de flores, penso, corro ao espelho e tento reconhecer-me. Não tenho sequer a vontade, prefiro viver o bom. Estendo no banheiro a mais colorida das toalhas para compensar. Arrasto os móveis, diz a Bethania na radiola, faço eu, é preciso espaço para o desejo. Varro a casa com vassoura fina, faço eco com as canções. Foram elas que me ensinaram sobre o que desejo. Enquanto me dispo, te respondo em pensamento, eu sei, eu sei, não é vitrola, é cd e é no computador, mas me deixa ser antiga, e quase vejo o sacudir nos ombros e os olhos espantados. Que a gente não saiba o outro ainda me encanta e assusta. De quem você gosta, se sabe tão pouco de mim, já pensei em perguntar, desisto sempre porque vislumbro a sombra dolorida que mancharia seus olhos. Esses olhos em que mergulho e dos quais desconheço a cor, se fosse preencher uma ficha… de que cor são os olhos? Morno. Cor de voltar pra casa. Cor de lua crescente. Cor de doce de caju. Cor de maresia. Morno. Teu olho é morno. Gosto do barulho da água corrente. Deixo o quente da água embaçar espelho e pensamentos. Me umedeço pra você. Shampoo de manga, sabonete de maracujá, quem precisa de metáfora? A escada te antecipa. Aproveito, de olhos fechados, os ruídos que mais adivinho que escuto: chave, maçaneta, mochila no chão. As mãos ávidas, a pele arisca, as roupas desnecessárias. Uma vida assim: feito festa de São  João.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *