#KDMulheres: questionamento e ocupação

Foto de arquivo da página do "Kd Mulheres?"

Foto de arquivo da página do “Kd Mulheres?”

Vi o “KD Mullheres?” nascer. Estive com Laura Folgueira e Martha Lopes, suas criadoras, na praça da Matriz de Paraty no ano passado, questionando por que tão poucas escritoras participavam das mesas principais da Flip-Feira Literária Internacional de Paraty. Em 2014, apenas 15% dos debates na Tenda dos Autores contavam com mulheres. De todas as edições da Flip, apenas uma escritora brasileira foi homenageada até hoje: Clarice Lispector.

E, mais uma vez, estive com elas esse ano fazendo a mesma pergunta. Dessa vez, na Flip Zona (destinada a um público mais jovem), quando Laura e Martha participaram de um debate, junto com a cantora Karina Buhr, sobre a presença da mulher na literatura.

Que lógica é essa que faz com que menos mulheres sejam publicadas, resenhadas e premiadas? Por que o perfil do autor mais publicado no Brasil é homem, branco, que mora nas grandes cidades? Por que isso não nos surpreende? Por que mulheres são mais inseguras pra mostrar seus escritos e se assumirem escritoras? A representatividade importa?

Que lógica é essa que faz com que, ano após ano, menos de 20% das mesas principais de um evento como a Flip sejam ocupadas por mulheres, mesmo quando o próprio evento abre sua programação pra discutir o assunto?

Sigo com a provocação de Martha Lopes martelando na cabeça: quantos livros de homens e quantos de mulheres você tem em sua estante? E fico com a constatação de Laura Folgueira: quanto mais a hierarquia sobe, menos mulheres ocupam postos de comando. Isso em praticamente qualquer indústria. Na do mercado editorial parece não ser diferente.

Portanto, é preciso mais mulheres liderando editoras e curadorias de feiras literárias, é preciso mais mulheres selecionando “livros do ano” em jornais e revistas (ou o que venha depois disso, quando os jornais e revistas deixarem de existir). Quem sabe, assim, as coisas começam a se ajustar.

Falo mais sobre o debate, aqui, no Blogueiras Feministas.

Abaixo, prosa minha publicada no zine do “KD Mulheres?”, que abriu um concurso para autoras e ilustradoras participarem da publicação que elas produziram pra Flip 2015. Foram selecionados 16 contos e poesias e três ilustrações, incluindo essa sereia maravilhosa da capa, gorda e com mamilos! <3

Prado

E tem essa agonia. Esse desejo, essa pulsão. Palavras a eleger. E essa malquerença da escolha. O que é de certeza, o que é passageiro, o que morre. E esse medo (da morte) sem transcendência. E se ninguém gostar, se ninguém quiser, se ninguém lembrar. Se ninguém lembrar. Se ninguém lembrar. Bate como eco. Badalando na cabeça, naquele barulho seco e contínuo. Tum, tum, tum. Se ninguém quiser. Tum, tum, tum. Se ninguém lembrar. A vontade de não ser apenas pó. Falo nem de vaidade. Mentira. Falo, sim. Que tanto transitórias somos. Que são palavras se não plasmadas? Se guardadas, existem? E soltas por aí. Emprestadas. Se em fuga. São nossas? E se me canso antes mesmo de sabê-las. E chupá-las. Com limão e tequila. No ácido da casca. Lá, onde se pode chorar. Lambendo o que escorre pelo punho até o cotovelo. Aff. Quem alcança o cotovelo? E a palavra ali, do cotovelo pingando pro chão. E eu querendo prendê-la na axila. Apelando pra mesóclise, dar-lhe-ando perfumes embaixo do sovaco. Mas, a palavra, essa malina, corre ali pro canto da mesa. ‘Inda me precipito por ela e bato o dedinho na quina da cadeira. E paro no meu desassossego. Merda. Que sei eu sobre dor virar poesia? Se nem de clichê a encontro. A palavra me acena de longe. Debochada. E me mostra a língua. Mal educada. Faz orelha de burro e tatibiteia lá-lá-lá-lá-lá. Desgraçada. Quantas vezes não quis que fossem minhas “Mulher é desdobrável. Eu sou.” Quanto já não quis ser Adélia. Que ainda quero. Acendo vela pra ela, faço reza pra ela. Promessa. Sinal da cruz. Ajoelho nos pés dela. Sã Adélia. Te devoto minha sanha. A palavra volta. Sirirca. Falsa! Mas. Deixa-me usá-la. Numa ênclise. Adélia, minha santinha. O milagre!

Amém.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 ideias sobre “#KDMulheres: questionamento e ocupação

  1. “quantos livros de homens e quantos de mulheres você tem em sua estante?” bom, pode ser por problemas de carapuça, mas eu não curto essa pergunta. Porque, né, quantas mulheres foram publicadas nos séculos anteriores? Quantas estão traduzidas (porque eu, por exemplo, não leio em outras línguas)? Então se perguntar quantos livros de mulheres contemporâneas tem na prateleira, vá lá (ainda não gosto muito, porque me parece que entra naquele negózi de ame seu corpo, ame seu cabelo, seja senhora do seu parto e tal), mas assim, de forma absoluta e meio responsabilizando o leitor, fico de quina.

    Por outro lado, gosto muito de pensar com a questão seguinte, o lance do mercado editorial e ter ou não mulheres em lugar de decisão. Aí é que a porca torce o rabo pra mim (embora, claro, também não seja garantia nenhuma, aka presidentas e talz) mas de forma processual, acredito mais nesse caminho.

    • Ah, mas eu acho que essa pergunta não se desvincula do resto, das questões do próprio mercado mesmo, com mais títulos de homens sendo oferecidos e resenhados, e consequentemente, influenciando na escolha do leitor. De qq maneira, tb gosto da ideia de chamar o leitor pra reflexão e co responsabilidade tb. Tem até um movimento chamado #leiamulheres, que estimula o leitor a procurar mais livros escritos por mulheres. Tb acho que ter mais mulheres em postos de comando não é necessariamente garantia de muita coisa, mas gosto muito da aposta .

      • acho que há um abismo entre #leiamulheres e quantos livros você tem na prateleira. Mas é que sou chata mesmo nessas coisas, acho que tá bom de culpa cristã, já deu, vamos deixá-la só pro básico, só pra regulação neurótica da sociedade talz…

  2. Pingback: KD Mulheres: escritoras, mercado e visibilidade |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *