Todas Essas Coisas Sem Nome – 3o Capítulo

Esse é o terceiro capítulo do livro de Raquel Stanick intitulado Todas Essas Coisas sem Nome. Sua primeira, única e artesanal edição encontra-se esgotada.

Os capítulos seguintes serão publicados quinzenalmente aqui no Biscate Social Club. As ilustrações utilizadas nos posts serão da mesma autora, vindas da série Ceci n’est pas un blog.

Boa leitura!

21

Quando nos conhecemos eu tive a certeza de que seríamos apenas mais uma história triste, escrita com caneta a manchar-me os dedos no diário de capa vermelha. Sabes que carrego esse romantismo que desconstrói todos os meus discursos revolucionários, só para caber na fôrma que me é oferecida, ao mesmo tempo em que me faz vestir armaduras para combater em nome desses mesmos discursos. Um romantismo que é fardo… e asas.

Não, não foi seu olhar que me deu essa certeza, mas sim o espelho que trazes nele. Desde o nosso primeiro encontro.

Dia desses ligou um cara às quatro e meia da manhã. Não atendi porque não vi. Nada demais. E mesmo que tivesse visto, provavelmente não o atenderia.

Ele insiste – depois de termos entre bebedeiras e vontades -, que não é “isso” o que foi. Isso o quê? – dá vontade de perguntar: “Vontade de mim? Como a que também te fazia ligar sempre que bebia?”

Ah, eu sei. É só porque ele ri comigo, se sente à vontade. Mas só de ligar. E de falar sério. Falar besteira. De apenas escutar em silêncio minhas coisas todas. E rir novamente. E sentir vontade de novo. De comentar o filme. O trânsito ruim. Do seu dia. Da noite de ontem. De escutar uma música e acha-la a minha cara. Lembrar-se de lembrar, se por acaso nos encontrarmos, de contar. De tal artista. A tal piada. Os fatos.

Não, eu não sou a tal. Não precisa me lembrar. Eu sei que ele quer ser apenas meu amigo, como você também disse, ao se despedir, que um dia conseguiríamos.

Também houve um. Outro. Quarenta e oito horas de anestesia. Mentiras amigas, daquelas antigas. Num quarto de hotel turismo em corpos e garrafas. Fez as malas e foi embora. Deixando-me com a bagagem de sempre. Tudo de anterior. Pesar, saudade, medo.

Dor.

(link pro prefácio e primeiro capítulo)

(link pro segundo capítulo)

 

 

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *