Bolhas

Às vezes me dá um pouco de cansaço. De não entender porque as pessoas não entendem. Que seria tão melhor – acho – que ninguém regulasse a vida do outro pelo seu umbigo. Que não, não interessa o seu pecado, a sua crença, a sua teoria, o seu deus, o seu medo, o seu desejo, pra o outro tomar as decisões dele. Que a diferença do outro não é liberação pra ser morto de fome, de dor, de procedimentos mal feitos, espancado, de solidão, queimado na rua, baleado por engano, esfaqueado por ciúme. De desesperança ou desilusão. Às vezes me dá um pouco de cansaço. A insensibilidade pesa. A do outro, que não se acanha de verbalizar seu ódio, sua crueldade e se ofende se a gente apenas diz: mas isso é tão cruel. A minha insensibilidade pesa, porque estou aqui, ocultando status pra não saber se gente que eu quero bem é capaz dessa falta de sensibilidade aí. Às vezes me dá um pouco de cansaço de estar sempre vasculhando as entrelinhas, de perguntar de onde vem o riso, de me inquietar com as concordâncias imediatas. De tentar ser quem eu espero ser. De percorrer as distâncias. Eu disse cansaço? Devia dizer tristeza.

Esses dias em que existir tem sido difícil. Tanto desprezo, tanto ódio, tanta crueldade em relação às mulheres. A forma como nossos poucos direitos vão sendo dissipados, nossos corpos violentados e nossos desejos ignorados. Vamos garantindo que as mulheres que não são boas o suficiente (e nunca somos), morram, por dentro e de fato, algumas vezes. A gente não pode trepar. Fecha as perninhas. Se comporte. Se oriente. Só com a bênção do papa da vez, seja qual for sua doutrina, que seja decente. Incluindo aí, sua militância. Uma militância de perninha fechada. Sem riso e sem gozo. Sem gosto. A não ser por um pouquinho de sangue.

Dói e eu quase. Quase me fecho ali, na bolha confortável que é a ilusão que meus privilégios me protegerão. Aí recebo seu inbox, amigo, me falando do que aprendemos juntos. Aí tem o Blogueiras Feministas e a resistência. Aí tem a conversa livre com a amiga, que escuta, fala, pondera e permite. Aí tem o convite pra falar de feminismo – eu, biscate. E tem esse clube. Essas pessoas que fazem esse clube. Essas ideias e anseios e risos e trocas e gozos, liga que nos une, que mantém o blog no ar, que mantém a esperança no ar, que sustenta minha luta. Uso a ponta afiada da dor e estouro a bolha. O único modo de seguir que conheço é esse.

bolha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 ideias sobre “Bolhas

    • idem. Esse projeto do hashtag #primeiroassedio, por exemplo, doeu tanto em mim. Que tive a sorte de nunca ter passado por isso. De ter ouvido as primeiras gracinhas indesejáveis quando já era adulta bastante pra saber o que estava acontecendo e me defender, me proteger. Sorte ou privilégio, ou ambos, nem sei. Mas estou moída, acabrunhada, dolorida. E enojada e raivosa pelas reações machistas, calhordas, que valem como um novo estupro. Vontade de ficar na bolha também. Essa em que acho que sempre vivi. Que mundo horrível, gente. Que vontade de chorar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *