Suruba não tem nada a ver com estupro

Por Carlos Pereira*, Biscate Convidado

13313718_1305933859420081_746069559_o

Gente que confunde orgia com estupro nunca participou de um ménage mequetrefe na vida. Quiçá nem trepou de luz acessa. Gente que responde com ressentimento aos perigosos mistérios do corpo. Gente reacionária.

Uma suruba séria é repleta de regras ditas e não ditas, subentendidas em cada gesto, alguns bem sutis. Outras criadas no momento, estabelecidas por palavras sussurradas, mas firmes, ditas ao pé do ouvido (“isso não”). Costumo brincar dizendo que numa suruba é que vemos de forma plena o imperativo moral kantiano da lei como instrumento libertador, pois é só a partir da submissão às leis dos ritos é que se pode entregar aos prazeres. Isso para não falar das orgias sadomasoquistas que possui regras ainda mais sofisticadas. Aliás, não por acaso, o estabelecimento de leis é fundamental para a literatura do Marquês de Sade (complemento lógico da lei kantiana, tão bem flagrado por Lacan).

Há uma diferença fundamental entre a economia do gozo da orgia e do estupro: enquanto na primeira tenta-se cultivar o mistério do desejo do Outro (embora em muitos casos se confunda cópula com desejo, mas isso é outro papo…), na segunda tenta-se apagar esse mistério, porque, na verdade, esse mistério não aparece como mistério, mas como estranhamento insuportável, um desconforto que precisa ser eliminado. A menina que “trepa com todo mundo”, que “trepa com bandido”, que “faz isso sempre”, quebra o narcisismo machista e, por isso, precisa ser punida.

Numa orgia, os participantes são iguais, são comuns. Por isso que se pode encenar com liberdade posições de submissão. Há uma interdependência forte entre os participantes e qualquer vacilação nessa interdependência o encontro cessa imediatamente. O estupro não tem nada a ver com isso. No estupro é a força bruta e violenta que se impõe a um outro corpo, submetendo-o aos seus desígnios.

Isso não significa que uma orgia é um mar de flores. Como qualquer comunicação é feita de mal entendidos, os problemas numa trepada coletiva acontecem. Mas impressiona como a preocupação com as regras é imensa (aliás, se percebe a presença de iniciantes facilmente, justamente pela dificuldade de reconhecimento das regras). Orgia séria e estupro estão em campos diametralmente opostos.

Quem tenta fazer comparação entre orgia e estupro o faz por um duplo preconceito (que tem mesma origem): preconceito com aqueles que tem coragem em se permitir a curiosidade com o seu próprio corpo e preconceito com mulheres que se permitem liberdades que mulheres “belas, recatadas e do lar” não deveriam se permitir. No fundo, preconceitos derivados de atitudes ressentidas diante do mal estar gerado pelo desejo do Outro, desejo de lidar com os mistérios do corpo – mistérios perigosos, que devem ser evitados a todo custo.

Em suma: o “inocente” fiu-fiu na rua é muito, mas muito mais próximo da cultura do estupro do que uma orgia séria.

Carlos_Pereira*Carlos Pereira é militante do Partido Socialismo e Liberdade e membro do Círculo de Estudos da Ideia e da Ideologia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *