esse outro dia

263b2e87ec5b3429c5a890f99f113851

Um tambor toca ao longe. Não sei a mirada do que me espera. Desejo. Desenho traços que não conheço. A morada dos meus olhos repousa longe. O que será que virá? Traço rotas impossíveis de serem tocadas por minhas mãos. Agora.

Não agora. Adivinho. O futuro repousa suave nas asas que me assombram. Faz vento sobre meus olhos. Repouso as sombras que minhas mãos não alcançam. Sobrevoo. Não será agora que toco o que não sei. Espero. Suspenso. Entrelinhas que se abrem sobre os impossíveis de minhas mãos. Trêmulas. Acendo os cigarros que não fumo mais. Nessa fumaça que se ergue, nuvem suspensa, deixo-me guiar pelo destino improvável que me abraça.

Abraço, sem braços possíveis para tocar minha intensidade. Viva, por dentre os dedos. Te toco. Lembrança imaginária da pele que me habita. Habito. Um hálito que se foi, de ontem, da lembrança de ti sobre meu corpo que não alcanço.

Um dia, que será logo. Logo mais. Promessa. Prometo. Derramo-me em linhas longilíneas que percorrem meu corpo. Adormeço como alguém que escapa no que há de vir. É logo mais, meu amor. O pouso que se esparrama em hipóteses. Seguro. Aperto. Sou eu em mim, é você em ti. Pode ser. É. Quantos verbos. Quantas ações e equações desse ser que se conjuga. Conjugo. Nós, terceira pessoa do plural.

É tudo muito. Como os soluços do choro que não se derrama porque não tem água para banhar tudo. E a chuva que não para de cair desse céu de novembro, o sol em sagitário que solta todos os cavalos selvagens do meu peito. Cavalgo por entre planícies e quedas de cachoeiras imaginárias. Deixo correr. A garganta seca dessa sede que não passa e não se faz dezembro. Vou sonhar contigo, quando o sono vier. Outro dia. É o que desejo. Esse outro dia.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *