O sexo para uma gorda Não-Binária

Por Helen Taner, Biscate Convidada

photogrid_1472221102186Claro que esse texto pode causar muito estranhamento porque, na nossa sociedade, uma mulher não pode apenas gostar de sexo. “Mulheres fazem amor, homens trepam”. Deixa eu te contar dois detalhes: [1] mulheres gostam trepar tanto quanto homens e não, não precisam de um sentimento para fazê-lo, assim como homens não trepam só por tesão, ou seja, vai da pessoa galera, NÃO do gênero. E [2] eu não sou mulher. Mais ainda, esse texto é um relato de como é a vida de uma pessoa que parece ter três “problemas”, no sentido estritamente social do termo, de aceitação/exclusão social. Para mim, nenhuma das três coisas são problemas em si mesmos.

Pois bem, pra começar a conversa, eu sou uma vadia.. O segundo lance é que eu sou gorda (“ai não, você não é”, sou sim, galerê, 105 kg está bom para vocês ou esse termo só é aceito se eu tiver obesidade mórbida?). A última questão  talvez cause um estranhamento de primeira, mas eu sou uma pessoa TRANS NÃO BINÁRIA, mas especificamente AGÊNERA. Que isso? (cara assustada de quem nunca ouviu esse termo) Olha, é simples: não me identifico nem como mulher nem como homem, tenho a configuração corpórea do que é considerado mulher e me visto mesclando a expressão dos gêneros, ou seja, minha expressão é fluida. Eu ainda prefiro ser tratada no feminino, mas se fizerem o oposto eu não ligo não. Complicadinho né? Imagina para mim! Assim, esse relato é sobre como é para uma gorda não binária ser uma vadia e todos as confusões/consequências que isso traz.

Vou partir de princípio que aqui ninguém vai se ofender caso eu use um linguajar chulo (ou vulgar, se preferirem) e que ninguém vai me julgar pela minha identidade de gênero (espero mesmo que isso não aconteça). Entendido isso, acho que agora é bom começar falando o porquê de eu me entender uma vadia.

O sexo (eu não gosto muito de usar essa palavra não) está presente na minha vida antes mesmo de praticá-lo. Até porque eu sou uma dessas pessoas atrasadas que só foi trepar aos 20 e eu nem completei 21 ainda (na verdade, é semana que vem). Lembro de procurar pornografia desde os 12 anos, mas só fui “agir”, digamos, anos depois e entender a “ação” muitos outros a frente. Só sabia que o que eu fazia era considerado errado, parte por ser de família católica e ser ensinada que Deus estava vendo tudo e, de outro lado, por uma das minhas irmãs olhar o histórico do computador e tentar a todo custo descobrir quem estava vendo/fazendo essas “coisas nojentas” (ela nunca teria descoberto que era eu se eu não tivesse contato isso durante uma briga). Isso me bloqueou e eu não conseguia mais nem me tocar por achar errado, imagina deixar outro me tocar.

Aí quando eu estava perto de completar os vinte, eu olhei para mim mesma e disse “você tem que superar isso, libera logo”, mas não, eu não achava ninguém para isso. “É só falta de oportunidade”, dizia, “quando alguém quiser me comer, eu vou dar, sem importar a pessoa”. Rolaram umas duas oportunidades depois disso, a primeira era com um cara que trabalhava num bar  que eu costumava frequentar, mas ele queria me comer no banheiro de lá e claro que eu ia deixar, mas o universo conspirou e eu fui impedida (alguns meses depois eu descobri que isso foi ótimo, pense num cara nojento e grotesco na “cama”); a segunda foi com um menino mais novo que queria muito perder a virgindade também, então ele me chamou para ir na casa dele quando os pais dele viajaram, ou seja, “é tetra, é tetra” e lá se foi meu hímen. Como qualquer uma fiquei deslumbrada (e um pouco confusa, pois já tinha uma parcela de não identificação e jurava que o sexo ia ser a saída, “você só não se entende como mulher, porque ainda não é uma!”, não foi e só piorou), mas ele não quis nada comigo depois e não demorou em me chutar. A partir daí transei, mas transei com todos os caras que queriam antes e também fiz um esquema de ter um cara diferente por mês (e às vezes eram dois caras diferentes), infantil eu sei, mas quando se é atrasada todo modo de recuperar o tempo perdido é valido. ‘Perdi’ quatro meses desse esquema, pois comecei a namorar (trepei muito também e com alguém que me amava, algo que eu nunca tinha sentido até o momento). Não vingou, eu não conseguia me acostumar com único pênis, queria conhecer “de todos tipos, cores e tamanhos” como diria uma tia minha.

Além disso tudo, eu adoro ver sair, em meio a um sorriso malicioso, um “em você só quero dar uns tapas” da boca do cara ou ver os olhos (azuis, nesse caso específico) sendo cobertos pela pálpebra enquanto eu beijo o ‘belo pau delicia’ (como eu chamo o membro, dos caras que eu trepo) do cara e ouvir um “ninguém o tratou tão bem até hoje”. Isso me dá um prazer gigantesco-

Então esse é um resumão, mas é por isso que sei que eu seria considerada vadia e assumo o termo, não me importo em falar o que quero, como gosto, de fazer o que tenho vontade e dar independentemente da situação, local (dentro da lei) e da pessoa.

Parece, assim, que eu dei para c***lho e que sempre foi maravilhoso, mas eu tive muitas situações ruins e agravadas pelo peso e pela identidade. Falando no sentido do “peso”, primeiramente queria contar que eu amo meu corpo e que não, não tenho nenhum problema de saúde decorrente dele, então ele não é realmente um problema para mim. Mas quando se trata de homens e de sexo, aí sim existe, não para mim, para eles. Se de um lado existem caras que não saem comigo pelo meu peso, existem outros que saem por causa dele. Mas aí temos três tipos de homens: os primeiros que gostam do meu peso pelo volume a mais que ele dá na minha bunda e esses geralmente não ligam, realmente, para como ele é, eles gostam; a segunda parcela gosta se não ver de jeito nenhum ele inteiramente descoberto (sim, existem caras babacas que brocham se veem barrigas e estrias), eles gostam de trepar comigo, mas sem ver meu corpo (eu não saio mais com esses caras); e os últimos são os fetichistas, são homens que vem a obesidade como algo excitante, mas sempre precisam reafirmar a sua gordura e usam você somente como um objeto sexual, independentemente de ser você ou outra, sendo gorda está valendo. Eu prefiro os primeiros, que não se importam mesmo com meu corpo e se excitam comigo, sem ser causada ou desfeita por causa do excesso de peso. Mas não se tem muito como saber qual deles o cara que você está é, somente na hora mesmo e aí é tarde demais (“cilada, Bino”).

A não binaridade é uma descoberta recente (lembra da confusão da virgindade, então, ela culminou nisso), mas o que ela me custou após isso foram, até agora, duas coisas: perda de interesse sexual dos meninos para quem contei e o meu brochar diante de homens que me chamam de mulher durante o ato (o que faz com que ele todo seja, em conclusão, ruim). Isso fez com que eu diminuísse um pouco as trepadas e também que não contasse a homens que eu não sou mulher, caso eu soubesse que era “lance de uma noite”.

O não contar é muito problemático e eu entendo isso, mas o contar, cara, é complicado. Primeiro vem o mal entendido comum entre Identidade de gênero e Orientação sexual, ou seja, acham que eu sou lésbica. Depois vem o difícil, conseguir explicar que eu não sou um homem trans, pois a transgeneridade é “aceita” mais facilmente (explicando que as aspas estão ali para lembrar que primeiro ninguém precisa da aceitação de outrem e segundo que eles ainda são excluídos, renegados, marginalizados e que a condição ainda é tratada como patologia) quando está dentro da lógica da binaridade (um homem e uma mulher, independente do corpo de origem).

Mas claro, espero algum dia estar totalmente segura para contar ao mundo e não me importar com que os caras pensam, mas hoje ainda não é esse dia, eu gosto muito de dar e infelizmente só consigo se fizer cisplay (um cosplay de cisgenera). Viver não é bolinho, não tem resposta certa nem saída fácil, eu ainda mascaro problemas e não saí totalmente da lógica normativa. Quem sabe outro dia volto ao clube pra contar mais das experiências sexuais e como venho lidando com esse emaranhado que é ser quem se é ao viver a sexualidade. Pra terminar, foda-se quem cobra sobre seu corpo, foda-se quem cobra sua identidade, não há necessidade de se afirmar para ninguém e se alguém te cobra isso dê um pé, mas bem dado, na bunda dx infeliz. A única pessoa que tem que te aceitar é você e é muito mais prazeroso quando a gente o faz (eu estou em processo ainda, mas disso eu sei).

IMG_20170129_134820Helen Taner de Lima é uma vadia Trans Não Binárie – Agênero, que responde pelos dois pronomes, e Pansexual, graduanda em Filosofia na PUCPR, que estuda gênero e Teoria Queer, escorpiana que não acredita em astrologia e professora quando o governo deixa. Blog pessoal: http://harmonuim.blogspot.com.br/?m=1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *