Desejos e eternidades

índice

O desejo é uma febre, bonita. Um ardor. Sabe do que eu falo? Aquela vontade de outro corpo, que nada mais resolve. Aquele outro corpo. Com nome próprio. Gosto. Cheiro. Daquela. Nada mais resolve.

O desejo é urgente, bonita. Ele é agora. É um sem tempo, no momento presente. Não tem lugar nem hora, nem contexto. Nem ativo, nem passivo. É latência. Esse desejo que só resolve quando a gente se funde e ele se expande. Nem eu nem você. Uma outra coisa, que vem do encontro. Esse encontro. Esse encaixe. Esse sabor. Essa pele que nos veste. Esse desvario.

 Não tem palavra bonita, tudo está nos olhos. Esses olhos que se derramam em rio. A racionalidade do desejo é latência que se sente nos poros. É voo no céu que a gente pode roçar as pernas.

E é esse desejo que nos excita. esse desejo que a gente deseja mais. Esse descontrole. Esse não saber, nem precisar pensar, onde colocar as mãos. Esse pulo em alguém. Essa dança que vem de dentro. Arrepio. Gozo. Mergulho. Esses instantes que param o tempo. A eternidade e o desejo. Você me entende? É por isso que a gente pulsa.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *