Eu vou fazer uma canção pra ela…

Por Patrícia Melo, Biscate Convidada

Se fosse pra escolher, nem tinha ido. Sério! Sabe aquele momento em que tudo que você quer na vida é sossego? Sossego de tudo, mas, principalmente, um tempo de sossego nos afetos, na turbulência do sangue, uma afastada – delicada – daquelas borboletas na barriga?  Então, você me entende, né? Todo mundo tem um tempo assim, desses em que você está ali, em situação de ponto final em uma história e não quer saber de reticências…

ligia guerra olhos

Pois é, foi em tempo assim que eu me vi diante de olhos solares. Já viram isso? São olhos que cintilam! Em qualquer lugar, até no escuro. Nem queria chegar perto porque eu nem queria nada. Com ninguém. Estava bem contente com meu cuidado comigo. Gostava das tardes de cinema vagabundo onde o filme não tinha tanta importância e a pipoca era só minha. Adorava as garrafas de vinho esvaziadas ouvindo música na sala. Achava uma riqueza incomparável um livro inteiro com um dia todinho só prá ele. E quando chovia, era só andar na cidade sem rumo… Eu estava gostando da vida sem olhar o telefone a cada 5 segundos, sem pensar em programas de fim de semana, sem organizar agenda pra poder dar conta de tudo. Gostava da minha companhia. Adorava, pra ser bem sincera. Não queria nada.

Aí, bem… Teve um dia em que fui atropelada por aqueles olhos solares. Já falei deles? Já. Desculpa. Eu acho que nem consigo me explicar direito. Já falei do riso? Eu havia me apaixonado pela Capitu quando li sobre sua gargalhada “argentina”. Só entendi como soava na mesma hora que escutei a dela. Tilintava como prata. Lembrei na hora! Havia um quê de perigo no ar. Eu deveria ter percebido. Tinha energia demais ali. Tinha jogo de cena, muito medo junto e, ao mesmo tempo, muita curiosidade (ou seria coragem?). O mais engraçado é que ninguém queria nada. Mas, havia tanto que saber, tocar, ouvir, compartilhar, sincronizar.  Havia tanto que rir, tanto pra experimentar! (“Chegastes? Cheguei!”) Havia tanto tanto que a gente nem sabia o que fazer. Nada de pânico. Que viesse um dia de cada vez.  E eu, que não queria nada, quis tudo. Porque era ela. Porque era eu.

patricia-sampaio

* Patrícia Melo é escorpião com ascendente em Touro. Manauara por opção, botafoguense de longa linhagem e historiadora toda a vida porque é super divertido. Mãe de meninos empenhada em fazê-los entender meninas. Daquelas que adoram aprender. Sempre. @SampaioPatricia

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 ideias sobre “Eu vou fazer uma canção pra ela…

  1. Uma das coisas que mais curto no BiscateSC é a delícia das boas companhias. Adorei ter te conhecido, adoro ler seus posts e estou encantada com os olhos solares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *