A mulher de valor, o medo da buceta e o moralismo de plantão

Quem tem medo de buceta? Aparentemente, os julgadores e moralistas de plantão. E acham que a mulher que não tem medo da própria buceta não tem valor.

Na semana passada foi noticiada uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o órgão recursal da Justiça estadual, na qual um desembargador emitiu um voto no qual considera que “Não cuida da moral mulher que posa para fotos íntimas em webcam“. Tratava-se de um recurso sobre uma ação de indenização por dano moral, diante da divulgação de fotos de cunho intimo compartilhados pela autora da ação (vítima da quebra de confiança) com o réu (autor da divulgação indevida das fotos que lhe foram enviadas no curso de relação intima). Popularmente, o pornô de vingança.

marias da net

A autora ganhou a ação em primeira instancia, e o juiz concedeu o valor de R$100.000,00 (cem mil reais) de indenização, a ser pago pelo réu. Foi uma vitória, especialmente diante do Judiciário de um Estado onde se costumava usar uma tabela para o dano moral, e que continua parcimonioso na concessão de indenizações.

No entanto, obviamente o advogado do réu impetrou recurso, como é seu direito, e de todos (para isso existem os tribunais e o segundo grau de juridição, para que um grupo de magistrados possa dar a decisão final sobre o inconformismo de uma das partes com a decisão do juiz único da primeira instância).

O TJ/MG manteve a condenação. Nos termos do voto do relator, o desembargador José Marcos Rodrigues Vieira, o valor do dano moral deveria ser reduzido para R$ 75 mil, mas rechaçou o argumento de concorrência de culpa da vítima. “Pretender-se isentar o réu de responsabilidade pelo ato da autora significaria, neste contexto, punir a vítima.”

No entanto… muito bom para ser verdade? Pois é. O desembargador revisor, contudo, divergiu do relator. Para ele,

“a vítima dessa divulgação foi a autora embora tenha concorrido de forma bem acentuada e preponderante. Ligou sua webcam, direcionou-a para suas partes íntimas. Fez poses. Dialogou com o réu por algum tempo. Tinha consciência do que fazia e do risco que corria”.

Asseverando que a moral é postura absoluta e que “quem tem moral a tem por inteiro”, o julgador ainda chegou a entendimento de que as fotos sensuais diferem-se das fotos divulgadas pela autora da ação, imiscuindo-se não só no campo da moral, mas no da moralidade…

As fotos em posições ginecológicas que exibem a mais absoluta intimidade da mulher não são sensuais. Fotos sensuais são exibíveis, não agridem e não assustam. Fotos sensuais são aquelas que provocam a imaginação de como são as formas femininas. Em avaliação menos amarga, mais branda podem ser eróticas. São poses que não se tiram fotos. São poses voláteis para consideradas imediata evaporação. São poses para um quarto fechado, no escuro, ainda que para um namorado, mas verdadeiro. Não para um ex-namorado por um curto período de um ano. Não para ex-namorado de um namoro de ano. Não foram fotos tiradas em momento íntimo de um casal ainda que namorados. E não vale afirmar quebra de confiança. O namoro foi curto e a distância. Passageiro. Nada sério.” Disse, ainda, o Des. Francisco Batista de Abreu: “Quem ousa posar daquela forma e naquelas circunstâncias tem um conceito moral diferenciado, liberal. Dela não cuida.”

Nesse contexto, vem-me tantas coisas a cabeça que chego a engasgar.

Inicialmente, pela condenação do réu na primeira instância, meu coração se aquece, e surge uma ínfima esperança de que algo sim, está mudando. Vários dos comentaristas do portal jurídico onde primeiro li a noticia da decisão também criticaram a postura do desembargador.

E aí vem essa traulitada. Vem esse jovem senhor, com 64 anos, mais novo que meu pai, que vem dizer o que é erótico, o que é pornográfico, e vem medir, etiquetar, rotular, e cortar fora o que não cabe em seu limitado entendimento da alma humana. Pega um conceito de sensual e pornográfico direto da coleção primeiros passos,  e vem despejar moralismo no que pode ou não pode fazer entre quatro paredes, entre pessoas adultas e capazes.

Não, senhor. Como bem escreveu a Bete Davis, aqui mesmo no Biscate:

Então, como vou eu definir o que é erótico e o que é pornográfico quando estas palavras  ganham a conotação moralista de certo e errado? Artístico e lixo? Erótico é o que me excita, e o que me excita eu bem sei. O que excita você, car@ leitor@, você também sabe.

Segundo o entendimento do terceiro desembargador da turma, que seguiu o voto do revisor:

De qualquer forma, entretanto, por força de culpa recíproca, ou porque a autora tenha facilitado conscientemente sua divulgação e assumido esse risco a indenização é de ser bem reduzida. Avaliado tudo que está nos autos, as linhas e entrelinhas; avaliando a dúvida sobre a autoria; avaliando a participação da autora no evento, avaliando o conceito que a autora tem sobre o seu procedimento, creio proporcional o valor de R$5.000,00.

O que os nobre magistrados não percebem é que o valor aqui não é só o valor que a autora tem sobre si. Eu, como disse a minha xará, Renata Correa, “particularmente não valho um centavinho furado. Ninguém pode me medir, me pesar, me trocar ou me comprar: não tenho preço, código de barras, cifrão ou vírgula. Quem tem o direito de dar preço para minha alma? E pro meu corpinho? Nobody, baby. ”

Mas a ação em si, o ato do ex-namorado, que fosse por tempo curto (hello, o doutor acha um ano um tempo curto? Baby, conheci e fui morar junto com meu marido em menos tempo que isso, e nesse tempo, namoramos à distância, doutor, veja só). Tem nome, o ato do réu, e é pornô de vingança. E é uma dessas “modas” que pegam, e que deviam ser inibidas e não estimuladas por decisões como esta.

“Mas, de qualquer forma, e apesar de tudo isso, essas fotos talvez não fossem para divulgação. A imagem da autora na sua forma grosseira demonstra não ter ela amor-próprio e autoestima.”, aponta o desembargador.

Quem tem medo de buceta? Aparentemente, os julgadores tem. E acham que a mulher que não tem medo da própria buceta, que não só se toca e goza, mas tira fotos, oh, horror dos horrores, de sua “grotesca” VAGINA, não tem amor-próprio, não tem auto-estima.

origem do mundo

A Eliane Brum trata, lindamento, deste medo, deste horror, por parte da sociedade, neste texto aqui:

Que há algo perturbador no órgão sexual feminino não há dúvida. Até nomeá-lo é um problema. Vagina, como tenho usado aqui, parece excessivamente médico-científico. É como pegar a língua com luvas cirúrgicas. Boceta ou xoxota ou afins soa vulgar e, conforme o interlocutor, pejorativo. É a língua lambuzada pelo desejo sexual – e, por consequência, também pela repressão. Não há distanciamento, muito menos neutralidade possível nessa nomeação. É uma zona cinzenta, entregue a turbulências, e a palavra torna-se ainda mais insuficiente para nomear o que Courbet chamou de “A origem do mundo”. Para Lacan, “o sexo da mulher é impossível de representar, dizer e nomear” – uma das razões pelas quais teria comprado o quadro.

Eu tenho problemas com a forma da decisão, com as palavras, cuidadosamente escolhidas pelo julgador para des-valorizar não só aquela autora, aquela mulher que teve a coragem de se expor e exigir a retratação não pela exposição da imagem, mas pela quebra de confiança.

Eu tenho muitos problemas com quem não vê o machismo explicito nessa decisão, com quem a julga tecnicamente correta, pois a autora da ação, vítima da exposição indevida, se colocou em situação de risco.

Eu tenho muitos problemas, sim, com quem é incapaz de perceber que se expor para um homem, em um contexto privado não significa que a mulher não se valoriza. Pelo contrário, nesse mundo de bocetas plastificadas, depiladas, infantilizadas, é preciso muito amor próprio, muita segurança e auto-confiança para se exibir, por si, para o seu prazer. A regra é a exibição controlada e regulada da buceta para o prazer do homem, para o lucro, para a pornografia mainstream, dominante, dominadora. A mulher que se exibe porque quer, para quem quer (e só para quem quer, ouviram? Só para quem ELA quer, é bom repetir) tem um poder sobre o próprio corpo que a maioria dos moralistas de plantão não consegue admitir, aceitar, sequer tolerar, que dirá respeitar.

arte2

Eu me descobri feminista em 2010, depois de trabalhar em um caso de estupro. Date rape, para ser precisa, ou “estupro de encontro”, uma figura importada dos EUA, onde a vítima do estupro já conhece o autor, e com ele mantém uma relação de confiança, ainda que volátil e passageira. No caso, a jovem havia conhecido o rapaz em uma festa, estavam ficando, outras pessoas foram para a casa dele depois da festa, em casais, incluindo ela, com as amigas e os amigos dele, amigos em comum, entre si. E la, depois, em algum momento, ela se sentiu desconfortável.

Ela disse NÃO. Ela se atreveu a dizer NÃO, NÃO QUERO. Não, não permito que você me use para o seu prazer. E ele prosseguiu, contra a vontade dela, mesmo sem usar de violência física. Isso É estupro. E eu o indiciei, e o Ministério Público o denunciou, o Judiciário recebeu a denúncia. Não acompanho o caso, soube que ele se mudou de Estado para fugir do processo, eu mudei de Delegacia, mudou a juíza, mudou a promotora do caso. Eu duvido que hoje ele seja condenado. Eu temo pelo que a jovem vítima terá que ouvir como “defesa” do acusado, como a vida sexual prévia e a atual serão colocadas na berlinda.

Daniel-Maidman-Blue-Leah-7-2012

E essas decisões, desses homens e mulheres, sobre o nosso valor, vão pautar no futuro a forma como tantos casos semelhantes serão tratados. Serão essas pessoas, que vivem nesse mundo, que decidem e decidirão nosso valor.

Eu fecho com a Renata Correa, de novo:

Não valho nada. Não me atribuo valor algum. Não tô a venda: tô vivendo sem conta, sem mercantilismo amoroso, fraterno ou sexual. E também não tô comprando. Mas isso é outra história. (Renata Correa, Mocinha de Valor)

.

Menstruação é tabu na Índia. Só na Índia?

Hoje de manhã uma das primeiras postagens que vi ao abrir o Facebook foi uma noticia da Revista Exame, sobre um homem que revolucionou o absorvente na Índia. Compartilhei, pois achei fantástico, e várias outras mulheres compartilharam também.

E isso me fez ficar pensando em menstruação, absorvente e tabus. Mês passado, ao fazermos as compras do mês, estávamos eu e meu companheiro no supermercado, e eu com a lista na mão fui me dirigindo ao corredor de absorventes. Chegando lá, fiquei observando os preços e os tipos, antes de fazer minhas escolhas. Havia também outro casal hétero, e não pude deixar de notar o quanto os dois homens, meu namorado e o outro rapaz, ficaram de lado, meio acanhados (ou foi impressão minha, e na verdade é só desinteresse mesmo? Não sei.)

Tantas opções nós temos, mulheres ocidentais de classe média, que confesso que fico perdida. Coberturas secas, extra-secas, natural, que disfarça odor. Com abas, sem abas, noturno. Com abas, cobertura seca, noturno. E os internos? Mini, médio, grande, super. Serve para o fluxo ou para o tamanho da vagina (piadinha, é para o fluxo de sangue menstrual, dependendo da intensidade, não tem nada com o tamanho da vagina ou com a existência ou não de hímen.)

Tantas opções me lembram da cena do cappucino em “Mensagem para você”, onde Joe (Tom Hanks) pega um café na Starbucks, a maior rede de cafeterias dos EUA, e explica: “A única utilidade de cafés como Starbucks é fazer com que pessoas que não têm capacidade de tomar decisões tenham que tomar seis decisões somente para comprar uma xícara de café. Curto, longo, puro, com leite, normal, descafeinado, light, desnatada… etc. Assim, pessoas que não sabem o que estão fazendo na Terra ou quem elas mesmas são, por apenas US$ 2,95 não apenas conseguem comprar um café, mas também um senso de si mesmas que as define.”

 

Enquanto na Índia o tema é tão tabu que o inventor da máquina que produz absorventes baratos para mulhers na área rural, Arunachalam Muruganantham, foi ameaçado e acabou se exilando de seu povoado, e as mulheres tem tão poucas opções que o mero fato de menstruar as impede de decidir quem serão, as impede de serem quem querem ser.

(Em um texto publicado aqui mesmo, em setembro de 2013, se falou um pouquinho sobre o tema. A autora Mabelle Bandoli abordou o ponto da ritualização da menstruação.)

Minha abordagem é outra. A gente não fala muito. Nem entre nós nem entre homens que não menstruam (destacando que podem existir homens que menstruam, não é? Me corrijam se estiver errada).

Para começar, os tipos de absorvente. Cobertura extra-seca? Me dá alergia! Aquilo não é feito para ter contato com mucosa, gente! Especialmente nessas épocas de depilação “completa”. Como aguentar?

REPORTAGEM DE SAUDE - ANTICONCEPCINAIS

Absorvente interno? Copinho? Dizem que o copinho é fantástico, mas ainda não experimentei. As Blogueiras Feministas já escreveram sobre o coletor menstrual, aqui. E já postaram textos bem bacanas sobre o assunto, também, como podemos ver aqui e já propusemos o tema como blogagem coletiva, e vários links foram divulgados aqui, na Campanha da Segunda Vermelha. Vermelha, sim, é preciso destacar, porque até hoje campanha de absorvente coloca via de regra roupa branca (quantas calças legging brancas vocês tem, normalmente? ) e com líquidos azuis.

Sexo na menstruação? Para algumas mulheres, aumenta o tesão. Para outras, some. Algumas mesmo com vontade não se sentem a vontade. E quase nunca falamos disso.

Todavia, o tabu que temos aqui nem se compara ao vivido em outros lugares, por questões culturais e também, como provou o inventor indiano, por questões materiais/econômicas. Não consigo imaginar a situação em que vivem mulheres como a mãe e a esposa de Muruga e milhões, centenas de milhões, de outras mulheres e meninas pelo mundo.

“Fui criado por mãe solteira. Eu vi como minha mãe lutou para me criar, então eu quis fazer isto para ajudar outras mulheres a ganhar a vida para sustentar suas famílias.” E então ele diz algo tão comovente que é poderoso: Se você empodera uma mãe, empodera um país.”

Não consigo pensar em algo mais contundente para encerrar essa postagem, apenas que trocaria “mãe” por “MULHER”. Para que todas possamos ter ESCOLHAS e LIBERDADE, para escolher como vivenciar nossos corpos.

Mil pedaços

Renato Russo cantou “me fiz em mil pedaços para você juntar”. E a Luciana sempre fala sobre essa nossa necessidade de nos fazer completos com o outro.

Já não sei dizer se ainda sei sentir, o meu coração já não me pertence.

Amor em mil pedaços.

amor em pedaços

E cantou tantas outras coisas mais. Tem dias que ouvir Legião é como uma tábua de salvação, um pedaço da gente arrancado e colocado de volta. “Não sou mais tão criança a ponto de saber tudo”. Tem dias que ele fala para a gente.

E foi então que eu percebi como lhe quero tanto.

Muitas vezes o que eu vejo quase ninguém vê. E quase sem querer, eu quero o mesmo que você.

Frases soltas que embalam meu choro.

Que país é esse? Eu já cantei “é a porra do Brasil”, quando era jovem e gritava contra Collor e FHC, e quando Dinho caía do palco mas não era jurado da Globo, cara. Tão criança, a ponto de saber tudo.

Não foi tempo perdido. Às vezes parecia que de tanto acreditar em tudo que achávamos tão certo…

Quero ter alguém com quem conversar. Alguém que depois não use o que eu disse contra mim. Nada mais vai me ferir, é que eu já me acostumei com a estrada errada que eu segui e com a minha própria lei…

10384145_799087273435480_2895910570886105541_n

Tenho o que ficou e tenho sorte até demais. Como sei que você também tem.

As vezes é solitário andar por entre as gentes. E eu gosto de meninos e meninas. Tem sido dias estranhos. O mundo anda tão complicado. É a verdade o que assombra, o descaso que condena, a estupidez, o que destrói. Eu vejo tudo que se foi e o que não existe mais.

….

Tem sido dias estranhos. O ódio vem corroendo, de todos os lados. A gente enfia a cabeça em um chapéu verde amarelo. Vamos celebrar epidemias, é a festa da torcida campeã. Vamos celebrar nossa bandeira, nosso passado de absurdos gloriosos. Vamos cantar juntos o hino nacional, a lágrima  é verdadeira.

neymar chora

Venha, que o futuro é perfeição.

Renato Russo morreu há anos. Era soropositivo. Deixou um filho, e outro dia vi uma noticia sobre a disputa pelo legado do Legião.

Dias estranhos.

 

Sobre aceitação e generosidade – ou uma biscate gorda

Esta texto está sendo escrito e reescrito na minha cabeça, e na minha vida, há tempos.

E num sábado de sol a Renata Lins e a Luciana Nepomuceno colocaram na pauta esse texto-entrevista-bate-papo sobre corpo e seus padrões que, poxa, falaram tanto comigo.

E eu pensei que podia finalmente escrever sobre a minha experiência com o corpo e os padrões, e o que EU tenho tentado aprender com isso.
Você já olhou para trás e viu como você era linda na adolescência mas se achava feia/gorda/esquisita? Acho que muitas pessoas já fizeram isso.

Como disse a Renata Lins:

minha relação com meu corpo já foi bastante conflituosa: hoje, a tranquilidade que existe foi absolutamente conquistada. E valorizada. Me sinto muito mais livre, de verdade, do que quando tinha 20 ou 30 anos. E gosto da sensação de ter vencido barreiras.

Eu acredito que é um processo, um esforço, uma conquista mesmo.

A gente é bombardeado todo dia com fotos da Gisele e de outras. Na minha época, eram a Cindy Crawford, a Ana Paula Arosio e a Luana Piovani. Eram elas os “padrões”. O narizinho da Ana Paula fazia eu odiar cada dia meu nariz. E a Cindy, bem, ela ao menos eu admirava porque ela mesma era crítica quanto ao que era a persona “Cindy Crawford”, que ela chama(va) de “A Coisa”. Ela dizia que nem ela acordava sendo “A Coisa”. Como Rita e Gilda.Hoje EU acho que é mais fácil, para mim, porque tenho outros modelos, e nenhum deles é uma modelo ou atriz famosa.

Mas tem ainda regramentos sobre como temos que ser “sexy sem ser vulgar” e outras mais. Ou seja, não dá pra dizer que o mundo mudou.
Então, EU tenho tentado aprender que quem muda somos nós, em um processo que não é fácil.

Aos 15 anos, eu pesava 58 quilos, tinha 1,65m e me achava enorme. Meus parâmetros? Duas amigas, uma com 1,50m e outra com 1,55 m, biotipos totalmente diversos do meu, e uma paranóia com os corpos. (Uma delas era aquele tipo de amiga que gosta de fazer as outras se sentirem mal, e infelizmente, gente ruim ou “com problemas” existe e se reproduz, desculpa sororidade.)

Voltando ao tema, eu era gostosa pra caralho (olhando as poucas fotos que tenho da época, já que odiava fotos, quem nunca?) e me achava feia, gorda, bochechuda. Isso não impediu namorados, rolos, etc, mas sempre esteve no meu inconsciente.

Aos 18 anos, ganhei muito peso, e rápido, e fui parar no Vigilantes do Peso. Tenho as fichas até hoje, em uma pasta com todas as avaliações físicas que já fiz em academias nessa trajetória, as vezes eu acho que para provar que “já fui magra” ou que cumpro o papel da gorda que não se aceita e tenta a todo custo ficar no “peso ideal”. Perdi peso, ganhei peso, entrei na faculdade.

Os anos de faculdade foram de novamente me sentir enorme, mesmo não sendo tanto – as fotos estão em casa, para me mostrar. E na formatura, de novo, ganhei muito peso, muito rápido. Bochechuda.
Formatura, e a luta pelo concurso público, pela estabilidade, pela conquista da independência, e aí, tudo ia mudar, eu ia fazer plástica no nariz, aumentar o peito, etc e tal e achar alguma pessoa legal e ter o pacote Sex and The City em Ovorizonte (isso é assunto para outro post…)

Nos primeiros dois anos de formada, continuei engordando, até que um dia decidi mudar, perder peso, ficar magra. Consegui. Nesse meio tempo, concursos para cargos que exigiam provas físicas, aprendi a malhar, correr, comer bem, parei de fumar… por alguns meses, ao menos.

Fiquei magra. Pesava 57, menos que na adolescência. Passei no concurso. E não foi a felicidade instantânea. Ai a gente continua buscando, buscando, buscando.

Em oito anos, emagreci, engordei, tomei remédio para emagrecer, voltei a fumar, engordei tudo de novo.

Vivo de dieta, como mal, me prometo que na segunda-feira eu volto a correr e comer direito. Compro alface e semente de linhaça. O alface murcha, a linhaça mofa.

E quando me revelo “de regime” já me perguntaram se eu não li “O Mito da Beleza”. Cara, eu li. E me identifiquei total: já fui das convertidas que querem emagrecer todos ao seu redor.

A questão, pra mim, ao menos, não é saber que a ditadura da beleza/magreza é algo criado para gerar lucro e controlar as pessoas, especialmente as mulheres.

O buraco é mais embaixo: é que, mesmo sabendo disso, eu vivo nesse mundo. Eu compro roupas nesse mundo, eu vou ao salão de beleza, eu ouço as pessoas falando, os jornais, as revistas, minha mãe… as pessoas bem intencionadas, como eu já fui, e aquelas que gostam de alfinetar, as maldosas que gostam de simular que se importam mas querem é cutucar pra ver como você reage.

A sorte, nesses dias, é que hoje eu tenho uma rede de proteção. Eu tenho amigas incríveis, e tenho aprendido a exercitar o olhar generoso de que a Isa Cassaloti fala e a Luciana Nepomuceno cita. Eu tenho me permitido me olhar com generosidade, olhar as pessoas e o mundo com generosidade.

“O que eu quero dizer é que eu procuro exercitar um olhar generoso. Um jeito generoso de ver os outros, procurar suas belezas. Que compreende um olhar generoso e de aceitação de mim mesma. “

EU tenho preocupações: com a saúde, com a possibilidade de engravidar, com o peso que estou hoje, se seria ruim para mim e para o hipotético embrião-feto-bebê.

Este post depoimento, que não vai ter minhas fotos de antes-depois-agora porque não estou em casa enquanto traço essas linhas, é só para compartilhar que todas e todos temos nossos dias. Que todas somos lindas, inteligentes, gostosas, fantásticas, mas mesmo assim as vezes duvidamos. Como não duvidar? Tanta gente falando de dieta e envelhecimento, bate o medo, a ansiedade, a raiva mesmo as vezes.

Quando bater o medo, a raiva, a ansiedade, é bom respirar (aproveitar e olhar foto de gatinhos e filhotes em geral também ajuda) Se olhar no espelho e ver a beleza que há em casa um de nós, e escolher ser feliz do jeito que você é. Mesmo que te digam que você não pode, não deve, não entendam como. A gente pode, sim.como nos vemos laerte

A fórmula única – garrafas aos mares

Tem dias que tudo é dúvida. Todo dia, na verdade, é dúvida. E eu penso se estou me perdendo em batalhas perdidas, afundando em derrotas e amarguras.

Tem dias que é Adelir, grávida e em trabalho de parto, sendo arrastada no meio da noite, com um mandado que violou não só a lei federal, a Magna Carta, mas a mais fundamental parcela de dignidade de um ser humano: autonomia.

Tem dias que é brigadeiro de colher e carne moída com batatinha, sabor de colo e aconchego.

Tem dias que a inspiração não vem, sobre nada. Tudo de profundo e relevante já foi dito, por alguém que diz melhor que eu o que eu quero dizer. E só cabe compartilhar, curtir, curtir mil vezes, postar dez vezes o texto fantástico que, olha que fantástico, as vezes foi escrito por gente que eu conheço e gosto pessoalmente.

Essa internet é muito boa, no final das contas. Se permite que grupos de ódio se propaguem, garante também que nós possamos denunciar.

Se permite que personagens caricatos à esquerda e à direita se revelem, de forma anônima e invisível e covarde, garante que a gente possa se juntar, dez doze vinte cem, e formar nossos coletivos de amor. Nosso clubinho.

Sabem, mesmo quando a gente acha que não tem ninguém lendo, nem se importando, a gente pode estar sendo aquela garrafa lançada ao mar e encontrada pelo náufrago, à deriva ou nem tanto. As vezes somos todos náufragos. As vezes o mar é terra firme e concreto, e estamos à deriva.

Naufragas 12_72dpi-8

Ontem eu li um artigo de um blog sobre criação de filhos com apego. E foi logo depois de ter lido um amigo postar aquele quadrinho da Super Nanny.

E como é que a gente fazia antes, quando não tinha tanta “corrente” dizendo como é que devemos ser/estar/parecer? Como a gente criava filho?

A Deborah Leão respondeu lindamente à minha angústia: “Antes era assim: você fazia como a sua mãe. E cada mãe fazia de um jeito, mas a gente não sabia bem disso. Algumas coisas davam mais certo, outras davam mais errado, mas a humanidade está aí criando filho não é de hoje. (…) Mas isso é meu. Vai ser o meu filho. A minha criação. Vai ter hora em que eu vou deixar chorar, vai ter hora em que vou pegar no colo. Vai ter hora em que vou estimular o apego, vai ter hora em que vou ter certeza que o melhor pra ele é algum distanciamento. E vai ter hora em que eu não vou ter certeza de nada. Já não tenho. Faz parte. Não sofre com isso, não, Rê. Já tem angústia de mais na experiência toda, a gente não precisa acrescentar, não.”

E ai eu pensei também numa mensagem que recebi outro dia, eu também náufraga, na qual uma pessoa que eu conheço pouco e admirava quando conheci, à distância dizia que se sentia feliz em saber que havia mais gente que pensava como ela (no caso, eu) e agradecendo por postagens minhas numa rede social (onde eu sou daquelas que postam “demais”) pois a faziam sair da zona de conforto (acho que saímos juntas dessa zona).

E voltando ao começo, eu acredito que esse clube, esse coletivo, assim como uma rede de amor e amizade, as vezes virtual mas sempre real, mora no meu coração porque não propõe uma fórmula única, não propõe sequer uma única fórmula. Se há algo que tentamos ter aqui é a proposta inicial:

“Este é um blog de princípios, os textos são concretude dos pensamentos individuais e revelam especificidades, mas não se afastam de uma reflexão abrangente e coletiva.

Acreditamos, convictamente, que todos e cada um deve ser livre para fazer o que bem entender, com quem escolher e onde bem quiser. Sim, estamos falando desexo, mas não só.

Escrevemos por prazer. Aliás, é assim que tentamos viver. Beleza, Gentileza, Leveza, eis as musas.

Não sabemos de tudo. Muitas vezes suspeitamos que não sabemos de nada. Não escrevemos pra convencer ninguém, mas para expressar o que sentimos, pensamos, queremos. Tentamos construir diálogos.”

Jogamos mensagens em garrafas, esperando que um dia elas voltem, com a resposta ou só com um oi e um abraço.

Nos dias em que a gente tiver certezas, não vai ser tão divertido.

Naufragas 12_72dpi-8

Refestelar

Ele está sentado, meio recostado, no sofá.

Ao lado, a cachorra, refestelada. Adoro essa palavra.

(re.fes.te.lar -se)

v.

1. Sentar-se ou estender-se comodamente: Refestelou -se no sofá.

2. Entregar-se a algo que deleita, que dá prazer: Chegou a Paris e logo se refestelou no melhor hotel.

[F.: re - + festa + -elar. Hom./Par.: refestelo (1ap.s.)/ refestelo /ê / (sm.). Ant. ger.: refastelar-se.]

Eu estou aqui, no note, escrevendo um post.

Um lombo marina na geladeira.

Uma taça com água, sobre a mesa.

Na varanda, a gata dorme, em posições variadas de fofura.

É uma tarde cinza, daquelas em que não chove mas não faz calor. Começo de outono e começo de férias. Férias a dois. Férias de nós dois, juntos o dia todo, todo dia. Rotina de já quem vive junto, dorme e acorda, junto.

Ele lê, eu rearranjo os móveis, troco as fotos dos porta-retratos, coloco minha vida e nossa vida sobre a estante. Junto dos livros de receita, os livros de dieta e os livros de Direito.

Férias.

Tempo de refestelar.

Deitar languidamente no sofá, empurrar a cachorra para o chão, e me aconchegar ao lado dele. E estar lá.

Entregar-me ao que me deleita. As mãos grandes, o sorriso de covinhas, o jeito calado, os ombros largos que me sustentam e equilibram.

Com ele eu me permito ser louca e séria. Me permito ser todas.

Com ele, eu me sinto uma boa menina… such a good girl…

 

É claro que nem sempre é assim. E nem tem que ser. Mas hoje. Hoje é. Agora. É.

Borboletas na alma

 

Eu não sou borboleta. Não sou leve, daquela leveza fluida e colorida das belas borboletas. Sou mais mariposa. Ou achava que não era e que era.

Até que veio ela. E mostrou que borboletas nos olhos é um estado de espírito. É uma escolha, um modo de ver a vida, de levar a vida, de trazer a vida para perto. E é isso que ela faz.

Dizem por aí que “O segredo é não correr atrás das borboletas… É cuidar do jardim para que elas venham até você.”

Só que a Luciana é borboleta e traz em si também o jardim. Ou sei lá, ela cultiva o jardim em cada um de nós, para que seja sempre doce e quente e colorido, para que a gente sempre vá até ela, e ela venha até a gente e todo mundo se junte e se misture e … tá bom, já entenderam.

Através do olhar generoso da Luciana eu aprendi tanta coisa… não, eu nao sei nada, mas aprendo todo dia.

E a generosidade não se traduz em moleza, não. Generosidade de falar quando a gente erra, de mostrar o que foi errado, porque não tá legal, que existem outras possibilidades ali.

A Luciana é alguém que me faz ser melhor. Do que eu gosto, quando gosto dela? Gosto de rir, de abrir a mente e a alma para a mais gostosa gargalhada do mundo. Gosto de poder me abrir para ela, sem medo do julgamento. Gosto de chorar e ranger os dentes e desabafar quando isso aqui (aqui e aqui fora) fica muito tenso, pesado, raivoso.

“Então, tem aquela outra música: “viver é afinar um instrumento, de dentro pra fora, de fora pra dentro”. Resolvi que não adiantava esperar “mudar a minha forma de sentir” pra agir diferente. Era preciso agir diferente pra ir mudando minha forma de sentir. Então eu procuro agir de acordo com a pessoa que eu quero ser e, pouco a pouco eu vou sendo essa pessoa, sabe. (Borboletas nos Olhos, aqui)

http://www.youtube.com/watch?v=-mLDIAGruEM

Gosto – e gosto tanto! – de ter encontrado na minha vida esse clube de pessoas.

Gosto de poder respirar e não pirar nas baixarias e no ódio e no rancor que assola nosso mundo, porque tenho um lugar para pirar e inspirar.

E amo, muito, ter a oportunidade de fazer uma declaração de amor para você, no seu aniversário.

Então, hoje, apesar de toda dor lá fora e aqui dentro do meu peito, eu agradeço por ser seu aniversário e por ter você na nossa vida.

Te amo.

541169_350469191657684_1723364311_n

 

 

 

 

Não mascare a violência contra a mulher – Campanha de Carnaval

Esta biscate escrevente está de plantão, em uma cidade histórica de Minas, com um Carnaval famoso em todo país.

1978672_486191464814134_1570486791_n

E onde em 2012 uma campanha da PM contra o beijo roubado gerou protestos dos foliões - e foliãs.

Este ano o mesmo tema retorna na campanha “Não mascare a violência contra as mulheres”, da Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana da Paraíba. Segundo informado, serão distribuídos mais de 50 mil leques com telefones de Delegacias da Mulher e do Disque Denúncia 197 alertando sobre o que fazer em casos de agressão e beijo forçado. De acordo com dados da Delegacia da Mulher de João Pessoa, neste período carnavalesco o número de denúncias aumenta cerca de 30%.

Tão importantes quanto processar criminalmente e punir os agressores, autores de violências contra as mulheres, são as campanhas de conscientização.

1782164_563093943788242_545333913_n

O beijo “roubado”, pode, sim, ser “brincadeira”, se a parte do “roubado” for brincadeira, consentida, entre pessoas adultas e capazes.

O beijo forçado, obrigado, constrangido mediante uso de força física, segurando pelo braço, pelo cabelo, cercando a pessoa com os amigos em “corredores poloneses”, etc, é violência, é crime, tem que ser coibido.

O problema que vejo é que somos tão acostumadas, nós, mulheres, a mascarar a violência como brincadeira, ainda que de mau gosto, que toleramos e negamos nosso direito de dizer não. No Carnaval, não vale tudo.

No Carnaval e nas baladas, mais ainda que no dia a dia, é como se nosso corpo se tornasse público. E não é. Nosso corpo é nosso, e não abrimos mão de nossa autonomia ao vestir uma fantasia provocante e tomar bebidas alcoólicas e sairmos desacompanhadas de um homem.

Ano passado no plantão de carnaval em outra cidade do interior, um jovem de 16 anos, daqueles bem fortes, criados “a danoninho”, agrediu uma colega, com um murro no rosto que quase fraturou o nariz da jovem. O motivo: ela não quis aceitar a brincadeira de beijo roubado, já que o jovem estava embriagado.

Ser agarrada a força e obrigada a beijar, seja um desconhecido seja um colega, não é brincadeira.

1920084_560798004027168_1726063545_n

Brincadeira é brincar Carnaval. Somos todas a favor de variadas estripulias e de se fazer o que se quer. Beijin no ombro, camisinha no bolso!

Mas fazer o que não se quer, e ainda ser acusada de “estar aí para isso”, ter que ouvir “com essa roupa, quem mandou”? Não. Amor de Carnaval tem que ser sem violência!

Amigas, meninas, moças, mulheres. Não somos obrigadas. Se você quer beijar um, dois ou quantos mais, é seu direito. Se não quiser beijar ninguém, é também seu direito!

Se quer brincar, entrar na brincadeira dos beijos roubados e achar que não tem nada de mais, ok, claro que você pode.

Mas se outra não quiser, não é frescura, exagero nem “cu doce”.

É liberdade, também.

tumblr_inline_mhx7olIDu91qz4rgp

* adendo necessário: muitos dos homens que fazem tais brincadeiras acham que são realmente brincadeiras, porque não estão acostumados a pensar na autonomia da mulher. Felizmente, vários já estão se conscientizando e entendendo que a violência se mascara de várias formas.

 

 

Ideologia…

A Denise Arcoverde publicou o link para o texto do Xico Sá, de hoje, na minha TL do Facebook: Você deixa de transar por gramática ou ideologia?.

Pergunta o Xico: “Você ficaria –não estamos falando em casamento!- com quem defende a tese do “bandido bom é bandido morto” e aplaude o neopelourinho escroto que anda rolando por ai?”.

E aí a xará responde: “pois então. eu não respondi à pergunta, pq essa do pelourinho não vale, né? É só retórica. Mas e um mezzo-reaça? Um liberal que acredita no esforço pessoal etc.?
Aí fica mais difícil dizer que não de cara. Eu pensaria.”

Pois é.

Eu pensaria. Mas possivelmente, não ficaria. Ou sim?

As questões que a questão levanta são maiores que permite essa vã filosofia.

Alguém pode ter o discurso lindo, perfeito, que combina com o seu. E os dois se completam e completam as frases um do outro, mas na convivência diária, na hora de colocar o lixo para fora e a comida na panela, os opostos se revelam, as divergências se tornam arestas intransponíveis, abismos. E não há respeito, não .

E alguém pode ter o discurso todo errado, seja na gramática ou na ideologia (errado de não bater com o seu, não sejamos arrogantes de nos achar sempre certos, isso também é brochante -ou broxante?), mas no dia a dia, comendo um quilo de sal, trocando os botijões de gás, provando do dormir e acordar, é aquele alguém que nos equilibra. Não completa, não a armadilha da alma gêmea, mas a certeza de que se é amor, vale a pena esforçar para “dar certo”. Não a todo custo, não para ser para sempre, mas enquanto durar.

E nesses dias, quando as redes sociais andam esgarçadas e ao mesmo tempo agastadas, fica mais fácil ou mais difícil separar o mezzo reaça, na linha do que a Renata Lins definiu, do feminista progressista fake.

Hora de dar uma pausa, respirar, e ver o que realmente você quer, naquele momento.

E no resto de sua vida.

Sem dicotomia entre o discurso e a atitude, sabendo que o discurso permeia a atitude, mas lembrando que a atitude, bem, ela confirma ou desmente o discurso…

Ideologia… Cazuza

 

 

Meninas, brincos e Delegadas

banner_grande

Essa semana é a Semana da Visibilidade Trans*. E eu vou falar sobre a minha experiência, de mulher cis (que se identifica com o gênero que lhe foi designado ao nascer). Eu podia acrescentar meus outros privilégios, privilégios que talvez você leitor(a) também tenha, ou não. Mas hoje vou me deter nesse ponto.

Eu, me identificando como “menina”, tinha os cabelos curtos, estilo “joãozinho”, e aos cinco anos de idade me foi negado o direito de usar o banheiro de meninas, que tinha uma peixinha de brincos e lacinho rosa, e me indicaram o banheiro de meninos, com o peixinho de bigode e gravata azul. Uma menina, mais velha (hoje, em retrospecto, imagino que ela devia ter uns nove ou dez anos) me disse que o meu banheiro não era aquele. Era inverno, o uniforme era moleton marron e eu não usava brincos.

banheiro menino

Ao sair da aula e encontrar com minha mãe, em prantos eu exigi que minhas orelhas fossem furadas e me fosse concedido aquele precioso símbolo da minha identidade de gênero. Não foi possível furar as orelhas no mesmo dia, e então, mesmo no frio, usei o uniforme de verão, sainha curta, para ir às aulas no dia seguinte.

Esse episódio se tornou meio que uma anedota familiar, e eu meio que o ignorei, afinal, não fazia sentido ficar remoendo. (…)

Já adulta, Delegada de Polícia, a militância em Direitos Humanos, que me acompanha desde o ensino médio, me aproximou de grupos ditos (e feitos) vulneráveis, entre eles o grupo das pessoas trans*, dentre a população LGBT.

Em uma conferência de Segurança Pública, dentre toda a fauna de policiais, gestores, sociedade civil, tive o prazer de conhecer Walkíria la Roche. Me impressionou sua delicadeza e feminilidade, fez com que eu, a menina “tomboy” dentro de mim, me sentisse quase “masculina”.

E depois, conheci, em 2012, pelo Blogueiras Feministas, Haley Kaas e outras pessoas trans*, mulheres e homens, e comecei a conhecer (um pouco) mais e pensar (muito) mais sobre as questões de gênero e identidades.

Percebi que o que eu achava que era “natural” não é bem assim. Que muitas mulheres em processo de transição sofrem enormes pressões para serem femininas e delicadas, para se enquadraram perfeitamente no molde da “MULHER”, esse ser que não se nasce, se torna, para todas nós, cis e trans*, mas que para uma mulher trans* é ainda mais opressivo.

No texto que abriu essa semana, a Daniela Andrade falou sobre as profissões que são designadas à mulheres trans*, às travestis: a prostituição ou os salões de cabeleireiros, quase sempre vilipendiadas, estereotipadas, violadas pelo preconceito.

Na semana passada, foi divulgado o fato de uma mulher trans* haver se submetido à cirurgia de redesignação de sexo, em uma profissão que muitos consideram masculina, e que por coincidência, é a minha profissão: Delegada de Polícia Civil. Foi em Goiás, e a mulher é a dra. Laura.

Eu tenho tentado não ler comentários em portais de notícias. O anonimato permite uma virulência que enoja, assusta, entristece. Mas li alguns, na matéria malfeita e maldosa de um jornal local. E uma das “preocupações” de alguns comentaristas era com a situação juridico administrativa da delegada. Afinal, ela entrou como “homem”, e de repente, “virou” mulher. Logo, ela fraudou o sistema.

Muito me espanta, gente até inteligente e estudada, falando isso. Não há cotas, nas policias civis e federal, como há nas PMs. Logo, a situação juridico-administrativa, ao meu ver, não sofreu alterações.

Outros, preocupavam-se com a dita “reserva de mercado” das DEAMs, que são as delegacias de atendimento à mulher, delegacias que tradicionalmente são ocupadas por mulheres.

Voltando ao tema, eu torço para que Laura, minha colega na PC, em Goiás, seja feliz, no caminho que trilhou. Seja na DEAM, seja numa depol de área, aquelas “chão de fábrica”, como a minha. Onde cabe “macheza” suficiente em uma mulher, como cabe em mim, o que quer que seja isso.

Porque hoje eu luto por um mundo onde a falta ou não de brincos não seja definidora de gênero. Para que crianças possam crescer sabendo que os banheiros não devem ser motivo de opressão de gênero, e que meninas podem ter bigode, meninos podem usar lacinhos e cor-de-rosa, e que isso não define quem somos.

Luto e torço e espero por um mundo onde papéis de gênero não sejam tão fixados que impeçam que um homem possa ter empatia e capacidade de sensibilidade suficiente para trabalhar com mulheres em situação de violência, em uma DEAM, ou que, pelo oposto, imponham a todas as mulheres a obrigação de sermos sensíveis e “boazinhas”, portanto, ideais para trabalharmos “na Mulheres”.

Queria voltar ao passado e dizer para a Renata de 5 anos que tudo bem usar o banheiro de meninos, e que ela não precisa furar as orelhas se não quiser.

banheiro menina

Mas o que realmente dói é saber de tantas meninas em situação de disforia que não tem apoio, não tem amparo, não tem a quem recorrer.

Hoje eu vejo que o meu trauma é meu, e não é “bobo”,não vou diminuí-lo, pois ele me ajuda, agora, a calçar por alguns segundos, o sapato de uma criança trans*. Meus brincos me garantiram de imediato o ingresso no meu mundo, onde nunca mais me foi negada a minha condição de mulher. Eu quero que meus filhos vivam em um mundo onde não seja preciso um par de brincos ou um médico ou juiz para garantir que todos e todas possam ser felizes, da forma como escolheram.

Biscate: categoria celebração!

#BiscatagiÉCultura #2anosBiscateSC

Então são dois anos de Biscate Social Clube, e como autora não-convidada membro honorária deste dileto clube, voltei a dar as caras para celebrar!

Hoje minha categoria é “Biscatagi É Cultura”. E nessa categoria tem de Gilda a Niara. Passando por Stefhany, Amanda Palmer, Dina TalaatSimone de Beauvoir, Pagu, Maria Medalha, Joan JettJosephine, Madonnaartistas latinas da rua, Lucia, Scarlett O’Haragrafiteiras, Pam Grier, Angélica, Joni Mitchell e Taylor Swift, Yazda Rajab, Chica da Silva, Catherine Millet, Nina Simone, Cora Coralina, Alzira e VioletaMarguerite Yourcenar, Ana Cañas, Tatazão, pretas, escravas e sinhás, Pete Burns, Piaf, Louise Bryant, Gracyanne, Laerte e Vânia Flor, Brigitte Bardot e tantas, tantas outras…

Do clássico ao “brega”, do Cult ao Pop. Biscate-Caminhão, Biscate sofredora.

Biscates reais e biscates ficcionais, com as quais nos identificamos tanto quanto.

Biscateamos em alto estilo com o Clint, Bond, com roqueirossoltamos a franga.

Nesses dois anos, foram dezenas de posts, sobre anônimas e famosas que se enquadram na nossa deliciosa categoria BISCATE. Biscate, essa mulher livre, para fazer o que bem entender, com quem escolher e onde bem quiser.

Nem sempre é fácil, e muitas tantas vezes escorregamos, sem querer, em julgamentos feitos com a mesma régua com a qual nos medem e julgam.

Sobre o comprimento da saia, a profundidade do decote, o peso da maquiagem, o salto alto de fuck me…

Não somos perfeitas, não cobramos perfeição. E tentamos ser coerentes, ainda que isso seja difícil e dolorido.

Hoje o post é para todas nós, Biscates.

Luciana e Niara.

Renata e Renata, Sara, Jeane, Charô.

Bete Davis, Silvia, Raquel, Cláudia, Lis.

Toni e Mozzein.

Biscates fixas e convidadas do Brasil e do Mundo, Uni-vos! (sorry, Niara, não resisti!)

Esse post de final de ano é um post-memória-celebração.

Memória é vida, como bem deixa a Renata Lins, no post de ontem, entendido.

Estamos aqui, não estamos sós.

É um prazer e uma honra caminhar junto com vocês nesses dias difíceis, mas torço para que em 2014 estejamos juntas mais e mais vezes!

Amo vocês! ♥

biscas

Eufemismos, medo e morte

No dia 22 de novembro de 2013, uma jovem de 17 anos foi morta pelo (ex)namorado, no interior do Paraná. As câmeras do circuito interno de vigilância do supermercado onde a jovem Letícia trabalhava captaram parte da cena.

Assisti tal notícia num jornal sensacionalista, do tipo Cidade Alerta. Sábado modorrento, de passar a tarde em casa depois de almoçar fora. Namorado zapeando canais da televisão. E de repente, no meio do meu sábado, dentro da minha sala, aquela cena.

Uma jovem sendo arrastada por um agressor. Se agarra a um homem, na porta do supermercado, implorando por socorro. O homem que a arrasta mostra uma arma, e o pequeno grupo de pessoas se afasta, impotente, com medo. Ou talvez pensando: “em briga de marido e mulher…”.  Eles saem. Todos na porta, olhando.   Segundos depois, ela volta, correndo. Escorrega. Cai. E é atingida por mais um disparo.

Isso foi transmitido na tevê.

Ao final da matéria, eu chorava. De dor. Desespero. Agonia. Raiva.

Durante a matéria, entrevistas com colegas de trabalho e com a mãe da jovem.

O (ex) namorado, de 21 anos, não aceitava que a jovem trabalhasse. Ou estudasse. Exigia que ela largasse o emprego. Não foi a primeira violência, aquela sequência transmitida em rede nacional.

E os repórteres noticiam: “mais um crime passional”.

Duas semanas depois, o Ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, ao analisar a autorização ou não para a investigação da agressão relatada pela esposa de um parlamentar, que o acusou de agressão e narrou que ficou apanhando por 40 minutos, votou contra, usando seu conhecimento em MMA para desqualificar o depoimento da vítima.

Segundo o Ministro, “Não só por experiência pessoal, mas porque tenho um gosto específico por esporte, o ministro Marco Aurélio também sabe que nem num torneiro de Mixed Martial Arts (MMA) se permite que uma pessoa apanhe por 40 minutos. Porque uma surra de 40 minutos é conducente à morte”, explicou Fux, que pratica jiu-jítsu. “Não conheço murro de mão fechada que não deixa marca”, completou adiante, observando que o exame do Instituto Médico-Legal (IML) encontrou apenas lesões na mulher, como hematomas nos braços e nas pernas.”

Estamos participando, aqui no Biscate, da campanha #16DiasDeAtivismo pelo #FimDaViolênciaContraMulher e enquanto eu pesquisava sobre esses dois casos, para poder explicar qual a ligação entre um e outro, encontrei uma “matéria” com uma declaração do tio da Letícia Monique, dizendo: “Nós esperamos que isso sirva de exemplo para outras jovens que estão em um relacionamento complicado como este. Infelizmente, é um exemplo ruim”, lamenta o tio.

“Exemplo para outrAs jovens”, diz o tio.

“Não conheço murro de mão fechada que não deixa marca”, diz o ministro Fux.

“Em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”, dizem tantos.

Lei “Maria da Vingança”, já ouvi homens dizendo.

Relacionamento “complicado”.

“Na hora, assim, da fúria, né? A pessoa não pensa… ai eu efetuei os disparos”, disse o assassino.

Uma jovem é morta, no interior do Paraná, por um homem de 21 anos. Crime passional – porque foi filmado, gravado, testemunhado, ele foi preso em flagrante e confessou.

Uma mulher é agredida por um deputado federal, durante um longo tempo. Podem ter sido 40 minutos. Para o ministro não houve crime, não houve sequer agressão. Segundo ele é impossível, inverossímil, a versão inicial da vítima — “a suposta vítima e a testemunha, empregada doméstica da família, teriam voltado atrás em seus depoimentos”, diz o jornal. Felizmente o STF entendeu, por 6 votos a 3, que existem indícios suficientes para a instauração de uma ação penal e atenderam ao pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que a denúncia contra o deputado fosse recebida e o processo fosse aberto. Ele agora é réu.

Entre o tio da Letícia Monique e o nobre magistrado, doutor, ilustre e fã de MMA, nada em comum. E tudo em comum.

O pensamento é semelhante, o objetivo é semelhante: legitimar a ação do homem e agressor, e desqualificar as palavras da vítima.

Leticia já havia sido agredida antes. Na frente de amigos e familiares. Já havia sido arrastada pelos cabelos, na frente de casa, pelo Jean Albino. Na frente da mãe. O tio chama o relacionamento de “complicado”.

Letícia faz o que é chamada a fazer, para demonstrar que “não gosta de apanhar”: se separa do agressor. Termina o namoro.

Não sabe (ou talvez saiba) que aumentou em mais de 85% o risco de ser morta.

E morre.

Quando vamos ver a relação entre as declarações dos nossos jornalistas e dos nossos juízes (e nossas jornalistas e nossas juízas!) e as mortes de ao menos 10 Letícias por dia?

Quando vamos entender que Jean Albino não matou em um momento de fúria, sem pensar? Que ele pensou, e muito. Ele pensou, e muito, que Leticia era sua coisa, sua propriedade, sua posse. Que Leticia não tinha direitos sobre a própria vida, que não podia trabalhar, estudar, ter outros interesses na vida, salvo ele.

violencia contra mulher

Para a imprensa, um “namoro que terminou tragicamente”.

Para o tio, “um exemplo para outras jovens”.

E para os agressores, a declaração do Ministro: nunca vi murro de mão fechada não deixar marcas. E a suposta vítima tem apenas lesões.

Apenas. Lesões.

A mensagem que fica é: bata, mas não deixe marcas.

E se matar, foi apenas um momento de fúria. De um jovem desequilibrado. E não de um sistema, de uma situação, familiar e cotidiana, que afasta qualquer debate ou discussão ou conversa, e que coloca os autores de agressão física, verbal, psicológica, sexual, como monstros. Desequilibrados.

O jovem Jean Albino não demostrou arrependimento. Logo dizem: monstro. Ou então: apaixonado.

Enquanto jornalistas disserem “crime passional” e “relacionamento complicado” em lugar de “feminicídio” e “relacionamento abusivo”, “relacionamento violento”, não iremos impedir a violência de entrar em nossas casas, seja com relacionamentos abusivos que chamaremos de “complicados” seja com imagens como a de Letícia sendo perseguida e morta, na frente de dezenas de pessoas.

Enquanto usarmos de eufemismos para tornar a violência de gênero algo que só monstros cometem, ou em algo que não existe, pois não deixou marcas, ela estará, todos os dias, em nossa vida.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...