Não é sobre a mais recente treta da internet 2

As mulheres têm tido péssimos encontros. Elas dão todos os sinais não verbais de que os encontros estão sendo péssimos, mas os caras não notam. Os encontros não correm nadinha parecidos com o que elas esperam ou planejam e elas sinalizam – na opinião delas, nitidamente, embora não verbalmente – e os caras nem percebem. Eles estão demasiado interessados no fato de que os encontros estão acontecendo dentro das expectativas e referências deles. Elas não falam, não vão embora (embora claramente percebam que eles não impediriam e quando, efetivamente, elas manifestam sua vontade de ir, eles não fazem nada que dificulte isso), elas ficam lá, vivendo aquele pesadelo, sentindo-se mal em cada momento, sentindo-se ignoradas e até mesmo violadas pela forma como eles estragam cada expectativa, cada anseio, sendo meio toscos, alguns escrotos, indo rápido demais, direto demais, tocando-as de uma forma que não era a que elas esperavam, comportando-se completamente diferente das expectativas  delas.

E então, o que aconteceu aí? (um parêntese, qualquer coisa diferente do narrado, que inclua uso de força, poder ou influência que impeça a mulher de verbalizar a negativa não é o tema do post, é estupro e tal). Voltando: e então, o que tem acontecido?

O moço pode ter sido indiferente, negligente, autocentrado. O moço pode ter sido tosco. O moço pode ter sido escroto. Nada disso faz dele um abusador ou do encontro uma violência que ele lhe impingiu.

Isso não significa que, ok, tudo bem, sigamos, é assim mesmo. Nada precisa ser “assim mesmo”.

Não sei se precisava salientar, mas não se perde: não importa se foi o primeiro encontro e a mulher aceitou ir na casa do cara ou levou-o à sua, não importa se ela estava de roupa “provocante”, não importa se ela decidir parar no meio do rala e rola, não importa se ela tirou parte da roupa ou se deixou despir, não importa se o encontro ruim foi com um desconhecido ou com uma pessoa com quem ela se relacionava há mais tempo e de forma estável. Nada disso importa se uma mulher disser não.

E, claro, este é um dos pontos nevrálgicos desta conversa. Nossa capacidade de dizer “não”. Nós, mulheres, somos ensinadas a ser dóceis, cordatas, mansas. Assertividade não é coisa muito feminina. Firmeza não é coisa muito feminina. Acolher o próprio desejo acima dos desejos alheios, especialmente o desejo sexual, deusolivre, não é coisa lá muito feminina. Assim, forjamos mulheres que esperam que as outras pessoas leiam sinais não verbais, discretos, sutis, feitos para não ofender a vontade alheia. Por outro lado formamos homens feitos para agir antes de refletir, para tomar decisões rápidas, para ouvir seu desejo antes de qualquer outra consideração. Homens pouco afeitos à escuta, que dirá entenderem sinalizações confusas e silêncios que parecem consentimento – especialmente no que se refere ao sexo, onde ainda se tem um imaginário em que mulheres não se interessam tanto por, não se divertem tanto no, não se expressam muito durante o sexo. Não sei a quem me lê, mas isso me parece uma combinação desastrosa.

É na estrutura que se inscreve a expectativa do príncipe encantado, mesmo para o encontro casual e que inibe o nosso “não”, coerente com nosso mal-estar. Porque “vai que”. Vai que ele melhora. Vai que ele entende. Vai que ele está em um momento ruim mas minha presença vai fazê-lo ficar bem. Vai que o sapo vira o príncipe que a cultura me ensinou que está nele, bem reservado para quem souber ser perfeitamente feminina e encontrar a chave mágica. E, assim não dizemos o “não”, não caímos fora. É também na estrutura que estão os números dos feminicídios, dos estupros, dos espancamentos contra mulheres. Vai que se eu disser não ele passa do escroto pro violento? Vai que ele me bate? Vai que ele mata? Melhor ficar quieta e encarar o menos ruim, né. Já somos mesmo acostumadas a comer por último, sair da frente, pedir desculpas mesmo estando certas, ver homens aclamados por ideias que demos poucos minutos antes e foram completamente ignoradas, etc. Um silêncio a mais não vai fazer tão mal assim. E, assim, não dizemos o “não”, não caímos fora.

Poderia continuar falando da estrutura/cultura e como internalizamos estes padrões que favorecem que situações como a lá de cima se repitam na zona cinza entre a violência/abuso e um encontro, apenas pessoas conversando, se conhecendo, se apalpando, fazendo sexo, bom ou ruim. Acontece que a estrutura/cultura não é algo absoluto e independente das subjetividades. Não somos seres passivos, tábulas rasas onde toda sorte de inscrições e normativas externas são gravadas e repetidas. Somos seres ativos, seres de desejo, que nos fazemos ao mesmo tempo em que somos feitos.

Eu lembro de um texto do comecinho do blog, que surgiu de uma piada tipo “se sua namorada disser que não quer ovo de páscoa, dê mesmo assim ou ela ficará zangada”. Dizia eu, dizíamos nós: se ela disser que não quer, respeite o que ela disse que é o desejo dela e não o que você acha que ela deseja. E se ela queria mesmo o ovo, mas não disse por recato, por educação, por charme, whatever, azar, da próxima vez quem sabe ela verbaliza sua vontade. Lá no texto tem (e sustento): toda e qualquer insinuação de: “ela não sabe o que diz”, “ela não sabe o que quer”, “ela diz uma coisa, mas está querendo outra” deve acionar imediatamente nosso alerta vermelho. É perigoso – perigoso porque continua alicerçado na idéia de que a mulher não pode ser responsável pela sua vida, pela sua vontade, pelos seus interesses, pela sua ação.

Nós podemos, nós devemos. Uma mulher deve poder dizer sim e não. Seguir e parar.

Não é arrumando formas de acolher, proteger e garantir o silêncio das mulheres que avançaremos, penso eu. Não é culpando homens por não saberem traduzir nossos discretos sinais de negativas dúbias, divididas entre o desejo que ele pare e o desejo que ele mude durante um encontro, que avançaremos. Isso não significa que não vamos (vamos, nós-pessoas, não apenas nós-mulheres) trabalhar e insistir para que os homens escutem mais, entendam mais, acolham mais, cuidem mais. Sim, isso é necessário. E será a contrapartida, penso eu, do movimento das mulheres de falarem mais, (se) afirmarem mais, se posicionarem mais em relação às sua intenções, vontades, expectativas, planos.

Não vai ser no automático. Não vai ser de agora pra amanhã. Não vai ser nem mesmo se todas as mulheres lerem este texto (ahahah) e concordarem e decidirem dizer seu sim e seu não. Porque somos seres de inconsciente, somos seres de cultura, somos seres sociais, somos ambíguos, contraditórios, seres em processo. Será preciso tempo, muitos encontros ruins, muitos nãos gaguejados, muita melhora na escuta dos homens, muito avanço na verbalização, muita mudança econômica (porque sim, segurança econômica não define, mas interfere na autoestima e na segurança emocional), muito avanço no campo das relações de igualdade de raça, muito mais coisa precisa acontecer para que.

Mas não vai ser é nunca se resolvermos apenas mudar quem tutela o desejo e a voz das mulheres. Não vai ser é nunca, especialmente, se consideramos que estes desejos e vozes são uniformes ou poderão vir a ser. Não vai ser é nunca se elegemos vilões e projetamos neles os equívocos e mascaramos a nossa conivência. Não vai ser é nunca se cristalizarmos as mulheres no lugar de quem precisa ser sempre defendida e resguardada de tudo – inclusive de um péssimo encontro – seja por família, Estado ou movimento.

Não basta uma decisão individual de cada mulher. Mas não prescinde disso. Então é preciso, penso, acolher a voz das mulheres, sem lhes tirar a responsabilidade pelo que é dito.

radicalchic

PS. o texto tratou do tema focando na relação homem-mulher porque a maior parte das questões que têm surgido de denúncias de abuso é sobre este tipo de relacionamento (sejam relacionamentos entre pessoas heterossexuais ou bissexuais). Isso não significa, de forma alguma, que relacionamentos entre homens e/ou entre mulheres não tenham, também, vivências de abusos, etc.

PS2. Isso não significa que não existam ambiguidades. Que as mulheres não possam dizer “não” e depois dizer “sim”. Ou dizer “sim” e depois mudar para o “não”. Meu argumento é apenas que se respeite o que se disse no momento: não é porque ela mudou pro sim que quando ela disse o não, o não já era um sim disfarçado. É que como pessoa autônoma, consciente e reflexiva ela pode pensar, sentir, ponderar e transformar sua decisão.

Exorcizando Fantasmas

I don’t care if it hurts
I wanna have control
I wanna a perfect body
I wanna a perfect soul

I want you to notice
When I’m not around
You’re so fucking special
I wish I was special

But I’m a creep
I’m a weirdo
What the hell am I doing here?
I don’t belong here

– Creep, Radiohead

Passei anos da minha vida tentando me adaptar a um padrão, tentei ser inúmeras vezes alguém que não se encaixava no que eu realmente me identifico, tudo isso pra ser aceita por outras pessoas. Passei anos da minha vida tentando emagrecer, me encaixar num padrão de feminilidade e beleza que nunca combinou comigo. Era outra mulher, outra Sara, uma Sara infeliz, uma Sara azeda.

Relações abusivas criam essa necessidade, não, nunca parece que é exigência do parceiro, parece sempre que você faz porque deseja mudar, que é algo que vem da sua vontade, que é um agrado a quem você ama. E isso vai te consumindo aos poucos, te fazendo mal, minando sua auto estima, te mostrando que sua beleza não existe, afinal, você não se encaixa naquele padrão que agrada seu parceiro.

O processo de se adaptar a um padrão que não era meu começou antes desse relacionamento, mas foi com ele que esse processo minou minha auto estima por completo, como eu acreditava que ele me conheceu magra, de cabelos compridos, usando roupas “femininas” eu devia me manter assim, se não ele procuraria outra desse jeito. Várias vezes ele deixou isso claro nas entrelinhas, que não era mais a Sara que ele conheceu, que eu parecia não me amar e não me cuidar pois estava engordando, não me depilava, queria cortar meu cabelo curto. Quantas vezes vi seus olhos de decepção pra minhas mudanças, todas essas mudanças vinham de um incômodo meu natural, quando fico estagnada por muito tempo num visual eu preciso mudá-lo. Ele não entendia, ele queria de mim apenas o superficial.

Era um objeto que ele mostrava passeando nas ruas, nas baladas, nos bares, nas fotos do facebook, quando deixei de ser aquele objeto, ele parou de me mostrar, vergonha de se relacionar com uma mulher fora do padrão. Não era mais a “morena” do corpão malhado e cabelos cacheados compridos e vermelhos. Queria raspar a cabeça, queria colorir o cabelo de qualquer cor, queria comer e beber bem sem me preocupar em malhar na segunda pra queimar o que ganhei no fim de semana. Ele ainda descobriu que namorava uma preta, comecei a me afirmar na minha identidade, comecei a questionar eu ficar invisível nas conversas, ele me admirava e me achava inteligente no início, eu tinha muita cultura pra passar pra ele, com o tempo ele foi minando o meu discurso, ele foi se afastando da admiração, comecei a incomodá-lo.

Sim, agora, quase um ano após o término, consigo enxergar tudo de errado que vivi nesse namoro, não foi a “infidelidade” ou a “traição” com outras mulheres que me fez mal, não ligo pra monogamia, o que me fez mal foi a insegurança da corda bamba por anos. Medo de ser abandonada pelo, segundo ele, único homem que iria me querer gorda, feia, de cabelo curto, desleixada, sem me depilar, louca, maníaca de ciúmes. Precisamos dar nomes aos bois, o que vivi foi uma relação abusiva e violenta.

Mulheres, tenham cuidado, se alguém precisa te fazer se sentir menor pra ficar bem, essa pessoa não merece estar ao seu lado. Procure amigas, apoio na família, numx psicólogx ou onde preferir, tente trabalhar sua auto estima pra sair disso antes que seja devastador.

O último Rembrandt #2

Hoje, o Biscate tem o prazer de apresentar o segundo capítulo de um folhetim que está sendo publicado aos domingos. Deleitem-se!

O último Rembrandt

por Maurin Smith (tradução de Isadora Leal)

2. O que é um pequeno crime entre amigas?

Paris, 18 de abril de 2017

11h56

Nos Estados Unidos, do leito do hospital onde tinha passado por uma cirurgia na coluna, Safira telefonara para Carla, que ensinava arte medieval em uma universidade em Paris.

– Querida, se você não pegar o primeiro avião, juro que vou me levantar de dessa cama e atravessar o oceano Atlântico de muletas para dar com elas na sua cabeça.

– Você vai nadar de muletas? Por favor, mande alguém filmar isso.

– Engraçadinha. Falo sério, o convite só chegou há dois dias. Estão fazendo tudo de última hora para que a notícia não se espalhe. Só colecionadores de arte muito, muito ricos estão sendo convidados… Ah, e alguns diretores de museus, para manter as aparências.

– Porque o leilão vai ser feito nos Estados Unidos e não na Europa? Porque não na Holanda, meu Deus, a uma hora e meia da minha casa?

– Porque todos os objetos do enorme sótão da falecida foram embalados e enviados para o sobrinho-neto, um advogado especializado em direitos autorais que vive em Nova Iorque.

– Sei, mas embalaram um…

– Eles não sabiam que era um…

– Como isso é possível?!

– O quadro estava no sótão! Cercado de cacarecos de família, roupas do século XIX, gramofones, baús e malas de todos os tipos e, sim, outras obras de arte valiosas.

– Outras?!

– Nada tão raro e valioso, mas sim, outras obras de arte. Pelos próximos anos, você verá o mercado de arte ser lentamente invadido por raridades.

– Espero que façam isso realmente bem devagar, ou o preço das obras vai despencar.

– Ah, não se preocupe, os homens que cuidam do espólio têm tentáculos em outras áreas do mundo das artes e não pretendem perder dinheiro. A casa inteira foi inventariada, cada objeto, cada cinzeirinho, tudo. Mas os objetos do sótão foram tratados como cacarecos e enviados para os Estados Unidos, provavelmente em caixotes marcados como “Tralha”.

– Meu Deus, imagino o espanto de quem abriu as caixas.

– Demorou para que o quadro fosse identificado. Na verdade, Marcel Navigateur só percebeu o que tinha nas mãos quando…

– Espere um minutinho… Marcel Navigateur?

– Sim, querida.

O Marcel Navigateur?

– Sim, meu bem.

– Puta merda!

Safira deu uma fungadela.

– Querida, isso é realmente necessário? Quero dizer, palavrões?

– Pelo amor de Deus, Saf, estamos em 2017.

– Hum.

– Bem, e aí? Você vem? Não poderei estar presente e alguém que amo precisa estar lá para me contar tudo depois.

– Você está me pedindo para largar minha vida, parcelar uma passagem internacional no cartão, atravessar o oceano e cometer crime de falsidade ideológica?

– Sim, acho que sim.

– Pego o próximo avião.

(continua no próximo domingo)

Ó abelha rainha faz de mim um instrumento do teu prazer!

 Por Maycon Benedito*, Biscate Convidado

Quem me fez soube me fazer eu sou feita do fogo e do azeite de dendê
ponto de pomba-gira

Escrevo esse texto para dizer apenas uma coisa: adoro ser desejado. É isso. A mensagem é essa. Todo o restante do que irei escrever é um retorno a essa afirmação primeira. Gosto quando demonstram tesão por mim, quando querem me pegar, quando me olham com cara de safado, quando ando sem camisa na rua e me olham com aquele cara de quem quer me ver sem a bermuda.

                              ——————————————————————

Lembro da primeira vez que eu fiquei com um cara que eu estava de olho fazia já um tempo, quando fiquei pelado ele me olhou e disse “nossa” e adorei.  Outro dia no aplicativo um cara escreveu “Perola negra. Nossa! Que rei!” e ri e fiquei todo aceso. Adoro quando sentem desejo por mim. Gosto quando chupo um cara e ele se contorce inteiro, quando geme puxando os lençóis louco de tesão. Quando pede mais: mais beijo, mais chupada, mais pau.  Me achar um gostoso, um negão de tirar o chapéu não me ofende, não me diminui. Sabe aquela frase do Paul Valéry “o mais profundo é a pele”? Então, para mim é bem isso. O que vem primeiro é a pele, o olhar, o cheiro, o corpo. Se vai ser só uma noite ou se vai dar  em namoro descubro mais tarde, depois. Primeiro vem o tesão, o prazer, o desejo. Vivo dizendo paras pessoas que sexo é diversão, é prazer, é encontro, é vida. Se não for, pode ser qualquer coisa, menos sexo.

Mais do que um narcisismo descarado o que quero dizer é que gosto de sexo, que ele não me ofende, que se aproximar de mim querendo só sexo – como se fosse necessariamente ruim – não me diminui, não me agride. Essa fala poderia cair facilmente na armadilha racista do negro hipersexualizado, mas não se trata disso. Essa questão não está comigo, está com o outro. Se o outro acha que eu sirvo apenas para sexo, ou pior, se o entendimento do outro é de que sexo é só “isso”, se me vê apenas como um fetiche vazio, se ele olha para o mundo e vê negros como seres que servem unicamente para esse sexo tão limitado, como algo descartável, é um problema sexual dele, não meu. É uma pena que por conta do racismo alguém encare as coisas dessa forma. É ele que reduz as possibilidades da vida. A moral sexual racista define que negros e negras servem apenas para sexo. Apenas para isso. E aí é que está o pulo do gato: essa moral reduz o sexo. Tira dele toda a potência, toda a força, toda a alegria, toda a proximidade, toda a abertura para a vida que o encontro sexual pode possibilitar. E aí sim, quando achatamos a vida, quando fechamos qualquer contato com a diferença, quando limitamos o que as pessoas podem criar, inventar, viver, aí é que elas são objetificadas, limitadas, separadas do que elas nem sabem que podem. E isso eu não quero, não aceito. Eu quero mais. Eu quero é mel.

maycon*Maycon Benedito é da “província litorânea” de Santos e diz que se mostra como é e vai sendo como pode. Atende no guichê tuíter pela arroba @MayconBenedito.

 

Um Final Tranquilo

Por Mariana Varella, Biscate Convidada

Uma amiga terminou um relacionamento afetivo meio casual que já durava um tempo. Perguntei: “O que houve?”

Com a maior calma do mundo, ela me respondeu: “Eu me apaixonei por ele e ele queria outra coisa, então decidi que era melhor me afastar. Tô triste, mas tô bem”.

Uau! Nenhuma frase questionando seu valor, nenhuma tentativa de justificar a falta de envolvimento dele, zero manifestação de vontade de mudar o cara ou a situação.

Fiquei pensando no motivo da minha supresa. Não precisei ir longe: mulheres aprendem a avaliar seu valor com base na atenção e nos olhares masculinos que despertam ou deixam de despertar.

Somos criadas para sermos maternais, bondosas e compreensivas com homens que presumidamente não sabem externar sentimentos e precisam de acolhimento, a insistir e não desistir dos relacionamentos (não apenas amorosos, diga-se), por mais capengas que estejam.

Assim, uma suposta rejeição não é apenas dolorida, é sinal de que fizemos algo errado, de que não fomos ou somos boas o suficiente (não à toa, há quem saiba explorar isso com maestria).

Ver uma mulher incrível viver um término de relacionamento com tristeza, mas sem duvidar de si, colocando limites e compreendendo que tem relação que não rola e que não há motivos para romantizar desamor nem para valorizar a persistência que só serve para abalar a autoestima é maravilhoso. E, acreditem, era coisa rara até bem pouco tempo atrás.Fico muito contente em notar que cada vez mais mulheres estão compreendendo que tem hora que é preciso bancar a Elsa de “Frozen” e mandar um “Let it go”.

Assim, sem grandes implicações.

FotoMarianaMariana é formada em Ciências Sociais. Trabalha como jornalista da área de saúde, com foco em saúde da mulher. Editora do site Drauzio Varella e escritora do blog Chorumelas, é ativista feminista.

Cigana

Beija-me os olhos, meu amor. Faz-me adormecer. Meu corpo, saciado de teu corpo, encanta-se no perfume da tua presença. Beija-me as pernas, abertas para a vida que vem. Lambe-me, enquanto desfruto. Meus medos caídos das árvores que plantei no jardim de outrora. Maduros. Mastigo-os no furor da língua. Felpudos, carne entre os dentes. Líquido escorrendo por entre os dedos. Degusto cada pedaço, semente, germino. Estou pronta.

Beija-me a boca. Devagar, por cada sentença não dita. Coloca a língua leve, a me penetrar os lábios. Toma-me. Escorre água pelo meus seios, suor pelas minhas entranhas. Percorre meus pelos, sussurra-me aos ouvidos gemidos trêmulos de nós. Derrama-me. Faz colo nos meus ombros nus. Cola teus quadris nos meus, femininos, textura, gosto. Gosto. Encaixa-me em ti, vermelha, ardendo, presente em cada toque que se faz novelo. Deito-me inteira nas tuas mãos abertas. Contorna meu sexo pungente pela tua saliva. Morde-me. Minhas costas eretas a espera do teu arrepio.

Ecoa, é madrugada, a lua banha nossos corpos estirados de espanto. Despe-me, a alma que guardo nas entrelinhas. Aguça-me a poesia. Desagua teu gozo em mim, e tanto, torpor. Enamora-me, mais, à espreita dos grandes saltos. Salto. Cachoeira, rio cheio, corredeira. Lagoa calma depois da chuva. Mergulho, escuro, profundo, revelação muda de um lugar que ainda vem.

Penetra-me, de novo, cigana. Sou tua.

 A imagem pode conter: nuvem, céu, oceano, atividades ao ar livre, água e natureza

O Estado e a vida das mulheres

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Postei isso achando graça. Poliamor e sensualidade subversiva? Tá lindo! Anarcos de grande inteligência? Cheguem mais. Mas fiz a ressalva: não seguirei a recomendação sobre a descriminalização do aborto. Esta defendo todo dia. Com tristeza, com tenacidade. Há tanto tempo que a gente já poderia ter conseguido isso. Portugal, país católico, descriminalizou o aborto por referendo em 2007. Lá, a interrupção voluntária da gravidez é permitida até a décima semana, independente do motivo.  Desde então, os resultados são notáveis: de 2012 até 2016, nenhuma mulher morreu em decorrência de aborto. O número de abortos também caiu, como se pode ver neste texto aqui.

Portugal legalizou o aborto tarde – na França, a legalização ocorreu em 1975, há mais de 40 anos. Na Inglaterra, Escócia e País de Gales, antes ainda,  em 1967.

Mas o primeiro país em que se legalizou o aborto foi a União Soviética, em 1920. Segundo a wikipedia, “[p]ela lei soviética, os abortos seriam gratuitos e sem restrições para qualquer mulher que estivesse em seu primeiro trimestre de gravidez.”

Possibilidade de interrupção da gravidez. E, com isso, preservação da vida das mulheres. Da dignidade das mulheres. Dos direitos iguais das mulheres.

Parece evidente, para mim, como já disse em outro texto, que a outra ponta desta questão consiste no apoio do Estado à criação dos filhos, com creches e escolas gratuitas integrais e de qualidade, com saúde pública universal, com a possibilidade de flexibilização de horários no trabalho para mães e pais. Estas duas pontas não se opõem, mas se complementam no reforço aos direitos das mulheres. De ter filhos, quando querem tê-los; de não tê-los, quando não for o caso.

De novo, a URSS foi pioneira e implementou uma política de construção de creches públicas: “De 14 creches com número de vagas desconhecido, antes de 1917, a Rússia passou a ter mais de 365 mil vagas em 1932 nas cidades” (aqui). Com foco no direito das mulheres, aborto legalizado e creches públicas passavam a constituir partes integrantes da política de Estado para as mulheres.

Um século depois, o Brasil ainda patina e retrocede: a ofensiva religiosa e reacionária busca destruir até o direito já adquirido de abortar em caso de estupro, anencefalia do feto ou de risco de vida para a gestante. Todos os outros casos são considerados “crimes contra a vida”.

O que já era um direito limitadíssimo, que não atendia às mulheres, periga se transformar em direito nenhum, já que a PEC 181, que originalmente tratava da extensão do direito à licença-maternidade para mães de prematuros, foi alterada de forma a incluir no texto os termos “dignidade da pessoa humana desde a concepção” e “inviolabilidade do direito à vida desde a concepção“. Ou seja, como no famigerado “Estatuto do Nascituro”, busca-se, através de uma gambiarra, igualar os direitos de um feto em formação aos direitos da mulher viva que o carrega em seu ventre. Um escândalo, um absurdo, algo que faz da mulher grávida uma incubadora sem vida própria e autônoma.

Enquanto isso, as mulheres continuam morrendo.  

O último Rembrandt #1

Hoje, o Biscate tem o prazer de apresentar o primeiro capítulo de um folhetim que será publicado aos domingos. Deleitem-se!

O último Rembrandt

por Maurin Smith (tradução de Isadora Leal)

  1. Meninas boas vão para o céu.
    Meninas más vão a leilões.

 Nova Iorque, 22 de abril de 2017

17h33

O pau dele era delicioso. Certo, ele beijava bem e tinha uma voz rouca, e olhos feitos de tons e sobretons de mais e mais azul, e era gentil e nem tão gentil assim. Ele era careca e um tantinho mais baixo do que ela, muito forte – seu peito era uma vastidão coberta de pelos grisalhos, seus braços e mãos cobertos de veias aparentes e cada centímetro da pele dele pareceu queimar a dela. Mas nada se comparava ao pau dele. Nas mãos dela. E em sua boca. E dentro dela. O rosto dele aninhado em sua nuca e o pau dele dentro dela. E se isso não era feminista o suficiente, que se foda, pensou sorrindo e se ajeitando no banco de trás do táxi.

O que ela estava sentindo era tesão. De novo. Como se não tivesse acabado de sair da cama daquele homem. Como se ele não tivesse acabado de sair de dentro dela. Como se ela tivesse tempo para isso. Suspirou. Com o leilão mais importante do ano começando em vinte minutos, quem tinha tempo para tesão, meu Deus?

Não era o primeiro estranho com quem ia para a cama, mas não conseguia se lembrar de uma trepada tão… O quê? Perfeita? Maravilhosa? Qual dos clichês estúpidos da pior literatura descreveriam o que tinha acabado de experimentar? Bom, foda-se de novo. Tinha sido uma tarde incrível. Uma tarde impossível de esquecer.

No mesmo instante em que fecharam a porta do quarto do hotel e ele a puxara contra seu peito, ela soube. O cheiro dele era fresco, tinha alguma coisa de limão, e ele beijou seus cabelos e ficou ali, alguns segundos com ela nos braços, imóvel, à espera de que suas respirações se sincronizassem.

Quando ela ergueu o rosto, o estranho agarrou seu rosto e mergulhou a língua dentro de sua boca. Nenhuma hesitação. Sem perguntas, sem explicações inúteis. Nada de sou casado, nunca fiz isso, meu Deus, que loucura, espere como é seu nome? Nenhum nome. Tudo bem, dois nomes, em algum momento daquela loucura, dois nomes. Andrew. Carla.

Eles se beijaram até que ela se ficasse zonza, as mãos dele em suas costas, em sua bunda, as mãos dele em todas as partes, arrancando sua saia e sua blusa, as mãos dele desesperadas no fecho do sutiã.

Ela riu e se afastou. Às vezes lhe parecia que os homens faziam aquilo de propósito, fingir que se atrapalhavam com o sutiã numa espécie de alívio cômico, de pausa, vamos respirar um bocadinho antes de seguirmos com esse desvario, mas se fosse um teatro, era bem bonitinho. Colocando as mãos nas costas, ela abriu o sutiã e ele a olhou, maravilhado. Aquilo não era fingimento. Eram os seios de uma mulher de quase cinquenta anos, mas o estranho pareceu mesmo gostar do que via. E quando ele os tocou e mordiscou e sugou cada um de seus mamilos, ela soube que sim, ele realmente gostara deles.

Quando ele ergueu a cabeça para beijá-la de novo, ela tentou, desajeitada, desabotoar a camisa dele. Gemeu frustrada, botões demais, botões demais, mas quando ele afastou as mãos dela para arrancar a camisa, ela choramingou alto e ele riu.

Alguém buzinou e xingou em idioma não identificado quando finalmente estacionaram em frente à casa de leilões e isso a fez pular de susto.

Jesus, mulher, trate de se recompor.

Por melhor que tivesse sido a trepada, não era para ficar com a calcinha molhada dentro de um táxi que ela estava em Nova Iorque.

 Estava lá para o leilão do ano, da década, do século, o mais importante leilão da história da arte, do espaço sideral. O leilão dos leilões.

Carla Nucci tinha cruzado um oceano só para estar ali. Só para estar mesma sala do que aquela tela, ainda que por poucas horas.

O último Rembrandt.

(continua no próximo domingo)

 

Não é sobre a mais recente treta da internet

“…e eu não tinha, a exemplo dos hipócritas, uma cara autêntica e outras falsas.
Tinha muitas caras porque era moço e porque eu mesmo não sabia
quem era e quem queria ser “.
(Milan Kundera, em A brincadeira)

É muito complicado definir o que o feminismo é ou não é. Como movimento social. Como significado individual. Como luta política. Como marco cultural. Nem vou tentar. Eu me disse feminista em 2010. De lá pra cá vi o alcance deste termo chegando em lugares e pessoas que eu não via antes (podia estar lá e ser cegueira minha, claro). E isso, penso, veio com (e trouxe) vários avanços. Um sensor mais atilado para as manifestações do machismo no nível macro e micro, por exemplo. A compreensão de que o individual é político.

Porém, ah, porém, essa última assertiva parece-me que vem sendo um tanto mal interpretada. Muita gente tem se dado o direito de se imiscuir na vida privada de outrens e, bem abancados ali, fazer julgamentos de base moral como se fossem crítica social. Criticar um moço porque ele é galinha é apenas moralista. Criticar um moço porque come mulheres e não dá notícia é apenas moralista. Criticar um moço porque parece legal, fala coisas afins com o feminismo e come muitas mulheres e some depois é apenas moralista.

Eu não estou querendo dizer que há pautas mais importantes. Estou dizendo que responsabilidade afetiva ou sei lá qual é o nome que chamam não deveria ser pauta. Somos seres de cultura. Somos seres de desejo. Somos sujeitos do inconsciente. E somos, homens e mulheres adultos, adultos. Ativos. Autônomos. Não se apoia, não se sustenta, não se valida a emancipação de uma mulher insistindo em uma infantilização afetiva. O desejo tem caráter social, mas não voluntário. Entender esta nuance é importante:

O desejo é subversivo. O desejo escapa. O desejo irrompe. A ideia de que se possa definir, a priori, que relações devem existir, como o desejo deve operar, é ingênua. Ou moralista, caso se aceite que o desejo exista mas que se deve reprimi-lo. Devemos ser responsáveis pelo nosso desejo. Essa frase é de uma ambiguidade linda: indica que respondemos por ele mas também implica que é de nossa alçada e de mais ninguém cuidar desse desejo. Inclusive de suas parciais satisfações. (texto, todo, aqui)

Um relacionamento não é abusivo porque outra pessoa nos passou um queixo fingindo (ou sentindo) interesse, trepou e depois se desinteressou. Um relacionamento é abusivo quando se usa um poder socialmente legitimado (seja ele financeiro, de gênero, de classe) para limitar a existência, a experiência e a possibilidade de outra pessoa. Eita, mas se a pesosa for escrota no relacionamento? Foi escrota. A gente se magoa e/ou fica puta e/ou ignora mas a gente sentir tudo isso ou uma dessas coisas não faz da outra pessoa um abusador nem do relacionamento um relacionamento abusivo. Do cara mentir pra trepar a mudar de idéia em relação ao que queria do vínculo há um mundão de coisas e nenhuma delas é abuso.

Mulheres e homens somos seres de falta e vamos nos foder nos relacionamentos. Isso não significa que está ok a pessoa mentir. Que está ok a pessoa sair correndo depois da trepada porque “acha que a outra pessoa vai se apegar”. Não está ok atropelar os sentimentos alheios. Vamos ser pessoas melhores, desenhar relacionamentos melhores, criar pessoas melhores, fazer filmes e canções com narrativas melhores sobre vínculos, etc. Vamos fazer do mundo um lugar melhor. Não porque seja machismo magoar a outra pessoa. Porque é legal, gostoso, sensual, delícia, confortável. E, mesmo assim, mesmo no mundo de pessoas gente fina, vai ter gente querendo, gente magoada, gente sozinha, gente ansiando, gente ignorando. Enquanto formos seres de desejo inconsciente, vai ser sempre foda.

Alguém vai ler e achar que estou dando biscoito, passando pano, etc. Ignoro, feliz, especialmente porque aposto que vão usar o termo “macho” na lacração – coisa que me faz desistir, de princípio, da interlocução. Eu vou continuar aqui, com bandeiras antigas,  incluindo aquela de que mulheres são gente, também. Para o bem, para o mal e para a dor de cotovelo.

Carta para Alice

Por Alexey Dodsworth, Biscate Convidado

Alice,

Você não lerá esta carta, mas os outros a lerão por você. Faz sentido, veja só: a partir de hoje, seu pequeno corpo se espalha pelo mundo, e viaja mais do que eu jamais viajei. Deste modo, apesar de a carta ser dirigida ao seu nome, os outros a lerão. No momento em que a escrevo, o processo de devolução de seu corpo ao mundo já começou, e a matéria que lhe compõe gradualmente volta a ser parte de todas as coisas, então faz sentido que os outros leiam o que é seu. Tem gente que não gosta disso, a gente cresce e é treinado a não gostar, mas é um lance muito mágico: a devolução começa pela terra, espalha-se pelo ar, até que um pouco de você estará nas coisas mais insólitas. De um jeito que a gente olha e pensa: será que tem uma molécula sua naquela planta? Átomos espalhados por um monte de pássaros?

Ninguém jamais saberá onde, e isso não tem a menor importância.

A vida é um sequestro temporário, Alice. A gente sequestra o carbono, o nitrogênio, o hidrogênio, o oxigênio, o fósforo, o enxofre e traços de outras coisas. Nossa constituição não é muito diferente da de um cometa, inclusive mais ou menos na mesma proporção, sabia? A diferença é que nós somos mais ricos: temos o fósforo. Será que é isso que acende a chama da vida? Eu não faço ideia, na verdade ninguém faz, mas a gente gosta de fantasiar que sabe tudo.

[…e escrevemos enciclopédias, criamos religiões, fazemos até guerras por causa disso. A gente é muito criativo – para o bem e para o mal.]

Daí que, um dia, todo mundo tem que se espalhar por aí de novo. E o que a gente era vira um sendo, o presente do indicativo se converte em gerúndio, e – olha só a mágica – a vida se refaz em novas formas. Só sofre quem não consegue enxergar a beleza da mutação. Mas, com o tempo, a maioria de nós aprende a ver.

Veja que coisa, menina: meses atrás, eu entrei em uma loja em Salvador, e comprei o vestido mais bonito que eu vi [eu tenho um gosto meio clássico para vestidos, não repare], pensando que você o usaria em seu aniversário de um ano. Você nunca vai fazer um ano, mas hoje seu pai me disse que você o usará no dia do seu espalhamento. Gostei disso. Nunca que sobrinha minha vai entrar desarrumada no grande salão de festas da Terra, que é o coração de todas as coisas.

E eu imagino você linda 🙂

Um beijo. Espalhe-se. Arrase.

10429277_10153033445359913_2025333463143611136_n

Alexey Dodsworth Magnavita é doutorando em Filosofia Política e Ética pela USP, pesquisador do Instituto de Estudos Avançados da USP, escritor e tem mania de ganhar concursos de culinária na Itália fazendo comida baiana com ingredientes locais. É um biscateiro da vida

E os namoradinhos?

Por Henrique Marques Samyn, Biscate Convidado

Havendo uma reunião familiar, e havendo nela uma mulher solteira, é provável que surja a pergunta: e os namorados? O motivo da reunião é o menos importante, festejos natalinos, aniversários, bodas de qualquer coisa; fato é que, estando presente alguma mulher que possa ser submetida ao inquérito, em algum momento emergirá a indagação – “e os namorados?” (ou alguma de suas variantes) –, seguida de uma série de outras perguntas, com o propósito de perscrutar a vida íntima da interrogada.  De tão comum, parece normalizado. Questionemos, todavia, o que subjaz à perquirição: por que insistimos em submeter as mulheres solteiras a esse constrangimento?

namoradinhos

Porque a gente insiste que a mulher só pode estar realmente bem se tem um homem ao seu lado. Que mulher poderia ser feliz errando pelo mundo, solitária, sem um homem pra chamar de seu? Mulher – apenas por ser mulher – precisaria de um “dono”: aquele que cuidará dela, a figura protetora responsável por dar um sentido à sua vida (mulher respeitável é a “mulher de”). Na infância e na adolescência, incentiva-se a busca pelo “príncipe encantado”; se esse não aparecer, que haja um plebeu qualquer que possa ocupar o posto – o fundamental é que o homem exista para que a mulher possa ao menos exibir para a sociedade sua vitória na luta para evitar o risco do “encalhe”: nesta lógica, é impossível ser feliz sozinha(ou em algum outro arranjo afetivo-sexual).

Porque a gente insiste que a mulher precisa dar satisfação de sua vida pessoal pra todo mundo: todos parece ter o direito de saber (e o direito de opinar) sobre sua afetividade. É bom que a mulher esteja com alguém – e, se ela está com alguém (alvíssaras!), quem é esse? Como se chama, como a trata, que idade tem, em que trabalha? Fique desde logo estabelecido que, para qualquer dessas questões, não há uma resposta certa: tudo o que disser a mulher poderá ensejar julgamentos e críticas da parte daqueles que, afinal, só querem o seu bem (ainda que suas crenças e princípios possam nada ter a ver com os valores daquela que está sendo interrogada). De todo modo, a vida afetiva da mulher está sempre assim, aberta a escrutínio. Se não há esse alguém, surge outro problema: como se pressupõe que toda mulher está sempre em busca do “príncipe encantado” (ou do plebeu que possa chamar de seu), isso pode sugerir que ela está empenhada nessa busca – e, se de fato o faz, o que está fazendo de seu corpo?

Porque a gente insiste que a vida sexual da mulher não é um assunto que diz respeito somente a ela: ela precisa saber que está sendo vigiada o tempo todo (e que, portanto, qualquer desvio terá consequências). Mulher que é mulher, por esse padrão, tem que se dar ao respeito: nada de “galinhar”, nada de “piranhar”, nada de “biscatear”; seu corpo e sua sexualidade são assuntos coletivos, como sabemos, e portanto todos – especialmente aqueles que, lembremos, querem apenas o seu bem – devem ter pleno conhecimento sobre sua rotina sexual: importa saber com quem ela transa, quanto ela transa e quando ela transa, a fim de que se possa aferir a quantas anda sua respeitabilidade. Que pode esperar da vida uma mulher “rodada”, que ousa desfrutar de sua sexualidade com aquela liberdade que está reservada exclusivamente aos homens? Com certeza vai perdendo pontos na corrida pelo “parceiro da vida inteira”.

Porque a gente insiste que a mulher não pode ter autonomia, nem pleno direito sobre si mesma. O julgamento e a vigilância constante sobre as mulheres são mantidos conforme parâmetros patriarcais perpetuados geração após geração e eventualmente punindo aquelas que têm a audácia de desafiá-los. Não podemos negar: há, sim, as que têm essa coragem. E ainda bem que as há.

henriqueHenrique Marques Samyn: Preto, professor, pró-feminista. Empenhado em fazer do mundo um lugar cada vez pior para o “cidadão de bem”

Que Seja Leve

desejo

As coisas leves deveriam permanecer assim. Pairando sobre nossos olhos. Sem culpa. Sem porém. Apenas, sendo. As coisas boas deveriam flutuar sobre nossas almas, inundar os sentidos, passear pelo corpo, transbordar pelos poros. Assim, deveriam grudar nas nossas pernas, ajudar na caminhada, dar sentido aos dias cinzas e as noites sem lua. Assim, sem mais. Sem muitas palavras para não tentar dar nome para o que não se chama . Para o que não se reduz. Para o que não temos resposta.

Prazer. Lábios abertos. Seu corpo no meu. Nossos gozos, nossos desejos, vermelhos. Mergulhos, cachoeira, água farta, força da natureza. Desvio dos caminhos traçados, oceano de nadar de braços abertos sem porto de chegada. Sem começo nem fim. Latência, pulso que ilumina a escuridão dos olhos  fechados. Assim, deveria. Sem medo dos temporais, confiando na leveza que só o desejo degustado com atenção e cuidado pode nos trazer para os dias que vem.
Confio.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...