Vês! Ninguém assistiu ao formidável

No último domingo, 28/09/2014, assistimos ao vivo, em cadeia nacional de TV o que talvez tenha sido a maior expressão de desrespeito pelo humano da nossa história recente. As declarações do candidato à presidência Levy Fidélix sobre a legalização definitiva do Casamento Homoafetivo deixou incrédulos atônitos, cépticos desconcertados e militantes destroçados. E foi “formidável”!

Pra quem não assistiu, o vídeo está aí, se forem capazes da ousadia de apertar o play.

Digo formidável por não encontrar palavra que melhor caiba ao assunto. Quase quimérico, fabuloso (no sentido de “saído de uma fábula”, embora alguns animais se recusassem a dizer aquelas palavras se pudessem falar), o espanto geral, dizem, derivou de ninguém ser capaz de reagir simultaneamente a tal discurso, não importa o motivo.

Porém, eu digo, isso aconteceu justamente pelo fato de não ser nossa praxe reagir ao “formidável”. Diariamente, a grande maioria da população LGBT* no nosso país ouve calada esse tipo de discurso envolto em risos, palmas e outras formas de aprovação e nós continuamos a não falar. Esse problema é nosso! Nós estamos convalidando a continuidade desse tipo de coisa.

by Bosh (via @perfunctorio)

by Bosh (via @perfunctorio)

Temos que dar a cara a tapa! Dizer que o “espanto” vem do fato que seria inimaginável um candidato à presidência, em pleno 2014, usar abertamente desse tipo de discurso é simplesmente negar o cotidiano e tentar dar uma aura de “especialidade” ao fato. NÃO! Não há nada de especial no discurso do Fidélix!

Esse discurso é o que ouvem diariamente jovens ao acordar em um família conservadora e que não os aceita. Esse discurso é o que ouvem pessoas que passaram a vida inteira reprimidas por suas religiões enquanto tentam manter sua crença, as vezes o único consolo, firme. Esse discurso é aquilo que se propaga diariamente nas piadas infames que vitimiza transexuais, lésbicas, bissexuais e homossexuais e que sai da boca de “pessoas de bem” e das próprias vítimas desses discursos, seja por homofobia, misoginia, falta de aceitação, medo (sim, porque o terror imposto por muitos armários provoca isso) ou simples costume.

Friso isso, pois não é pra causar espanto que esse tipo de discurso ganha força numa campanha à presidência da república. É para justificar atitudes! É pra justificar a falência de uma sociedade que tornou-se incapaz de entender e aceitar o outro. É para deslegitimar a luta cada vez mais esvaziada e inócua por cidadania do ser e não do ter.

E quando coloco isso como “nosso” problema, não estou falando da militância. É nosso problema como sociedade! Pois é formidável como, com isso, o que perdemos não tenha sido apenas o senso de democracia, a noção de igualdade ou qualquer mostra de alteridade.

O discurso do candidato à presidência da república Levi Fidélix é a prova da nossa anulação como seres humanos, como humanidade.

E deixo em destaque essa frase pra chamar a atenção para o que talvez não seja tão óbvio: o primeiro passo para o extermínio é a desumanização. Coisificar o ser humano, suas vontades, seus anseios e suas lutas, já disse Hannah Arendt, é o primeiro passo pra justificar sua desnecessidade e sua possibilidade de inexistência. E disso a nossa sociedade já pode se gabar. Demos o primeiro passo ao formidável, ao enterro da nossa última quimera, à ilusão de que éramos uma sociedade capaz.

+ Sobre o assunto:

[+] Vandalize o discurso de ódio nas eleições! (escrito em parceria com a coordenação do Blogueiras Feministas)

[+] A homofobia de Levy Fidelix doeu tanto quanto o silêncio dos candidatos

O Sexo e as Negas: queremos só representação?

Por Bianca Cardoso*, bisca convidada e participação especial de Iara Paiva

Adoro novelas. Adoro mais ainda a dramaturgia televisiva brasileira, com seus tipos rurais românticos, ricos que dão banana para o Brasil, pobres que encontram uma bolada em dinheiro, mocinhas e vilãs com suas vidas cruzadas por vinganças, entre outros clichês. Porém, desde que comecei a me preocupar com as desigualdades sociais no Brasil, busco observar como a produção televisiva mostra as minorias e, especialmente como reflete o embranquecimento forçado de nossa sociedade. Em pleno 2014, ainda é difícil ver protagonistas negras e negros em telenovelas, por exemplo.

Portanto, ao ouvir falar pela primeira vez num projeto de seriado com quatro mulheres negras protagonistas, aos moldes do americano Sex And The City, tive alguma esperança. Porém, o título “O Sexo e as Negas” logo fez esse sentimento ruir.

Há muitas pessoas no Brasil que utilizam as expressões “nega” e “nego” de maneira carinhosa, para se referir as pessoas que amam com intimidade. Porém, isso não acontece em todos os estados e, num país com dimensões continentais como o Brasil, acho que essa deve ser uma preocupação de um programa que será exibido em rede nacional. Além disso, há uma referência a expressão “não sou tuas negas”, herança do nosso passado escravocrata tão presente nas vidas de tantas pessoas negras em nosso país. Ao dizer “não sou tuas negas” afirmo que não são sou como suas escravas, com as quais você pode fazer o que bem quiser, o que inclui molestar, ofender e até mesmo abusar. Por isso, mesmo que o novo seriado da Rede Globo fosse ótimo, isso não exclui o fato do título ser extremamente racista.

É óbvio que as pessoas virão jogar a carta do moralismo: mas qual o problema com o sexo? As negras não podem ser biscates?

Meu querido e minha querida, as negras podem tudo! A questão é que num país em que mulheres negras tem mais chances de serem estupradas é preciso repensar, criticar e debater como a imagem da mulher negra é representada na mídia e quais as consequências sociais disso. Não se pode esquecer que, na nossa cultura, as mulheres negras são hipersexualizadas. Porque o problema é esse. Óbvio que elas podem ter sexualidade, é óbvio que podem trepar. Mas em um país em que elas são mais estupradas, mais prostituídas por falta de opção, em que seus corpos são usados pra vender de tudo, quem pode falar e ganhar dinheiro com a sexualidade delas deveria ser apenas elas mesmas. Você sabia, por exemplo, que as mulheres negras recebem menos anestesia em procedimentos hospitalares como partos? Isso ocorre porque existe o mito de que a mulher negra é forte, aguenta tudo. As mulatas tão exaltadas, que tem a origem do termo na palavra “mula”. Por isso, não posso dizer que me surpreendi ao ver que numa das primeiras cenas do primeiro episódio de “O Sexo e as Negas”, um vendedor de carros negro ao ser questionado pelas protagonistas se há algum carro no valor que podem pagar responde: “Por esse preço podem levar um burro, mas a carroça fica por conta de vocês”.

10553863_834283313262240_7660767801524760664_o

Há pontos positivos no seriado, como o fato de todas usarem cabelos afro com diferentes estilos e os números musicais do final que remetem a grandes estrelas da música negra americana como The Supremes. Também é fato que existem mulheres negras como Zulma, Lia, Tilde e Soraia. Porém, as quatro não avançam na representação das mulheres negras na televisão, porque repetem os mesmos estereótipos: carreiras profissionais subalternas a pessoas brancas, o objetivo final da vida é conquistar um homem, se precisam de dinheiro tem que recorrer a ações que são crime, sempre dispostas a fazer sexo sem importar o local e a presentear o homem que lhe faz um favor com sexo, entre outros.

Recentemente, em “Cheias de Charme” (2012), Taís Araújo fez o papel de uma empregada doméstica que tornava-se uma estrela da música. Parecia ser uma nova representação da mulher negra, justamente exorcizando o papel da eterna empregada doméstica. Porém, não foi o que vimos acontecer. Atualmente, na novela Boogie Oogie (2014) que se passa no fim dos anos 70, a atriz Zezé Motta faz o papel de uma empregada doméstica. Por mais que se alegue que na época, uma mulher negra com mais de 60 anos provavelmente seria doméstica, são autores quem escrevem as novelas e eles são livres para criar personagens. Fico arrasada ao constatar que uma atriz do porte de Zezé Motta, com tantos trabalhos pioneiros e revolucionários, ainda seja escalada para fazer o papel da empregada doméstica subalterna. Ela poderia ser uma profissional que ascendeu em uma empresa, uma cantora na discoteca que dá nome a novela, uma mulher casada com um homem rico que enfrenta o racismo em diferentes esferas. Ela poderia ser muitas coisas, mas preferem mais uma vez retratar a mulher negra como a empregada doméstica. É esse o lugar destinado a mulher negra na cultura das telenovelas.

 Então, quando criticamos o seriado “O Sexo e as Negas” e falamos com todas as letras que trata-se de um homem branco escrevendo sobre mulheres negras, não estamos dizendo que Miguel Falabella é o anti-cristo racista e que deve ser preso. Estamos dizendo que mais uma vez os estereótipos estão se repetindo, num veículo que ainda é o maior meio de comunicação do pais. E o retrato da mulher negra na televisão tem consequências nas vidas das mulheres negras da não-ficção cotidiana.

Outra pergunta que me faço é: quem assiste a esse seriado? Porque sendo exibido às 23h, imagino que as mulheres negras trabalhadoras das comunidades não terão muito tempo para assistí-lo já que precisam acordar cedo para pegar o transporte coletivo e continuarem suas jornadas triplas e quádruplas. Então, no fim, será um seriado para a classe média rir dos estereótipos das mulheres negras?

A Rede Globo até tem investido em programas com a presença ou elenco formado por pessoas negras. O “Esquenta” de Regina Casé e seriados recentes como “Suburbia”, mas a representação das pessoas negras no geral é a mesma: estão sempre felizes, mostrando que na vida o que importa é alegria. Também estão sempre ligados a música, carnaval e a imagem romantizada do pobre brasileiro. Essa representação estereotipada acaba tornando-se vazia ao não trazer uma representatividade ou uma identidade que não seja apresentada como algo exótico pelas pessoas brancas.

A boa notícia é que hoje as mulheres negras tem voz e isso incomoda muito, porque significa que novos espaços serão conquistados por elas, elas não vão esperar por convite. Por isso, convido você a acompanhar o projeto #AsNegaReal das Blogueiras Negras que pretende apontar e debater o racismo presente nesse novo programa.

Mais sobre o assunto: As Faces da Representatividade e 10 Motivos Óbvios pra Não Ver “O Sexo e As Negas”

10478212_885847744762498_1294414712196997681_n*Bianca Cardoso, feminista e ladra de namorados alheios no horário comercial. Nos intervalos é autora do Groselha News, moderadora e autora do Blogueiras Feministas.

Amores muito possíveis

As personagens masculinas e femininas não fogem muito dos conflitos básicos de desenvolvimento da trama: amor/paixão, família, dinheiro/ambição. Se o gênero do personagem for masculino ou feminino isso terá diferença fundamental nos principais conflitos a serem desenvolvidos isso porque em geral se o personagem for homem o principal problema será dinheiro/poder, depois virá o conflito  amoroso e talvez junto o conflito familiar. Se for mulher o principal conflito passa a se dar no campo amoroso, podendo ser no amor familiar ou no amor com o parceiro, depois poderá haver, ou não um conflito envolvendo poder (no trabalho, empresas da família, etc). Afinal os grandes dramas da humanidade são mesmo amor, família e dinheiro, né?

E daí temos uma personagem feminina com um drama amoroso e familiar sendo muito bem defendida pela Suzy Rêgo (que a internet toda já brincou que pode fazer um filme sobre a vida da Dilma). Acontece que acham inverossímil a forma como a personagem defende o marido e aceita o relacionamento extraconjugal dele e consequentemente a sua bissexualidade. O texto, e a interwebs, só faltou chamá-la de corna mansa.

bia

Eu noto uma tremenda confusão sobre bissexualidade e homossexualidade e relações não monogâmicas. Mas boa parte da culpa disso é do texto que não deixa claro o tipo de relação que Claudio e Beatriz tem e a falta de um núcleo próprio para Beatriz que seja extra-família. Um núcleo com trabalho, amigas, algo para que ela pudesse viver que não orbitando em torno do problema, mas… Beatriz trabalha com Cláudio… puxado.

Ademais o texto da novela  trata a bissexualidade como se fosse o casso de um homossexual enrustido, como se fala lá, quando na verdade o bissexual sente desejo e amor pelos dois sexos. Ademais não é impossível que alguém ame duas pessoas ao mesmo tempo. Isso acontece milhares de vezes todo dia por aí mas ninguém comenta nem o Tio Mark deixa postar esse status de relacionamento do feissy, e isso não tem nada a ver com baixa auto estima, são só as diferentes possibilidades de amar.  A repressão social não deixa que se comente os diferentes tipos de relacionamentos abertos (cada um tem o seu ponto de equilíbrio) mas isso não quer dizer que eles não existem e que as pessoas não são felizes, tem libido e auto estima elevadas.

beatriz-e-claudio

Sendo assim reduzir a personagem da Suzy Rêgo de uma mulher que ama o seu marido, vive feliz com ele, é equilibrada (e por isso passou a ser chamada de chata, notem que todas as pessoas equilibradas são chatas) a uma dona de casa desesperada para manter o marido e sem amor próprio é muito pouco. Torço pelo triângulo amoroso e espero conferir mais na novela, mas novelista é igual juiz, nunca saberemos o que  virá.

O rebuceteio exala sexo

E O Rebu começou quente, edição cinematográfica, cortes rápidos, fotografia caprichada (cargo de Walter Carvalho, responsável por Madame Satã e Lavoura Arcaica, entre outros).  É remake de uma novela de Bráulio Pedroso, considerada inovadora em sua época pela narrativa em três tempos já que tudo se passa numa noite, o crime acontecido numa festa, no dia seguinte a esse crime e na sua investigação, o que leva a fatos passados.

O título é uma referência à expressão criada por Ibrahim Sued, famoso colunista social, para “rebuceteio”, que significa aglomerado de mulheres bonitas ou confusão.  Por exemplo, esse blog é um rebuceteio. 🙂

foto: GShow

Angela, personagem de Patricia Pillar

A estética de O Rebu me lembra muito Walter Hugo Khoury, cineasta brasileiro que gostava de sexo nas classes altas. Tudo muito sacana e muito chique, claro, pobre sacana nunca é chique, é no máximo engraçado. A série respira sexo. Até agora não sei quem pega quem, acho que todo mundo pega todo mundo, na verdade. Patrícia Pillar está linda, divina, um olhar matador, inclusive acho que ela está também querendo me pegar toda vez que ela olha pra tela da tevê. A mulher está exalando sensualidade.

foto: GShow

Duda (Sophie Charlotte) dança para Antonio Gonzalez (Michel Noher) durante a festa

Tem gente que tem dúvidas sobre a relação de Patrícia e de Sophie Charlotte que faz sua filha adotiva na série. Olha, não é a gente que tá maldando a coisa, é a série que tá exalando sensualidade pelos pixels da tevê. Juro. Acho que é só carinho de mãe e filha mesmo (ou não, sei lá, todo mundo nesse jogo aí guarda mil segredos loucos, não boto nem meu mindinho no fogo).

Jesuíta Barbosa, um dos garotos sex appeal do momento está na série, é gato, e ótimo ator, e essa semana nos brindou com uma linda cena de ménage com ninguém menos que Camila Morgado que faz uma socialite muito doida e inconsequente.

O sexo na série não é reprimido, as mulheres são sexualmente livres (como todas nós deveríamos ser, né?), mas acho que isso se deve ao ambiente social da série, a classe média alta. O único momento mais repressor veio da policial, interpretada por Dira Paes, membro da classe média baixa, como deixou clara a ambientação da cena da casa da personagem. Também não há por parte do público reclamação quanto ao conteúdo sexual explícito da série nem ao comportamento de homem, e em especial, das mulheres mas acho que devido a baixa audiência e ao horário da série (depois das 23 horas).

O fato é que um sexo livre e bacana na tevê parece ser ainda um privilégio da elite branca numa estética bem glamourizada.  Quanto ao resto da série perdeu um pouco de ritmo, vamos ver se com as investigações engrenando as coisas fiquem tão boas quanto a trilha sonora.

Clarina e a família brasileira

E lá se foi a  novela mais chata dos últimos tempos. Ok, na verdade, a novela mais chata e ponto. Ganhou de lavada de todas. Até a última semana foi morna, até o último capítulo, zero surpresa, zero reviravolta, zero emoção digna de nota.

Tento avaliar o aspecto que poderia ser mais positivo: levar ao público a visão positiva de um casal lésbico, mas pela forma que a trama foi conduzida nem isso conseguiu. Talvez se Maneco tivesse optado por outras soluções dramáticas e tivesse um mínimo de coragem as coisas fossem diferentes.

Os questionamentos mais frequentes se referem ao Cadu, personagem de Reinaldo Gianechinni, um cara reconhecidamente gato. A pergunta de sempre: que mulher largaria um gato daqueles por outra mulher? Vamos lá pra FAQ lésbica da vida real.  A sexualidade humana não é um negócio assim fechadinho, sabe? As pessoas que se permitem experimentar muitas vezes se descobrem bissexuais, gostam de pessoas dos dois sexos e isso pode ocorrer em diferentes momentos da vida. Ademais, casamento acaba simplesmente porque acaba. Vários são os motivos, viram irmãos na mesma casa, vários conflitos de personalidade, tédio e são tantas coisinhas miúdas… Mas ahhhh, a família… Olha, as pessoas se separam e os filhos sobrevivem. E bem, sabe? Assim na vida real como na novela, caso do garotinho Ivan. Tudo depende de como os pais levam a separação. Sobre o sexo lésbico temos aqui no Biscate mesmo um ótimo post, sim, é possível e ótimo um sexo sem pinto.

Cadu entre Clarina (foto do facebook da Giovanna Antonelli)

Cadu entre Clarina (foto do facebook da Giovanna Antonelli)

Mas quanto à novela, Cadu era uma cara que sonhava alto mas sempre metia os pés pelas mãos, era infantil, isso no começo da novela, era perfeitamente possível e aceitável que exatamente por isso o casamento tivesse acabado e estivessem juntos só pelo filho. Quantos casais vivem assim? Mas o público não aceitou que o fofo Giane fosse trocado, veio a doença do personagem e paf! Giane se tornou um cara maduro e bacana. Mágica de novela!  Daí ficou mais difícil ainda pro público careta, homofóbico, lesbofóbico, entender porque Clara deixou de amá-lo e amava uma mulher. Mas olha, juro que isso acontece na vida real, viu? Porque tem gente que ama pessoas, não gêneros. Simples assim. E amor começa, e acaba, e tem que ter tanto coragem pra começar quanto pra terminar e, sim, as crianças vivem muito bem se tudo isso for dito a elas ao invés de… e fomos felizes para sempre (o que na grande maioria dos casos é uma grande mentira). Aliás, essa cena foi muito bem resolvida na novela, Clara contando ao filho que iria casar.

Então, o grande público que detestava ver, de novo, um casal homossexual, aguentou porque não tinha nenhum toque explícito, só um selinho e agora leio comentários nos sites especializados em tevê sempre reclamando de uma suposta invasão homossexual nas novelas.

Por outro lado o casal foi queridíssimo por outra parcela do público que formou até fã-clube e shippou (juntou) as duas formando o casal #Clarina (Clara+Marina) torcendo pelo amor das duas, e subindo várias vezes a hashtag no twitter. Realmente, aleluia, o mundo mudou. Mas nem a emissora, nem o autor me pareceram dar muita bola pra fãs não, infelizmente, porque poderiam ter explorado muito mais o romance entre as duas. E digo por explorar terem mostrados cenas românticas mesmo e não sexuais (já que parece ser demais e não é para o horário).

Olha, e não é invasão gay, é o mundo real. Graças a muita luta, e muita dor nessa luta, as pessoas estão saindo dos armários e vivendo a vida que todos vivem, se abraçam, se beijam, se casam, vão ao mercado, criam filhos e a novela, como produto de sua época, só espelha isso. Então, seja bem vindo o novo casal gay, Zé Mayer e Klebber Toledo em Império e que tenham melhor sorte. Ao menos não se casarão com vestido igual e que se parece com o das discípulas de Inri Cristo…

As Inrizetes

as Inrizetes

Quem ama não bate

Sílvio Santos é um mito da tevê. Sílvio Santos despreza as regras da tevê quase sempre, faz e desfaz das grades de programação a seu bel-prazer e acerta e erra de forma mítica. Dá entrevistas onde se mostra um empresário cheio de ética, sua ética particular, e já foi candidato a presidente mas a gente deve sempre se lembrar que esse cara querido e simpaticão, no auge da ditadura, tinha o minuto do presidente na sua emissora para elogiar o militar presidente da vez e que, agora, em 2014, não foi capaz de dizer a Rachel Sheherazade que não promover censura é diferente de salvo-conduto para emitir opiniões ofensivas aos direitos humanos e dizer bobagens.

O SBT é seu reflexo, acerto e erros igualmente catastróficos, nada é embalado em busca da ética, embora possa parecer ser, somente na busca da audiência e nisso muitas vezes a responsabilidade social ou mesmo a jurídica se vão pela janela. O acerto nesses campos SBT sempre me parece aleatório ou a busca  obstinada de uma ou outra pessoa, não exatamente do ‘Seo Sílvio’.

E aí tivemos mais um “Casos de Família” com a Cristina Rocha e esse teve como tema “mulher que não gosta de apanhar, tem que se comportar”, e espancadores de mulheres tiveram seu palco para defender seu machismo sob aplausos talvez de boa parte da “família brasileira”, embora  a chamada do programa invoque a Lei Maria da Penha em defesa das mulheres.

Captura de tela de 2014-06-19 03:40:53

Isso me lembra o Jairo de “Em Família” que sempre solta pérolas machistas, é grosso  e mal-educado com a Juliana e ela suporta tudo por amor (personagens do Maneco sempre suportam tudo por amor). No entanto acho que Jairo é um personagem com um forte recorte de classe por parte do autor da novela com fortes traços de preconceito social demonstrado nessa oposição vida na comunidade X vida no Leblon (sendo o segundo sempre melhor e o outro mostrado de forma estereotipada e pior).

O traço em comum entre o personagem os personagens da novela e os participantes do programa como a vida real no SBT é que fica clara a cultura onde a  mulher deve sempre buscar ser feliz num relacionamento e que isso é tarefa dela, mesmo apanhando, a culpa é dela e ela deve ou obedecer ou evitar o conflito. E é isso que a que gente deve começar a desmitificar. Ser feliz não significa estar num relacionamento a qualquer custo e não é unicamente da mulher o ônus de um relacionamento feliz. E mais que tudo, violência física e verbal não é demonstração de afeto, é inaceitável e ponto.

ps: você quer ver o programa do SBT? clique aqui (o programa foi forte em transfobia também).

ps2: cenas do Jairo e Juliana em Em Família aqui.

As mulheres do Maneco

Manoel Carlos é descrito como um autor de mulheres, em especial por causa de suas Helenas, série iniciada por Lilian Lemmertz em Baila Comigo e terminada agora por sua filha, Julia, na novela Em Família. Mas ao ver a atual novela das 9 e rever no Viva, História de Amor, com outra Helena, vivida por Regina Duarte, me pergunto o porque desse título.

a última Helena (Julia Lemmertz)

a última Helena (Julia Lemmertz)

Naonde que resolveram que o Maneco entende tanto assim de sentimentos femininos? O que vejo em ambas as novelas, e em especial na novela atual são mulheres neuróticas (no sentido freudiano) beirando a histeria, outras beirando a psicose (vide a Juliana de Em Família).

Juliana (Vanessa Gerbelli) descontrolada -- de novo -- no capítulo de ontem (foto: gshow)

Juliana (Vanessa Gerbelli) descontrolada — de novo — no capítulo de ontem

Todas poderiam fazer parte de um clássico da literatura de autoajuda: Mulheres que Amam Demais, que inclusive já apareceu numa novela do Maneco, que tratam de co-dependência emocional, o livro inclusive gerou grupos de ajuda pra dependentes emocionais a exemplo do AA. As mulheres das novelas do Maneco amam filhos, maridos, namorados, ex-namorados, ex-maridos e por aí vai muito mais que a si mesmas e suas vidas giram somente em torno disso. A vida familiar para o Maneco está acima de tudo. Ninguém curte os amigos, os estudos, o emprego, nada. Para a mulher do Maneco só existe o amor e pra provar o amor, só muita, muita dor. Pra ela, claro.

As mulheres de Em Família matam pra ter uma filha porque não concebem uma vida sem aquela determinada criança. Não amadurecem e vivem presas ao passado e à figura materna, filhas são eternas filhas adolescentes, mesmo quando mães. Filhas adolescentes saem de casa mas papai paga as contas, ficam emburradinhas por tudo, escolhem o pior sujeito da face da terra pra casar. Sempre amam o homem errado, óbvio, mas é aí que se prova o amor, né Maneco? Amando muito o estrupício que vai destruir a sua vida. #SQN

virgilio

a voz da razão é sempre masculina; em “Em Família” essa voz é de Virgílio (Humberto Martins)

Já a voz da razão na novela existe pela boca de um homem, Virgílio ( alter ego do autor?, assim como o Dr. Moretti em História de Amor?), havendo , inclusive, um diálogo onde se diz que “tinha que ser ele, tinha que ser um homem” pra resolver aquela situação (mais uma bebedeira do Felipe, irmão da Helena). Virgílio em geral pensa com calma e lucidez, ao contrário das mulheres da novela, que berram e esbofeteiam em cena ao esboço da menor contrariedade. E quando Virgílio se altera, como no capítulo do dia 03/06, é visto como másculo e enfim deixou de ser banana. Quero, ainda, deixar anotado que Humberto Martins está excelente no papel, mesmo a novela sendo péssima.

Sendo assim, se a gente concorda que o Maneco é um autor de mulheres, ele está escrevendo para quais mulheres? Será essa falta de identificação da mulher moderna que tem as rédeas da própria vida nas mãos, que ama mas não é escrava de nenhum amor e tem diversos interesses que tem deixado a novela com índices de audiência tão baixos? Acho mesmo que essas mulheres se identificavam mais com as empreguetes (Cheias de Charme), que eram amor, garra, trabalho, amizade e não uma neurose sem fim. Só resta torcer pra novela acabar logo, ou tentar a novela da Record.

Feminismo na tevê, tudo a ver?

Em uma conversa informal com uma amiga no ano passado ficamos debatendo sobre programas de tevê e filmes, e as cobranças de que sejam feministas ou de que assumam posturas feministas. Ora, vivemos em uma sociedade capitalista ( #cejura? ) e obviamente produtos feitos para o mercado terão características designadas por seus produtores aptos a agradarem a determinado nicho de mercado.

malu  mulherO feminismo voltou a ser pauta na imprensa mundial. Miley Cyrus se declara feminista, outra jovenzinha de Hollywood se declara não feminista, e por aí vai. No Brasil a bela campanha da jornalista Nana Queiroz #eunãomereçoserestuprada virou pauta nacional. Antes disso o feminismo ganhou capas de jornais e revistas semanais. O feminismo voltou a pauta, e não me parece mais uma palavra démodé como foi nos anos 80/90. Muitas garotas bem jovens (me sinto quase avó delas, e acho bacana. #bençavó) e antenadas buscam saber mais sobre o feminismo e onde atuar.

E a tevê? A tevê tem por obrigação pautar o feminismo? Não vejo como obrigação pautar o feminismo ou levantar bandeiras feministas. Tevê é mercado, é produto. Já o feminismo é movimento social, político e filosófico que visa a igualdade de direitos entre os gêneros e a libertação de padrões opressores baseados em modelos patriarcais e de mercado. Como se vê, o feminismo de identifica com valores reconhecidos como de esquerda (ver aqui). Sendo assim, a tevê — produto concebido para o mercado, para o lucro e a venda do supérfluo — e o feminismo podem se encontrar na sua tela, mas será um acaso fruto de conveniência e força de vontade de algumas partes envolvidas como já tivemos em Malu Mulher e Lado a Lado. Belos acasos, de belos frutos, é verdade. E acasos frutos de seus tempos também.

laerte e luiza

Mas e aí? Como faz uma blogueira feminista que assiste e adora novela? Joga tudo fora e torce pro Laerte tacar uns tabefes na chata da Luiza? Bate palmas pra misoginia pura da novela do Maneco? Acha bacana que todo personagem negro de novela tenha que ser salvo do racismo por um branco? Acha legal pacas que boa parte da crítica seja feita por quem aceite os padrões machistas, racistas, homofóbicos classicistas e de comportamento? Sim, porque uma coisa é o discurso da venda do produto, esse não tem interesse social, mas o discurso de quem compra, nós que assistimos a tevê, temos interesse social e assim podemos rejeitar personagens como o Laerte e torcer fervorosamente pelo primeiro beijo gay. E assim mudamos um pouco o mundo, a tevê, ganhamos mais um espaço. Cidadania não é consumo, não é isso que estou dizendo, mas a posição crítica diante do que consumimos já que é inevitável consumir, é cidadania.

E é isso que vou fazer aqui quinzenalmente, primordialmente falar de tevê, séries etc, o que der vontade, sendo eu, biscate e feminista e sendo crítica. E detestando a novela do Maneco. #VoltaCarminha

carminha_01

Robin

*cuidado: esse post pode conter spoilers*

O seriado How I Met Your Mother tem uma personagem com quem eu me identifico, a Robin. Uma mulher que corre atrás de sua carreira, colocando-a em frente de planos como filh@s e casamento. O interessante é ver como ela se opõe a outra protagonista do seriado, Lilly. Enquanto temos dois homens que sonham com casamento e filh@s para um homem que não quer saber de relacionamento sério, só curtição, temos uma mulher de cada tipo. Ou seja, temos mais homens “família” no seriado que mulheres “família”.

Barney e Robin

Barney e Robin – Fonte IMDB

Outro fato interessante é ver que, enquanto a situação do personagem Barney é um chiste, Robin é vista de forma séria. Inclusive em um episódio da sétima temporada, ela descobre que realmente não pode ter filh@s e começa a se questionar qual diferença entre não querer e não poder. (Mas isso é um outro assunto, qualquer impossibilidade de escolha nos incomoda.)

Mas o que mais faz eu me identificar com ela é o fato dela priorizar sua profissão, sempre senti falta de ver personagens que não se derretem por anéis de noivado. Que não querem mesmo ter filh@s e que desistem de um relacionamento amoroso com alguém como o Ted pois sabe que ele vai se magoar com ela por ela querer só curtir a relação, sem planos e sem pressão. Também foi surpreendente quando ela desistiu do namoro com o Barney pois viu o quanto estava frustrada e como ela se transformou em alguém infeliz e mau humorada, graças a estar sufocada no relacionamento.

E gostos dela por bebidas, esportes e armas a faz uma bela contradição ambulante, como eu. Não, eu não gosto de esportes ou armas. Mas sou entusiasta de lutas e acho que rotular coisas como “de mulheres” ou “de homens” ridículo, no seriado vemos a Robin e o Ted como opostos, ela é bruta e ele delicado. Mas, sua contradição é sua aparência inicialmente delicada com sua personalidade forte. Como acontece comigo, aparento o que não sou realmente.

Porque falar dela? Decidi falar de uma das poucas personagens mulheres que admiro (além dela, também admiro a Olivia Benson do Law & Order SVU) nos seriados americanos. Acho que deveria existir mais personagens femininas desse estilo nos seriados de TV americana, nas novelas brasileiras e nos filmes. Sinto muita falta de enxergar menos generalização na personalidade feminina. É por isso que ando tão entusiasmada com a novela das 6h, Lado a Lado, que está mostrando mulheres diferentes do tipinho de sempre, mas esse é assunto pra outro post. Por hoje recomendo que assistam How I Met Your Mother e vejam que, apesar de algumas falhas que eu enxergo, é um seriado bem estruturado e que não mantém um clichê de homens sempre fogem de casamentos e mulheres sempre se desesperam por um anel de noivado. A prova disso é o protagonista ser um homem que passa sua juventude toda em busca de uma futura esposa e mãe para seus filh@s.

Pete Burns te despreza: sobre o deserto da imagem

Por Charô Nunes*, Biscate Convidada.

Seus cabelos estão escovados. Veste calça de couro, botas, um terninho preto. Sobre o ombro uma linda écharpe preta e branca. Sai do restaurante, sorri de soslaio, deixa-se fotografar e vira notícia de jornal. O motivo não é a diferença de idade ou de conta bancária. Ninguém se incomoda com esses pormenores, afinal Jocelyn é uma aberração, a fina flor do que se poderia chamar de Infamous Hall of Beauty.

Nesse Olimpo às avessas passeia a fina flor da estranheza como Pete Burns e Hang Mioku. Mas vamos por partes e começando pelo fim.

Hang Mioku é uma cantora coreana que, insatisfeita com sua aparência, chegou a injetar azeite e óleo de cozinha em seu rosto. Era viciada nesse tipo de tratamento. Acreditava que, se fosse mais bonita, chamaria a atenção do grande público. Tragédia meus amigos, tragédia. Encontra-se irremediavelmente desfigurada, de corpo e de alma. Dói de olhar, de pensar, de imaginar. Por que só podemos isso. De verdadeiro ou falso nos resta a humanidade e compreensão. Pra dizer o mínimo. Por que aqui não se pode nenhuma ironia.

Já Pete Burns inicia sua metamorfose com o declínio do Dead or Alive que não emplacava um clip há certo tempo quando… Não mais que de repente, surge Pete de franjinha na MTV cantando Rebel Rebel com um chapéu de Mickey Mouse e fazendo uh com o cantinho da boca. Eu, muitas outras e outros certamente ovularam. Deixara de ser mais um e se igualava ao próprio Bowie. Com todas as dores e as delícias, pagas a sangue e quem sabe algumas lágrimas. E pausa para movimentos orgiásticos de adoração.

Agora Jocelyn, cruelmente apelidada de a Noiva de Wildenstein. Alguns a chamam de Mulher Gato. Dizem que decidiu de caso pensado construir um rosto felino para agradar o marido. Tempos depois Alec Wildenstein, herdeiro de uma dinastia de marchands, seria flagrado com uma jovem russa de 19 anos na cama do casal. Em seguida seria acordado o divórcio. Estima-se que a bela tenha gasto mais de 4 milhões de dólares em procedimentos cirúrgicos. Ricka, mais que a Carolina Ferraz fazendo comercial de cicatricurrrrrr.

E apesar de toda troça e maledicência produzida por internautas acerca de sua pessoa, Jocelyn segue cercada de amigos. Algumas vezes com um namorado. Geralmente participando de alguma festa ou evento que lhe convenha. Com Pete é a mesma coisa. Só que um pouquinho melhor. Seus figurinos são ma-ta-do-res. E o rímel sempre, sempre, sempre é qualquer coisa de outro mundo. Resumindo, a exemplo de Bete Davis, Pete Burns te despreza.

É o que vejo em Jocelyn, esse je ne sais pas quoi desses que não se escondem de si mesmos.

Confesso que por muitas e muitas vezes fui (e sou) incapaz de… Deixemos que as reticências façam meu trabalho. Por que é mais fácil ver um aquilo, uma coisa. Por isso fiz esse post. Não para enxergá-los, mas para olhar por detrás de mim mesma com esses olhos cansados. Cansados desse vagar por entre desertos imagéticos. Porque aqui estou eu tentando entender e eles… Ah, estão por ai, brabuletando. Igual a uma de minhas ídalas maiores, Elke Maravilha que…

Bem, já falei demais. Por enquanto três pontinhos.

charÕCharô Nunes é divertida, criativa e produtiva. Como eu sei? Basta lê-la. É artista orgânica e arquiteta plástica. Fala sobre arte no Oneirophanta, anticonsumo e desopinião livre no Contravento  e Poliamor no Pratique Poliamor Brasil.

 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...