Por um GIF

Por Sonia M. Nunes*, Biscate Convidada

Eu tava quieta. Juro. Aos 54 anos incompletos, os calores da menopausa substituindo, ainda que sem muito prazer, os calores afoitos do tesão desmedido da juventude.

Eu tava plácida, sem graça, até. Um banco vazio de uma igreja silenciosa. Há tempos que Morzinho não acreditava, dizia que era desculpa de quem não amava mais, como se tesão e amor fossem gêmeos siameses e inseparáveis. Vai explicar pro gajo o que é uma xoxota seca…haja macho com cabeça (ops) boa pra pra não se sentir rejeitado, desprezado, traído.

E lá vai ela, a relação, se esvaindo pelo KY, pelo “desculpa-de-novo” e pelo “não-tô-a-fim/ não é nada pessoal”. Até que um “eu não quero, porra!” coloca a derradeira pá de cal na porta do quarto. Da casa. De nós.

One more kiss dear… one more sigh… only this, dear, is goodbye…

Mas eu tava tranquila mesmo, juro quantas vezes quiserem. Achava até bom tanta calmaria. Nunca fui partidária da velha máxima “é impossível ser feliz sozinha”. Me divirto legal comigo mesma, minha imaginação é fértil, cês nem imaginam… A bem da verdade, acho até mais fácil não ter que compartilhar, argumentar, ceder aqui para ganhar ali.  Tenho amigas que acham difícil viver sem um par, ok, eu respeito, mas nunca entendi isso muito bem. Tava na minha e tava feliz. Sem sexo e sem sentir a falta de. Sabe aquela mansidão morninha que se confunde com paz de espírito? Pois.

Tem gente que chama isso de “egoísmo”. Eu prefiro creditar à preguiça. Tesão na balela da quase “melhor idade” dá trabalho, pô. Tem aquela coisa de conquistar a cada dia, não tem? De calcinha nova, brilho nos olhos, pegapácapá. E os ciúmes. E as pazes. E os suores. Mesmo que não seja numa relação mais firme, que seja na mais pura piranhagem, a coisa toda tem que rebolar, subir, descer, remexer, chacoalhar. E o orgasmo… não, não é que eu não goste, imagina. É que sempre me incomodou o “ter que”. A perguntinha “já gozou?”, que considero infame, me tira do sério, por melhores que possam ser as intenções. Assim como sempre me incomodou Morzinho achar que era ele quem me dava o orgasmo. Ah, os homens, tão tolinhos: nem percebem que o orgasmo é meu!

Então…

tumblr_o3xyo82auM1tznf7qo2_500

Eis que uma mordida no cangote e um…ahn….bate coxa entre dois jogadores num jogo de futebol qualquer se me chegam às carnes via um GIF do Facebook. Pra quê? Os suores se multiplicam em questão de segundos, o fogacho se transforma em fogo interior e todo um mundo de pensamentos libidinosos relampeja – me em arrepios. Donna Summer, Gainsbourg, lá estava eu, 20 e poucos anos de aflição novamente. Os lábios – os grandes e os pequenos – batendo palminhas e cantando alegremente um parabéns pra você tal qual uma bêbada e lânguida Marilyn. Valha-me Nossa Senhora da sacanagem: dois homens suados e barbudos, eis os meus neo- cupidos da esperança! Há algo de estranho nesse fetiche, vamos combinar. Ou será que não? Ah, mas, quer saber? Do alto dos meus 54 anos incompletos, já me sinto apta a declarar um rotundo e sonoro Foda-se. Melhor ainda: Foda(m)-me.

Ah, essa carne, querida carne… até que é bom sabê-la ainda fraca! Safada! Vaca, cachorra, puta! Welcome back, lust . Finalmente de volta ao lar, Messalina de Copacabana!

FotoSonia


*Sonia M. Nunes
se cala, se fala, se sente. Se acha, se larga. Se lagarta, tixa. Solta, salta e sola. Brinca, braque e breca. Gosta de rimas e de prosas, de palavras e palavrões. De coisas como dedos e dedões (duros, não). Fala pelos, pentelhos e desassossegos. Pudores e pruridos. Sonia não se cabe, não se pesa, não se mede. Só, se toca. Sonia is a bitch. She wish.

Além do que se pode ver

Nós temos cinco sentidos. Aprendi na escola, cantando uma musiquinha com coreografia sobre nariz, boca, etc. Claro que não lembro mais da musiquinha e muito menos da coreografia. Sei dos sentidos. Cinco. Mas vivemos em uma era da imagem e, a reboque, o domínio da visão. Uma vez passei uns meses sem nenhum espelho (nem no banheiro, nem na bolsa, nenhunzinho mesmo) e as pessoas ficavam muito impressionadas. Como eu conseguia viver sem me ver?

Ser visto faz parte da construção de nossa subjetividade. É importante. Estrutura. Conseguir se ver também é mais que uma metáfora poderosa. Mas ficar limitado ao que pode ser visto costuma imobilizar. Essa situação se agrava, a meu ver, para as mulheres, a quem se imputa o lugar de enfeite, a demanda de beleza e perfeição estética.

Grande parte das mulheres cresce e vive insatisfeita com seu próprio corpo. Não porque ele lhe prive de alguma experiência específica, mas porque ele nunca parece bom e belo o bastante.  Aprende-se a espreitar com lupa as supostas imperfeições: olha lá a celulite; menina, engravidei agora o peito vai ficar cheio de estrias; gente e essa barriga? essa papada?; não posso mais acenar que balança tudo; olha só estou com cara de velha; alguém sabe um creme pra esconder olheiras? Eu poderia continuar indefinidamente, o corpo feminino parece inesgotável na sua capacidade de estar errado, isso porque nem cheguei em coisas como cor das axilas e plástica na vagina.

E é cada vez mais acessível a fixação desses supostos erros. Bem à mão estão cada vez mais máquinas que nos permitem captar e reproduzir imagens e espaços para cristalizar essas imagens. Filmadoras, máquinas fotográficas, câmeras nos celulares, televisão, youtube, outdoor, favorecendo o escrutínio público e a insatisfação particular.

Como resposta a esse desassossego sobre como nosso corpo (a)parece o que surge é a possibilidade de escamoteamento: sutiãs com enchimento, bundas complementares, cremes que disfarçam, cirurgias plásticas, photoshop. Dicas para tirar fotografias: deixa o braço longe do corpo pra afinar, tira foto de cima pra baixo (ou é de baixo pra cima?) pra não evidenciar o queixo, inclina o tronco não sei pra onde, estica a perna sei lá em que direção.

Eu não estou imune a isso e não é com superioridade que escrevo esse texto. Mas por uma série de fatores que nem vale a pena tentar re-conhecer, eu aprendi algumas coisas sobre meu corpo e a relação com ele que me fazem  bem e decidi partilhar.

Meu convite é pra gente de vez em quando fechar os olhos. Literalmente. Não é um convite do tipo “seja seu próprio padrão de beleza” ou “ame seu corpo” nem nada assim. Sei bem demais que viver é relacional. Que a estrutura garante que quem não se enquadra fique à margem. Que não haja roupa nas lojas, cadeiras nos aviões ou catracas que não constranjam. Que os empregos, os romances, os passeios, tudo pareça um pouquinho mais distante e difícil quando o que vêem de nós é algo que não se submete nem se limita ao que foi definido como aceitável.

prazer1

Meu convite é um pequeno convite à subversão. Tomar um banho se ensaboando lentamente, longe do espelho, deixando as mãos descobrirem curvas, veredas, permitindo-se sentir o prazer do toque. Cheirar o próprio pulso, o sovaco, a calcinha. Lamber os dedos. Sentir o gosto do próprio suor. Deitar nua na cama e rolar pra lá e pra cá. Sussurrar seu próprio nome muitas e muitas vezes e usufruir da sua própria voz. Gemer. Gente, gemer é ótimo. Massagear o pé. Comprar um daqueles ganchinhos e coçar suas costas. Passar o dia sem calcinha nem sutiã. Dançar pelada, deixar tudo balançar. Usar os outros sentidos e aprender sobre nós mesmos além do que aparentamos.

Meu convite é que a gente se permita ser conhecida também em braile. Que a gente se permita ser ouvida, lambida, tocada, esfregada, cheirada. Que com esse corpo que é sentido, não só visto, só então, com esse corpo fresco, redescoberto pelos outros sentidos, encostar no outro, esfregar-se no outro, entregar-se pro outro, pros sentidos do outro. E aí, quando estivermos em espelhos, vitrines, fotografias, possamos perceber o corpo não apenas no que ele falha, mas no que ele oferece e proporciona. Em todos os sentidos.

Hoje tem

Era uma mesa grande, daquelas animadas, os amigos tinham vindo dar os parabéns, ele era amigo de uma amiga, se conheciam de FB, estou pensando em ir, vem, ele foi. Não se sabe bem como acabaram sentando um ao lado do outro. Não foi de princípio, não. Ele, o centro da mesa, rodeado de quem chegou mais cedo, acenando muito, rindo alto, esbarrando nos copos. O outro do lado da amiga, nem quina nem meio, olhos pequenos por trás da lente, gestos contidos, mais curiosidade que interesse.

Mas era um bar, era festa, muita gente chega, muita gente sai, gente levanta pra fumar, pra beijar, pra mijar. Olha, cabe mais uma cadeia aqui? “Fasta” pra cá. Vai mais pra lá. Vem aqui cumprimentar Fulana, Sicrano, Beltrano e o Edu, que fez a música. E ali estavam, um do lado do outro. Desculpa, ainda não tinha falado direito contigo. Magina, você estava ocupado. Umas impressões sobre a cidade. Gosto sempre de vir aqui. Pena a gente não ter se conhecido da outra vez quando passei mais tempo. O ombro esbarra no outro, a cerveja pula do copo. Desculpa, meio rindo, meio constrangido. Que nada, foi bom, meio safado. Trabalho, amigos em comum, a política, música, música, o céu, o nada. Os joelhos. O inclinar pra falar mais pertinho do ouvido. Muito barulho aqui, né?

As duas mãos em direção ao mesmo copo. Opa, esse é o seu? O copo esquecido, as mãos enlaçadas. Olho. No. Olho. Nu. E foi assim: ele pegou o indicador do outro, levou até os lábios entreabertos, enfiou num movimento rápido e sugou, firme. O outro, choque. Ele continuou a sugar, com a língua catou outro dedo. A mesa continuava, impávida em seu alvoroço de cervejas e tira-gostos, conversas e risadas. O outro semicerrou os olhos, estremeceu, a calça apertando o pênis que endurecia. Ele sorriu, como quem desafia: gosta? O outro inspirou, puxou a mão com uma certa violência, ele quase entristeceu, o outro e seus dedos úmidos puxaram-no pela nuca, a boca firme na boca ainda entreaberta, a língua, dura, invadindo, exigindo, amolecendo, convidando, percorrendo, provocando. A saliva. O tesão. As mãos por baixo da mesa, por cima das camisas, a língua na orelha, que buraco gostoso, o outro ri, desejo é alegria, cangote, lambida, deixa eu respirar, quero te engolir. Delícia. Beijinho na ponta do nariz. Mão na perna. A noite segue, sem pressa, os dois, a mesa, a conversa, o ruído, a cerveja no mesmo copo, a certeza. Hoje tem.

Hands toasting wine glasses

Hands toasting wine glasses

A decisão mais sensata

Tinha tomado a decisão mais sensata e sentia um certo orgulho disso. Não sabia bem o que isso queria dizer nem no que consistia ser sensata, mas tinha decidido. Pensou, refletiu, pesou. Botou na balança, fumou maconha, foi pro mar. Riu, chorou, pensou em outros caminhos, mas decidiu por aquele. Não tinha como voltar atrás.

Tomou coragem e colocou o coração numa bandeja. Mostrou para o moço das mãos grandes o corte que abrira no peito. Nunca havia se rasgado tanto, não tinha muita ideia de como se fazia isso, foi pela intuição. Cada incisão trazia um paradoxo: era dor e alívio ao mesmo tempo. Deixou que ele visse o peito aberto, as lacerações, o coração palpitando em cima da mesa. Doeu abrir aquele buraco, mas sentiu-se leve depois.

O que o moço pensava sobre o peito aberto, o coração, o sangue nas suas mãos e o sorriso no rosto já não interessava tanto. Estava feliz por ele ter apenas visto, conhecido a matéria da qual era feita. A exposição das suas entranhas não era para convencê-lo a ficar, a acolher e nem mesmo gostar, até porque nem era espetáculo tão bonito assim de se ver. Decidiu mostrar-se porque era uma forma de também se olhar, enxergar o que passou muito tempo escondido, camuflado.

Permitir que alguém a visse tão intimamente, fez com que também se tornasse íntima da sua dor, das suas angústias, seus anseios e desejos. Ao se mostrar, revelava para si mesma sentimentos que nunca pôde manusear e, apesar de assustada se deleitava com as novas descobertas sobre o mar que levava dentro do peito.

Apaixonou-se pelo moço da boca macia por muitas razões. A principal delas é que ele lhe mostrava coisas que ela já não vislumbrava mais em si. Coragem, doçura, beleza já não faziam parte do que via no espelho. O homem barbudo – que deixou a barba crescer a pedido dela – despertava umas coisas adormecidas ali dentro e que foram parar tão fundo que já não imaginava ser possível resgatá-las. Queria agradecer o feito de trazê-la à tona para mais perto de quem queria ser.

Foi uma dor aguda anunciar que não podia mais continuar navegando com ele naquelas águas macias. Decidiu sair daquele barco que nunca iria atracar no porto que agora desejava. No início da travessia tinham acordado seguir juntos, sem norte, sem destino, sem futuro. Mas com o tempo foi aparecendo uma vontade de parar num lugar, sentir terra firme, caminhar distâncias, ver o sol nascer do outro lado. E sabia que isso não teria com ele, o moço da tatuagem de âncora.

barco1

A decisão sensata não se referia somente a voltar ao seu barco e seguir seu caminho sozinha, ou na companhia de outros que fossem aparecendo. Sentia estima por si mesma por ter compreendido que não havia escolha sem perdas, sem faltas. Sair do barco do moço bronzeado doeu um tanto que nem imaginava que existia; porém continuar a jornada sem bússola já não lhe fazia tão mais feliz.

Ia voltar ao mar sem o sorriso do moço, com o peito remendado e um coração exposto. Coisas que a aterrorizavam há algum tempo e agora lhe traziam serenidade, uma certeza de que não podia ter feito diferente. E gostava de pensar que essa nova mulher em que se transformava era mais inteira e gostava de se ver assim: cheia de coragem, doçura e beleza.

Entre soslaios e mais

Há sempre um desejo. Ali a espreita, observando. Podem ser pedaços de axila a mostra, com ou sem pelos. Um sorriso maroto, um sorriso farto, ou, ainda, um sorriso farto e maroto. Uma roupa vermelha, uma boca vermelha, uma unha vermelha. Pé descalço, pé sujo, dorso do pé. O desejo está – talvez – nas pequenas cousas que nos saltam às sinapses, aos olhos, ao olfato, ao sexo. Molha, incandesce, ruboresce. Um cheiro, de perfume a suor, quem sabe?

Transavam, sabiam caminhos já. Apesar de tudo, de todas as conquistas deste amor livre, do dar e receber quando as telhas – duas ou mais – resolvem se encaixar em vontades e libido, era bonito e obscenamente interessante aquela insistência. Da segunda vez já descobriram que existia uma pinta, sim, uma pinta, que quando tocada ligava um circuito todo de pele, falo, grelo, grelos, falos, peles. Usaram a língua e foi como se a linguística sempre estivesse a serviço dos corpos, para instinto e fome. Ou de saciar ou de crescer. Cacete, vulva, xoxota, pau, buceta, bigulinho. Já na terceira vez tinham ruelas com esses nomes em plena planície do umbigo. Ah… os umbigos…..

E o desejo, ali. Na espreita. Espreitando. Se esfregando. Se tocando. Se fodendo, todo. Teve um comentário sobre filme do Scola, despretensioso, nus, num intervalo qualquer, que entre a ternura e a delicadeza, deu ao desejo mais tempero, mais esfrega, mais toque, mais foda. Uma mão na bunda, um dedo no cu, uma saudade aqui e alhures, uma louca febre de andar pelados pela sala. Os sexos ali, esfolados, salgados, lúbricos e com gosto de hálito quente umedecido por lábios tenros.

O desejo ali, a espreita. Uma hora ele se levanta e vai embora, sabemos. Mas naqueles átimos universais, fragmentos da história, de civilizações, de escambos necessários: Gozo.

Feliz 2016. Este desejo também.

beijo orelha

Conto as Horas

relogioGIRL-thumb-600x450-15231
Eu nunca sei te contar, só as horas. O tempo que falta pra te ver, pra entrar naquele mundo em que só existimos nós dois, além da cerveja e do gozo. Tua barba arranhando meu pescoço, provocando cócegas no meu nariz, enquanto tua mão me descobre e eu me revelo. Coragem. Rosa diz que é o que a vida quer da gente. Eu quero coragem pra perguntar se você entende o que te mostro. Minhas pernas abertas, meu sim, meus gemidos e minha cabeça no teu peito.
Minhas pernas em torno de você, nossas conversas entrecortadas por beijos que me roubam o ar e carinhos que me tomam o juízo. Tua mão e o cafuné. Tua mão e meu rosto. Tua mão entre as minhas pernas brincando de me deixar mole. Tua mão e teus dedos longos que passeiam dentro de mim. O bendito polegar opositor.
 
Penso que revelo menos do que gostaria e mais do que é prudente. E me pergunto se há espaço para cautela frente a esse desejo todo​. Mesmo quando acho que mostro tudo, percebo que escondo um bocado ainda. Tem tanta coisa que eu queria te dizer quando estamos longe, mas nas horas em que ​estou nua ao seu lado, tudo se apaga, perde a importância e fico só te contemplando. Você é bonito.
 
A cada reencontro lembro porque quero só mais essa vez. Só mais uma. Só a próxima. Tua pele, teu cheiro, teu sorriso e o jeito que me olha. Me ver pelos seus olhos. Narciso faz festa em mim. As histórias bobas que te conto e você demonstra um interesse engraçado como se eu estivesse dizendo como foi pisar na lua pela primeira vez. As histórias que me conta e imagino como é sua vida fora daquele mundo que vamos ​ergue​ndo​ ​pelos quartos​ ​onde passamos juntos.
 
Te mostrei um bonsai e você me perguntou de qual romance estávamos falando. Lembrei de uma frase do romance-livro que era “não é porque se sabe de uma coisa que se pode impedi-la”. Começamos já sabendo em que portos não atracaríamos,​ sabe​ndo​​ que nada seguro nos aguarda. E é bem por isso que nossos caminhos se encostam e seguem​ sem cogitar futuro​. 

Vênus em Via Combusta

Não, esse não é um post pra falar de astrologia… tem muito mais gente competente pra isso do que eu… mas é pra pegar o mote de Vênus estar passando pertinho dO SOOOOOOL (você imitou a Alcione mentalmente) com perigo de se queimar.

Paula Rego

Esse post é sobre se queimar! No bom sentido… é sobre aproveitar essa via combusta (ui) e deixar o desejo (Vênus) exposto à irradiação… Sim… esse post é sobre superar medos. Medo de se expor, medo de sentir, medo de ser correspondido no sentir.

Pode parecer até ingênuo, mas o fato de se expor é o mais difícil para se atingir o desejo. A não ser que você seja facinho (e é uma delícia ser facinho), a biscatagi é um convite a ser mais facinho com o próprio desejo. E, principalmente, não ter medo de exercer esse desejo!

Sim, porque se engana quem acha que o desejo é um sentir… O desejo é um exercer… é um fazer circular gestos, intenções, palavras, atrações… O desejo só vale na medida em que ele executa, senão o nome é diferente, é frustração.

Por isso, é bom aproveitar a desculpa de vênus em via combustão par se queimar um pouquinho… Pra soltar o desejo, mesmo que ele seja pego pelo rabo… vai que quem pega no rabo dele, pega bem…

Indo

Eu estava. Eu estou. Com essa vontade. Ou esse vazio. Com essas lágrimas. Com esse eco. Com essa dúvida. Eu não sou boa de escolhas, gosto quando vou vivendo a vida no fluxo. Mas a cama grande demais, o retrato em branco e preto e aquela pergunta que acompanha madrugadas insones vão atrapalhando o ritmo. Eu tropeço. As pessoas que me amam entendem, o que me surpreende um pouco, porque eu mesma mal consigo perceber relances dessa fome. Só sei que falta. Respiro. Tenho dificuldade de ser essa eu que estou sendo. Abro portas, janelas, aplicativos e peito. Se houvesse som no vazio, seria um riso de deboche. Mas nem. Sinto um pouco de inveja de quem tem fé, além daquela da canção. Eu não costumo encontrar respostas fora de mim. E, dentro, hoje, mal encontro as perguntas. Trago o corpo em desalinho. Dizem por aí que o mestre surge quando o aprendiz está pronto. Dizem, por outro lado, que a gente escuta o que quer ouvir. Uma coisa, outra ou as duas, fui ler a Fal* para lembrar que o bom, o belo e o justo sim, são possíveis. E eis que ela, além de tudo, se faz oráculo. Eu li. Leiam também:

Q: Fal, e quando você acha que achou o cara da sua vida, mas ele é quase 15 anos mais novo do que você? como faz?

Amolis, cê sabe que eu não sou uma florzinha, não sou uma pessoa boa, não creio numa energia-muito-linda, não creio na bondade, então creia, não tou te falando isso porque sou uma fofa. Tou te falando isso porque é a real: vai lá. Quinze anos mais novo, que odeia tatuagem, usando peruca, trinta anos mais velha, muito mais alta, muito mais gordo, magro de doer, bigodudo, torcendo pro time errado, com dez vezes mais grana do que você, atleta, tatuado, bicho grilo, careca, duma profissão que sua santa família considera abaixo “do nosso status social”, fumante, cadeirante, dum gênero que você jamais imaginou que rolaria, eleitor de partidos exóticos, pobre de doer, doutro país, artista, funcionário público, com cabelo esquisito, dono de boate, gótico, pagodeiro, sertanejo universitário, iéiéié: vai lá. Sempre. Só não vale quem não quer você, quem você não quer e dimenor. De resto, vai lá. Eu juro pra você que nada, nada, nada disso importa. Na-da. Não é papo “clube dos corações solitários”, é da vida, ouça a tia Fal: vai. Seja ele o cara da sua vida ou o cara dos próximos lindos 15 minutos (a gente nunca, nunca, nunca tem como saber): vai. Vai, vai, vai. O que a sua mãe acha, eu juro, não importa, porque ela dorme agarrada no seu pai e você, vivendo pela cartilha dela, vai ou dormir sozinha (nada contra, eu durmo, mas, né?) ou dormir com um ser que não é teu número. Quem não quiser te receber de fim de semana porque “ela se juntou com aquele cara estranho” e “ele casou com aquela esquisita”, pode ir capinar um lote, porque num sábado chuvoso e tristonho, eles têm com quem ver Netflix, você vê com o cão (eu vejo com o cão, nada contra, mas, né?). Eu já pensava isso antes de o A. morrer, mas depois que ele morreu, falo pra todo mundo, o tempo todo: vai. Porque é raro. É tão bom. E efêmero. Em um segundo a sua vida muda. E se você for quem tou pensando que você é: VAAAI!!!”

309948_476187695752499_1323543996_n

* Se você não conhece a Fal, aproveita. Fal Azevedo é artífice de letras com sentimento. Autora de “Sonhei que a neve fervia”, “minúsculos assassinatos e alguns copos de leite”, “o nome da cousa” e alimenta tumblrs a rodo. É dela o “Drops da Fal”, maior preciosidade da internet.

Sobre o desejo e o amor

Por Maria, Biscate Convidada

Sou monogâmica, tentei não ser e não funcionou comigo. Não sei o motivo de não ser poliamorista,  pode ser que tenha ainda muito que questionar a sensação de posse que relaciono com o amor, entendo que não são coisas que deveriam andar juntas. Na minha vida, consigo diferenciar liberdade dxs outrxs e minha vontade, mas quando é com minhx parceirx tudo muda, tudo dói.

Não sou hipócrita em dizer que não machuca pensar em ver quem eu amo com outra pessoa. Mas, ser monogâmica não faz de mim cega, e, ultimamente, ando mais sensível a essa temática. É muita amiga falando de forma ruim de amantes e pessoas que traem. Dói pra caramba e, todas as vezes que descobri traição, me senti morrendo por dentro. Por muitas vezes odiei x amante, x “traidorx”, ou só x “traidorx”. Hoje, não vejo mais desse jeito. Posso desistir do relacionamento se machucar demais, mas eu desisto porque me machuca, entendo que não há culpa e que o desejo é algo que nos faz tomar decisões que pode machucar x outrx.

Não estou aqui dizendo que a monogamia deve deixar de existir, estou falando que precisamos parar de culpar as pessoas. É difícil, eu faço um exercício diário pra não culpar ninguém, outro dia mesmo, culpei alguéns, primeiro me segurei e pensei “ela não tem culpa, não farei o que tanto digo que é errado”. Culpei a pessoa que estava comigo, perguntei “porque vir atrás de mim, dizer que me ama pra me machucar?”, voltei atrás, depois de pensar muito, não deixou de me amar, não deixou de ser quem eu amo, só fez algo momentaneo, por insegurança, por desejo ou sei lá o motivo. Quem sou eu pra julgar alguém.

Eu tomei a decisão de continuar, mesmo doendo, mesmo sentindo que iria lutar contra minha possessividade todos os dias. Eu decidi amar a pessoa, sem dizer “apesar do que aconteceu”, eu decidi amar e pronto, continuar monogâmica, conversar, querer a pessoa ao meu lado. Mas você pode decidir ir embora também, você pode sair, ou porque te magoa, ou porque você não consegue compreender o que aconteceu. São escolhas, mas não existem culpadxs, existem humanos, existem pessoas que seguiram suas vontades, de “trair”, de continuar após a “traição”, de partir após a “traição”, de conversar e talvez sair da monogamia. As pessoas decidem viver da forma que mais lhe apetecer, da forma que lhe faz mais feliz.

coracao-na-mao

Não posso e nem devo culpar amante, “traidorx”, não sei em qual posição estarei amanhã nessa equação. Quero ser sábia, quero não odiar, quero não xingar, quero tentar ser com as pessoas o que espero que sejam comigo, nessa e em outras ocasiões. E eu já estive em outro lado dessa equação, já “traí”, quis ser compreendida como uma pessoa boa, não quis ser limitada como a “traidora”, a “errada”. Porque sou mais que aquele momento em que “traí”, somos muito complexxs pra nos resumirem em apenas uma característica ou acontecimento.

Não é questão de perdão, é questão de amor e desejo, é questão de não culpar x outrx por nossas dores e seguir adiante como for melhor pra gente. Sem pesquisas de fidelidade, julgamentos, sem textos humilhando amantes ou quem “traiu”, sem ódio. Só seguir a vida e ser feliz sempre que possível.

Queima…

12143284_741844729282201_7013886130721273305_n

Como me queima a alma….

Alguém desconfia o que é o desejo?
Torpor que invade, cega, denuncia…
Ardor, suor, dor, vontade
Não quero pensar, mas desejo
Quero afastar, mas quero inteiro.
Qual a diferença entre amor e desejo?
Isso que queima, lateja, arrepia… molha
Os olhos são como o sexo, o sexo é como ar

Alguém desconfia o que é o desejo?
Trêmula, trêmulas minhas mãos…
E a hipocrisia de negar é negada pelos meus seios
Sequiosos, arrepiados, arredondados, rasgam vestes
Estimulam olhares, estimulam olhares….

São sentimentos distintos, paixão e desejo?
São complementos vitais? Quero…
Vagas lembranças e sinto o cheiro…
súbito, direto, vício, vital, pulso e me queima
E o gosto. O sabor. Suor.

Alguém sabe a diferença entre desejo e viver?
Gritar. Arranhar. Verbalizar. Desejar. Desejo…
Me toco. Te toco. Toque. Retocar. O fogo.
Como me queima a alma….

12122807_741845359282138_1137935420717663473_n

https://contosdealcovatenra.wordpress.com/2010/10/20/das-linguagens-do-corpo/

Explosão

Por Maíra A., Biscate Convidada

É delicioso quando a cama é revisitada, ainda que no desejo. Adoro o seu jeito de cão sem dono. Indisciplinado, salivante, faminto. E você me serve camarão com abacaxi e pimenta. O vermelho, o rosado e o amarelo se misturam por entre as pernas e braços enlaçados em chamas. E você vem farejando calor no meu corpo, enquanto sente meu cheiro de goiaba tropical desejante e toca de leve meus mamilos, que endurecem ainda cobertos pela blusa. Respondo gemendo baixinho, acariciando a sua cintura com as duas mãos e arranhando de leve as suas costas, enquanto sinto seu cheiro másculo de hortelã com sal. Você acaricia de leve as minhas coxas, como se mordiscando-as com a mão. E elas se abrem lentamente, ansiosas por um toque na parte interna. E te beijo firme, sentindo a sua língua na minha. A boca molhada e as coxas úmidas pulsam de tesão. Fecho os olhos, desabotoo a sua calça e deslizo a mão pela sua virilha, mas mais forte, porque suave assim você sente cócegas.

coals burning down

coals burning down

Você fica mais pra quente do que pra morno e me devolve a carícia na vulva, deslizando de leve o dedo pelo meu clitóris, flor de fogo. Crepitante, faço movimentos vigorosos no seu pau. Te sinto arrepiado da virilha à nuca. E você me lambe de leve no pescoço, porque assim você sabe que eu arrepio da cabeça aos pés. E a gente se mistura de novo em explosões orgásticas de cores fervilhantes. E você bebe no oásis da minha umidade, circulando a língua pela minha vagina e me olhando firme. E nós nos puxamos os cabelos, que fazem estalinhos. Foguetes de todas as cores espocam quando nos encaixamos mais uma vez. Delírio tropical, caliente, afrodisíaco. A nossa dança continua pela madrugada de gozos e gemidos uivantes de animais selvagens. Adormeço, como se saciada depois do jantar. Corpos em brasa que se desmancham. E renascem novamente na noite seguinte. Fênixes livres. Corpos pulsantes que se refazem. Corações que batem juntos. Você & eu, como em novela mexicana. Como em tourada espanhola. Como só nós nos sabemos. Ainda que só no desejo.

11655554_962417763789402_1559661885_n

Maíra A. é linguista por profissão, feminista por atrevimento e alegre por esporte. Adora se reinventar e reinventar a maneira de ver as pessoas e o mundo.

Dá cá um abraço, amasso!

Abraço.

1248227277

E calor. De corpos. De pele. Peles. Já pensou, imaginou, masturbou, tocou, gemeu sobre este instigante tema da humanidade, o abraço? Porque o que é um pau numa buceta senão um abraço. Ele rijo, ela molhada. Ele lá, ela lá, pinto, vulva, cacete, xoxota, molhado, molhada, entumescidos, clitóris, babas, gozos, abraço. Não é um tipão de abraço, este aí?

Sem contar que num tem analogia mais brincante que o cu abraçando o pau, apertando, doendo de amor, tem? Pode ter malabarismo, gel, suores, odores, mas tem lá um quê de abração, gostoso, forte, imantado. A cabeça da gente funciona aos abraços, imagino.

E tem abraço que é capô com  capô. Aquele encontro de formas, exuberares, toques, avessos, esfrega, fricciona, ama, clama, vexama, denguinho, abraço, abraço, abraço.

abracocasal-240x300

Esse mundão todo devia era abraçar mais e falar menos. Porque a gente quando fala esquece de ouvir. E quando abraça, o abraço, o abraço, só tem calor se for entrega, sem protocolo, aperto, saudade, vontade. Desejo do calor do afago, do carinho recíproco, do amor que nasce de corpos que se aquecem. Abraço não tem gênero: no futebol, na cama, no boteco, na rua, na varanda, na esquina, no meio, no fim, no começo, no fim do entrevero, no começo da paz, nas intermináveis dessolidões tão importantes. Me abraça, abraço, abarco. Abarcar. Acalento, acalanto, acalentar, abraçar, canto.

Sem contar que o beijo, a língua na língua, a língua no falo, a língua no grelo, a língua no ânus, a língua no amor, a língua a milanesa num balcão de bar: quem é que não tem, na ponta das línguas, um abraço?

É isso, biscate é abraço.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...