Das noites que encarei sem deus

São essas, as noites que encarei sem deus. Não foram noites ruins, pelo contrário. As noites de luta com ele é que foram piores. Aliás, deus… palavra confusa! Que usem divindade, experiência do sobrenatural, feitor do universo, senhor de todas as coisas… Ou usem deus mesmo… E daí…

2013-08-05 00.09.50

Acreditem, não é sobre deus… É sobre o que fazem dele, o que impõem por ele. É sobre o que alguns acham que precisam nele. E escrevo deus em letra minúscula… desculpem… a deferência que, em particular, lhe presto não é linguística… aliás, nem sei em que medida essa deferência é “a deus” ou a qualquer que seja a imagem que se faz dele, mas, definitivamente, não é linguística…

É tudo, claro, sobre religião… É tudo sobre como isso que chamam e superior entra em mim, domina uma alma que sequer sei se tenho… embora a sinta… Pois é… a experiência… As religiões e as experiências de deus… gostaria de, por mínimo que fosse, entender a medida da possibilidade de deus intervir para além da minha experiência no que quero do outro…

Sim, as religiões são umas danadas… não no sentido biscate! justo em um sentido avesso! Enquanto nós, biscates, estamos por aí borboletando na experiência divina (as que querem, porque pode não querer, não entender, não gostar, ignorar… sei lá…) as religiões, ao contrário, cagam tudo ao querer institucionalizar isso!

É como institucionalizar o amor na comemoração do dia dos namorados no jantar seguido de motel… é isso a religião. É pegar a experiência de algo que está para além do imaterial (que nem é só imaterial) e colocar padrões… pior! colocar padrões universalistas!

E não é só colocar padrões universalistas. É colocar padrões universalistas e divinizar e demonizar aquilo que fazemos por desejo. E, sim, estou falando de sexo, de trepar, de tchacatchaca na butchaca, de burbruburbrurburbu… vocês entenderam… É um achismo convicto esse que tenho… o de que a minha experiência do divino é correlata a minha vontade de prazer… e ninguém tem nada a ver com isso. Se o meu deus tá vendo, problema dele que é só voyeur (o que gosto muito), mas deveria é estar aqui participando…

Eu sei, eu sei, eu sei… a minha experiência de deus e essa minha relação divino-desejo, não vai evitar que as religiões e os religiosos intervenham, ou tentem, intervir na minha vida… Pois é… é por isso que encaro noites sem os deuses deles! é por isso que travando discussões com os deuses deles, encontrei o divino em mim. Sincrético, completamente sincrético, mas o encontrei! Ainda é falho, ainda é frágil, mas construir o divino e o meu desejo faz de mim…

Destruam-se os padrões universalistas da experiência de deus! Subvertam-no! Tudo pelos deuses que não destruam nosso desejo! E disso, fica um recado: ESCANDALIZEM. Só assim se colocarão questionamentos necessários à própria mudança. E, mais, esperem de cada um a própria mudança, se ela vier… conviva com a sua… ela é só sua, assim como o seu desejo!

2013-08-05 01.42.17

Que todos encarem uma noite sem deus e voltem dela renovados, com ou sem deus, para além de seus desejos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...