Venha cá e perca-se por aí comigo

Uma tarde de domingo. Ela e ele se olham abraçados. Até que, certa hora, ele mostra um vídeo dele tocando uma música no violão…

- Essa música me lembra você.
- Sério?!
- Uhum. (sorriso)
- Por que você não canta qualquer dia para mim?
- Tenho vergonha. E além disso, sou desafinado.
- Como pode dizer isso? ( Disse ela com indignação após ter visto o vídeo com aquela música linda.)
- E você, por que não canta para mim?
- O que você quer ouvir?
- O que quiser cantar…

Ela escolhe aleatoriamente algo para cantar para ele. Ela mal inicia  o primeiro trecho da canção quando esta começa a tocar no rádio.

Coincidência oportuna número 1…

Daí que quando se conheceram, dançaram embalados por um som alegre e divertido. Pouco mais de um mês se passa e, numa festa de facul – onde ambos estavam muito mais para curtir a companhia dos amigos do que para ouvir aquilo que gostavam de fato – já na pista de dança, ela diz:

- Só falta tocar aquela banda lá.

Batata! Tocou. E lá estavam os dois, dançando e aproveitando a festa do jeito deles.

Coincidência oportuna número 2…

Música. Essa danada que norteia cada momento da vida da gente. Arrisco dizer que é impossível que haja alguém que não tenha uma trilha sonora para a própria existência. Ou que não se lembre daquele som que marcou um momento especial e inesquecível.

Como não amá-la? Pois a música é uma biscate e tanto. Livre, bela e rica em sua própria variedade de estilos e de rítmos. Tem o poder até de auxiliar a cura de doenças. Desperta os sentidos e abre o coração e a mente.

E é nela que vou me “perder” hoje. E sempre.

“Olá, eu tenho esperado você por aqui/ Uma eternidade/ Esta noite, eu me joguei de cabeça /E de repente, do nada, ela cantou/Venha cá e perca-se por aí comigo (…)”

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...