O papa, o aborto e a decisão das mulheres

Por Katiuscia Pinheiro, Biscate Convidada

Semana passada o mundo observou atento a decisão do Papa Francisco de conceder o perdão a católicas que se arrependessem de ter feito um aborto. Imagino o alívio de milhares de mulheres ao poder se perceber não mais como uma excomungada. Trata-se, certamente, de um bálsamo para a saúde psicológica de mulheres que se sentiam culpadas por terem abortado. E estar em situação de menor tormenta emocional claro que é melhor que viver atormentada pela culpa.

Agora, a questão é: de onde vem toda essa culpa? No meu entendimento vem de uma teologia que não aborda a questão do aborto como tema passível de uma decisão pautada em uma reflexão ética. A culpa é alimentada por uma teologia que não ouve, ainda, as mulheres. Uma teologia feita por homens e a partir (ainda) dos privilégios deles.

Uma outra teologia já existe e está, por exemplo, nas publicações de pensadoras teólogas feministas como as “Católicas pelo Direito de Decidir” que já tem laudas e laudas de reflexão sobre aborto e religião. Mas a teologia dessas mulheres não é ouvida, é deslegitimizada e marginalizada.

Já existe reflexão católica sobre a possibilidade de abortar sem culpa. Um dia essa reflexão será acessível a todas as mulheres católicas para que elas não precisem mais de um homem lhes concedendo o perdão. Poque um homem CONCEDENDO perdão a uma mulher, ainda que seja um Papa amoroso em tantos aspectos como parece ser o Papa Francisco, ainda soa para mim como a princesa Isabel “libertando” os/ negros/as.

Sonho com o dia em que as mulheres se libertem da culpa pelas suas próprias consciências, que a decisão de ser ou não ser mãe para uma católica seja válida pelo simples fato de que foi a decisão que sua consciência melhor construiu a partir de uma reflexão tranquila e serena e em nada incompatível com sua fé, coisa que é impossível de ser obtida numa situação de clandestinidade.

Que um dia uma mulher possa também ser, caso ela queira, a líder da Igreja Católica e que essa mulher abrace todas as que decidiram abortar e lhes diga: confio e apoio a decisão de vocês porque sei que todas vocês tem elementos teológicos para decidir da melhor forma possível. Porque, como Maria, vocês tem o direito a serem consultadas. Porque sou mulher como vocês e sei o que é estar diante de uma decisão tão difícil. E acima de tudo porque, como mulher, feminista e militante, eu sei como é pesado o jugo do machismo. Coisa que nenhum homem sabe realmente… Nem o Papa Francisco, nem nenhum outro.

Sonho que uma mulher, que todas as mulheres, possamos reconhecer que a Igreja é uma instituição que, com sua doutrina, força e influência, ajuda a manter o status quo, invisibiliza o nosso sofrimento e favorece a reprodução de discursos de opressão e exclusão. Que chegue o dia em que as mulheres não sejam perdoadas pela Igreja, mas que a Igreja peça perdão às mulheres.

Até que chegue esse dia vamos vivendo de vitórias parciais, de possibilidades históricas que não vieram simplesmente da generosidade individual de ninguém mas de toda uma luta encampada pelas mulheres, com destaque para as feministas, que plantaram e plantam sementes as quais as vezes germinam de formas ainda insuficientes mas que geram alguma saciedade de nossa fome de liberdade, saúde e felicidade.

Que nossas decisões um dia sejam realmente nossas!

Leia Mais: A Igreja já tolerou o aborto

Coalizão Nacional de Freiras Norte-Americanas responde ao Papa


10481940_846432465423526_6050972462899631474_nKatiuscia Pinheiro
se diz assim: leonina transfeminista, professora e tia. Ando com somente um pé no chão, de noite e de dia. Curto dançar, sexo e coisa e tal, mas ficar triste também é normal. Na alma tenho muitos defeitos, no corpo, dois peitos. E se a mídia não atrapalhar, vou envelhecer sem me estressar.

 

 

 

 

 

Entrevista com Yazda Rajab, mulher muçulmana de alma biscate fala sobre islamismo e cultura árabe

Por Charô Nunes*, Biscate Convidada.

Conheci Yazda Rajab no mundo da dança do ventre.

Uma mulher absolutamente apaixonante, bailarina graciosa, que hipnotiza a gente sem o menor esforço. Mulher muçulmana, brasileira de alma biscate, dessas que vontade de passar mil tardes conversando… Filha de libaneses radicados no país há mais de 50 anos, guerreira, mulher de fé. E sobretudo, pessoa despachada que aceitou facinho falar pro Biscate sobre islamismo e cultura árabe.

Espero que seja tão bom para vocês como foi pra mim <3

Yazda, uma mulher muçulmana brasileira

Yazda, uma mulher muçulmana brasileira

Charô – Quem é Yazda? Qual é a estória de sua família?
Yazda – Meus avós e pais eram camponeses. Meu pai veio para cá na década de 30, por navio, começou a mascatear como a maioria dos libaneses imigrantes e acabou fazendo a vida dele aqui. Depois que ele teve certa estabilidade, conquistou a vida dele, foi buscar minha mãe. Ele já dormiu na rua, lavou prato, fez de um tudo. A dança do ventre eu estudo há 12 anos, depois do 6º ano comecei a dar aulas. Mas sempre estudando.

Charô – Qual é a sua fé? Você decidiu seguir o islamismo depois de adulta?
Yazda – Na verdade eu sou desde criança mesmo. E mesmo depois de adulta, tirando essa parte da cultura na qual nasci e cresci, quando tive um pouco mais de discernimento e decidi estudar os porquês das coisas, continuei muçulmana. Ma seu tenho muita interferência de outras coisas…

Charô – Agora vou partir um pouco dos preconceitos que nós ocidentais temos para com a sua religião. Qual o papel da mulher numa sociedade islâmica?
Yazda – Ela tem papel fundamental como ela tem aqui no Ocidente também. Só que existem as questões culturais. O islamismo é uma coisa e a cultura árabe é outra. Quando a religião chegou lá em Meca, quando veio a palavra e o alcorão foi revelado, era um povo que sim… Tinham uma filha mulher eles matavam, era uma vergonha. A religião veio e mudou isso mas as pessoas tem uma essência, tem a cultura e isso meio que veio vindo junto. E vem até hoje.
Isso não faz parte da religião muçulmana. Vou te dar um exemplo simples, a castidade da mulher até o casamento e tudo mais, não é só da mulher muçulmana, ela é do homem também. Só que o machismo que a gente conhece e tem pavor, o mundo machista, os homens fazem o que eles querem e as mulheres se mantém castas. Mas o que se pede da mulher e do homem muçulmano são direitos e deveres iguais.

Charô – E em relação aos pais e aos homens muçulmanos, existe algum tipo de subordinação?
Yazda – Existe um respeito, um respeito que a maioria das pessoas tem ou deveriam ter. Por sabedoria, experiência. Subordinação acho que é uma palavra meio pesada. Mas ela existe, não vou te falar que não, mas como eu já disse antes mais por questões culturais. O alcorão prega o papel da mulher feminina, o papel do homem, o papel do filho, normais como aqui no ocidente também.

Charô – Agora um pouco da dança. Existe alguma contradição entre a sua dança e a sua religião?
Yazda – Todas (risos). Mas assim, vou te falar uma coisa muito particular minha, que eu acredito muito, tudo vai da intenção que a gente coloca nas coisas, que a gente tem dentro do coração. Então quando eu danço, dou aulas ou estudo, a minha intenção ali é uma. Se as pessoas tem uma visão distorcida, cabe a cada um resolver seus próprios problemas. Eu estou aqui fazendo uma coisa e você tá pensando outra, problema seu.

Charô – Existe alguma restrição à dança? No Egito é proibido dançar de umbigo de fora, no Líbano também?
Yazda – Ah sim, lógico. A gente sabe que a mulher muçulmana, não digo a maioria hoje em dia, ela tem todo aquele conceito do Hijab (pronuncia-se rijeb), de colocar o véu. Até aqueles que não usam, isso eu digo de cidade mais do interior tá. Porque eu fui lá um tempo atrás e está tudo mudo, mais peladinhas do que eu. Lindo, eu achei excelente. Mas com certeza tem a vestimenta, nem é tanto a questão do umbigo. O peito, os movimentos…

Charô – O que é o Hijab, para que ele serve?
Yazda – Em primeiro lugar, ele não é uma coisa obrigatória. Eu digo que não é obrigatória querendo dizer o seguinte- eu por exemplo, meu pai e minha mãe não podem chegar pra mim e dizer você vai colocar. Já não vai mais estar valendo, eu posso até colocar mas aos olhos de deus já não vale mais. Religião é uma coisa espontânea, ou você sente ou você não sente.
Então se você carrega aquilo e fala eu quero, eu vou colocar de coração porque eu quero, vai com deus. A minha mãe por exemplo não usa Hijab. Uma vez que eu pensei em colocar, meu pai me viu com lenço e disse tira essa porcaria da cabeça agora. Tira, pode tirar, não quero saber de você usando isso. Pelo respeito aos mais velhos que acabei de falar, ele me convenceu (risos).
O Hijab é usado como uma forma de proteção à mulher mesmo. Não é uma questão de submissão. Você precisar andar toda pelada também é uma forma de submissão uma mulher precisar andar toda desnuda só pra um cretino olhar pra ela. Tem de usar porque gosta, porque acha bonito e se sente bem. Não por causa de alguém.

Charô – E o que existe por baixo do Hijab?
Yazda – O Hijab que a gente está falando é um lenço que o rosto fica de fora e roupas compridas, posso usar blusa de manga comprida e uma calça comprida, daí você vê o que você quer usar. Uma calça branca, uma blusa azul, uma blusa colorida. Os preceitos são não usar roupa transparente porque aí já mostra o contorno do corpo ou uma roupa muito justa.
A questão do por baixo vem a burca, que é uma coisa diferente – é aquela roupa preta, tem só a redinha nos olhos. Eu acredito que ela não existe na cultura libanesa, eu não vi. Mais Arábia Saudita. E diga-se de passagem, não foi uma coisa imposta por deus e nem dita por ele. Ele falou sim do Hijab mas as mãos, os pés e o rosto podem sim ficar de fora e a burca cobre tudo.

Charô – Como é a beleza para a mulher muçulmana?
Yazda – A mulher muçulmana é muito vaidosa, muito vaidosa. Se enchem de ouro e aqueles olhos pretos (maquiagem), adoram cabelo. O padrão de beleza da mulher árabe, da mulher muçulmana, também não deixou de ter um pouco de interferência de fora. Por que a mulher muçulmana é morena de cabelo preto… mas elas afinam sobrancelha, colocam botox no olho, plástica no nariz…

Blogueira usando Hijab

Blogueira usando Hijab

Charô – Existem outros códigos de vestimenta, para os homens por exemplo?
Yazda – O profeta Maomé deixou alguns costumes que seria a forma ideal de o muçulmano se comportar. Então fala que o homem anda com a barba um pouco maior, com a barra da calça um pouco mais curta, mas ninguém faz isso. Não é uma coisa que se diga faça ou você não será um muçulmano.

Charô – Nós temos muitos preconceitos sobre a sua e a sua cultura, concorda?
Yazda – A gente ia ficar aqui umas 3 horas falando dos preconceitos. Não digo que eu sofro porque pra sofrer preconceito você tem de ligar mas… Que a mulher não tem liberdade nenhuma, o que mais falam. Ou vocês são violentos, por conta das brigas entre Israel e Palestina..

Charô – Sobre o sexo na cultura árabe e na religião muçulmana, como ele é visto?
Yazda – Na verdade o sexo é visto dessa forma, uma coisa sagrada, linda, lícita, maravilhosa, gostosa, tudo isso mas tem essa questão de praticar o sexo depois do casamento. Eu vejo isso mais como uma preservação de muita coisa que a gente acaba sofrendo, que a gente vê que as pessoas sofrem também, de fazer antes. As pessoas que eu falo que não sabem usar o sexo, que não sabem fazer com responsabilidade. Não mais uma questão de você está pecando ou você não é de deus…

Charô – E os jovens praticam? E o namoro?
Yazda – Risos. As meninas estão agora mais saidinhas. Elas adoram fazer sexo anal para preservar ali na frente e dizer eu sou virgem. Tem muitas que fazem isso. Muitas que enfiam o pé na jaca e é isso. Não pode ter contato mas sempre tem (risos). Ainda tem famílias que preservam um pouco isso mas são muito tradicionais e muito raras.

Charô – Falando um pouco sobre inserção da mulher na política, existem mulheres nos cargos de comando?
Yazda – Lá você vê muito pouco. A gente não foge desse preconceito não. A política lá já é muito difícil, os homens não dão contam, já é a maior bagunça. Se eles não conseguem se manter no poder, imagina a aceitação de ter uma mulher ali. Isso está extremamente longe e não sei isso vai acontecer e tem preceitos religiosos aí no meio também, de uma mulher em posição de comando político.
Porque (o cargo prevê) reuniões íntimas, mais confidenciais, de ter de ficar sozinha com um homem… Tem toda essa coisa puritana do islamismo que existe. Nem é tanto porque a mulher não pode ou não tem capacidade de estar no poder. É mais para a mulher não ter contato direto com o homem.

Charô – Sobre a tolerância religiosa, como são vistos os outros deuses e as outras culturas?
Yazda – Tem até um versículo no alcorão que diz que nós temos de respeitar a tudo e a todos. Existem muitas brigas entre eles mas foi isso que foi mandado pra gente. A mensagem é muito clara e o versículo é muito simples, independe de interpretação. Ele é simples e direto. Conviver sempre com as diferenças e fazer o bem sem olhar a quem.


Mas é claro que a coisa toda tem de terminar em ventre, então assista a essa apresentação da Yazda com o grupo Les Almées.


AGRADECIMENTOS ou YAZDA SUA LINDA

Antes de fazer essa entrevista, a primeira da minha vida, falei com a Yazda sobre os meus preconceitos e a minha ignorância acerca da sua religião e cultura. Ela, com muita paciência, topou a empreitada de explicar o básico, responder essas perguntas tão primárias sobre a sua concepção de mundo.

Uma estória que não entrou pra entrevista, o significado do nome Yazda. O pai sempre disse para ela que se tratava de uma princesa e ela sempre acreditou nisso. Um dia, maiorzinha, descobriu que essa princesa na verdade era a sua avó <3

Em meu nome e em nome do time Biscate Social Club, muito obrigada.

Lembrando que esse post faz parte de uma série sobre dança do ventre aqui no blog.

charÕ

*Charô Nunes é divertida, criativa e produtiva. Como eu sei? Basta lê-la. É artista orgânica e arquiteta plástica. Fala sobre arte no Oneirophanta, anticonsumo e desopinião livre no Contravento  e Poliamor no Pratique Poliamor Brasil.

Pode rezar por mim que eu deixo

Sou fã de mimimis, só que não, principalmente os da vida real. Acho que muitos deles ajudam a mostrar quem realmente somos e muito do que estamos tentando esconder sobre nós mesmo… Mimimi é como o recalque fala… Um dos mais interessantes é o relacionado à religião e vem em múltiplas frentes: os fanáticos religiosos, dos que creem em alguma coisa e ama, dos que creem em alguma coisa e odeiam e dos que não creem em nada, pra citar os mais comuns.

Eu acho um saco esse bate boca entre “fanáticos retrógrados” e “ateuzinhos modernos” (faltam aspas) do que pode e o que não pode com relação às crenças, de como tem ou não que ser; se, quando, onde e para quem pode rezar… Tipo, piro o cabeção… Que o Estado é laico, sem discussão. Que a religião não deve ser usada para afligir o corpo e a mente, ou a alma pra quem tem ou acredita ter, inegável! Essas discussões são meio que fora de questão, mesmo que eu esteja vendo obviedade onde não tem, elas comportam extremos e grupos sociais que só se relacionam para tentar se cutucar com vara curta… e no mau sentido…

Sim, to falando do dia a dia. Da convivência com avós, pais, mães, tias novas, velhas, chatas e moderninhas, irmãos e amigos… Não entendo como as pessoas podem ser tão intransigentes na esfera de relacionamentos cotidianos quando um assunto tão fácil de rechaçar hoje em dia, a crença, vem à tona. Às vezes falta um pouco de “50 tons da minha mão na sua cara”, mesmo que imaginários, para que isso se resolva…

Me ocorre sempre aquela situação relativamente comum em que algum desses “crentes” que conseguem operar a maravilha de amar o próximo (nem Freud explica), as vezes na inocência, soltam aquela: “vou rezar por você”. Desde que não seja rezar para me fazer mudar, me explica o mal que há nisso? O povo do mimimi não entende que isso é, talvez, uma das maiores demonstrações de carinho que podem estar recebendo. Pensa bem, alguém está se dispondo a deliberadamente dispensar parte de seu tempo pensando em você, pensando no seu bem.

Ao invés de reclamar, podia, sei lá, descobrir uma forma de retribuir… Depois que eu me dei conta disso, ao invés de me aborrecer quando minha avó dizia que ia rezar por mim, passei a responder: e pra comemorar vou na balada hoje, vó, vou fazer um pega-pega em homenagem a você! Pode rezar que eu deixo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...