Ó abelha rainha faz de mim um instrumento do teu prazer!

 Por Maycon Benedito*, Biscate Convidado

Quem me fez soube me fazer eu sou feita do fogo e do azeite de dendê
ponto de pomba-gira

Escrevo esse texto para dizer apenas uma coisa: adoro ser desejado. É isso. A mensagem é essa. Todo o restante do que irei escrever é um retorno a essa afirmação primeira. Gosto quando demonstram tesão por mim, quando querem me pegar, quando me olham com cara de safado, quando ando sem camisa na rua e me olham com aquele cara de quem quer me ver sem a bermuda.

                              ——————————————————————

Lembro da primeira vez que eu fiquei com um cara que eu estava de olho fazia já um tempo, quando fiquei pelado ele me olhou e disse “nossa” e adorei.  Outro dia no aplicativo um cara escreveu “Perola negra. Nossa! Que rei!” e ri e fiquei todo aceso. Adoro quando sentem desejo por mim. Gosto quando chupo um cara e ele se contorce inteiro, quando geme puxando os lençóis louco de tesão. Quando pede mais: mais beijo, mais chupada, mais pau.  Me achar um gostoso, um negão de tirar o chapéu não me ofende, não me diminui. Sabe aquela frase do Paul Valéry “o mais profundo é a pele”? Então, para mim é bem isso. O que vem primeiro é a pele, o olhar, o cheiro, o corpo. Se vai ser só uma noite ou se vai dar  em namoro descubro mais tarde, depois. Primeiro vem o tesão, o prazer, o desejo. Vivo dizendo paras pessoas que sexo é diversão, é prazer, é encontro, é vida. Se não for, pode ser qualquer coisa, menos sexo.

Mais do que um narcisismo descarado o que quero dizer é que gosto de sexo, que ele não me ofende, que se aproximar de mim querendo só sexo – como se fosse necessariamente ruim – não me diminui, não me agride. Essa fala poderia cair facilmente na armadilha racista do negro hipersexualizado, mas não se trata disso. Essa questão não está comigo, está com o outro. Se o outro acha que eu sirvo apenas para sexo, ou pior, se o entendimento do outro é de que sexo é só “isso”, se me vê apenas como um fetiche vazio, se ele olha para o mundo e vê negros como seres que servem unicamente para esse sexo tão limitado, como algo descartável, é um problema sexual dele, não meu. É uma pena que por conta do racismo alguém encare as coisas dessa forma. É ele que reduz as possibilidades da vida. A moral sexual racista define que negros e negras servem apenas para sexo. Apenas para isso. E aí é que está o pulo do gato: essa moral reduz o sexo. Tira dele toda a potência, toda a força, toda a alegria, toda a proximidade, toda a abertura para a vida que o encontro sexual pode possibilitar. E aí sim, quando achatamos a vida, quando fechamos qualquer contato com a diferença, quando limitamos o que as pessoas podem criar, inventar, viver, aí é que elas são objetificadas, limitadas, separadas do que elas nem sabem que podem. E isso eu não quero, não aceito. Eu quero mais. Eu quero é mel.

maycon*Maycon Benedito é da “província litorânea” de Santos e diz que se mostra como é e vai sendo como pode. Atende no guichê tuíter pela arroba @MayconBenedito.

 

Dar-se ao respeito

Cresci ouvindo de quase todas as pessoas ao meu redor que a mulher deve dar-se ao respeito. Eu não entendia muito bem porque tanta gente me falava aquilo, e de alguma forma, internalizei tal discurso como o correto, o ideal, algo que eu deveria seguir. Afinal de contas, mesmo eu tendo sido uma criança questionadora, não imaginava que aquelas pessoas que tanto me amavam poderiam me ensinar algo ruim.

corujinhaEsse respeito do qual falavam (e falam) significava, basicamente, que a mulher não poderia fazer nada que “manchasse” sua reputação. Sabe como é, né? Mulher tem que ser discreta, comedida, pura. Seus gestos “naturalmente” (sic) delicados não podem dar brechas para palavrões ou conversas animadas e regadas à cerveja em mesas de bar. Mulher de respeito não sai de casa à noite, muito menos desacompanhada de um “macho protetor”. Mulher de decote? Vixe… O demônio em pessoa. Essa só quer chamar a atenção dos homens, ela certamente não tem nada além disso para se preocupar. Tem muitos amigos homens? Provavelmente não presta, não é de confiança. E já deve ter “dado” para todos eles…

Um tempo depois, quando eu já era adolescente,  reproduzi tudo isso que supramencionei. Eu julguei muitas meninas que não agiam dentro do que eu entendia como certo. Perdi oportunidades de, talvez, ter feito grandes amizades e de aprender coisas bacanas com quem pensava diferente de mim. E só hoje, alguns aninhos depois dessa fase de descobertas que eu temo não ter vivido plenamente de tanto que me “dei ao respeito”, é que eu compreendo o que significa, na visão de quem me ensinou, ter o direito de ser respeitada.

Se eu quero tal direito, devo me condicionar. Devo negar o que sou, o que sinto. Não posso ter vontades e vivê-las. Ai de mim se eu resolver demonstrar que penso bem fora da caixa que arranjaram há milênios para separar as mulheres “dignas” das outras. Justo isso, né? So que… Não. E sabe o que dói mais? A quantidade de gente jovem, que deveria ser trangressora e lutar para dirimir tantas ideias cruéis e vazias, mas reforça tudo isso, sobretudo nas redes sociais, parece aumentar a cada dia. Não os culpo, mas me preocupo bastante com isso.  Aquela palavrinha que me dá medo, backlash, está bem aqui, à espreita.

Penso eu que muita gente precisa aprender a enxergar as mulheres como GENTE. Isso mesmo. Mulher é gente. Mulher não é um ser humano de segunda classe, que é incapaz de gerenciar as próprias escolhas. Não se mensura respeito a uma mulher tendo como critério o que ela faz com o seu próprio corpo, como ela se veste, o que ela bebe, etc. Você até pode se incomodar ou não aceitar a forma como ela age. Mas quem é você para determinar qual o nível de dignidade dela?

Acho que ninguém tem de “dar-se” ao respeito caso não esteja prejudicando alguém. Trocaria esse “dar-se ao respeito” fácil fácil por um “dar respeito”. Respeitar o outro, genuinamente. Até porque, esse papo de que o respeito tem dois pesos e duas medidas, que uns o merecem mais que outros já não me convence mais. Convence a você?

Estupro não é sexo

Infelizmente ser biscate não é só assumir o controle dos seus desejos e corpo, porque o mundo, machista como é, insiste em não apenas ignorar nossa atitude como insiste também em tentar controlar nossos corpos, desejo e prazer. E o faz através da maneira mais cruel e perversa, e que atinge tanto biscates quanto mulheres incríveis, da violência. E como o assunto do momento é o estupro de uma “biscate”, é sobre isso que precisamos falar.

Estupro não é sexo. Estupro não é uma vontade incontrolável de dar prazer à outra pessoa mesmo que ela não saiba que quer muito isso. Estupro não é um favor, não é um acidente, não é uma empolgação. Estupro é uma violência que decorre de uma relação de poder. No estupro, aproveita-se da vulnerabilidade do outro.

Precisa de exemplo? Apontar a arma pra uma pessoa na rua a deixa vulnerável. Bater numa pessoa a deixa vulnerável. Ameaçar o emprego, a família, os amigos a deixa vulnerável. Estar bêbada, dormindo, drogada, é estar vulnerável. Aproveitar-se de relações de trabalho ou familiares pra forçar sexo é aproveitar-se de vulnerabilidade. Não importa se é um marido, namorado, colega, amigo, vizinho, desconhecido, não importa o grau de intimidade e confiança… Tocar, se esfregar, penetrar, inserir objetos no corpo da outra pessoa sem que ela deseje isso e consinta explicitamente sem coação de nenhuma ordem, É VIOLÊNCIA.

Entenda: estupro não tem atenuante. Mulher pode gostar de sexo, de beber, usar roupas provocantes e se divertir e isso não dá a ninguém o direito de estuprá-la. Vamos desenhar, atenção: Não é porque ela estava bêbada que pode estuprar. Não é porque ela estava na rua sozinha depois das 22hs que pode estuprar. Não é porque ela estava com um grande decote, saia curta ou maquiada que pode estuprar. Não é porque ela é prostituta que pode estuprar. Não é porque ela dá pra todo mundo que tem que dar prá você também. Não é porque ela é gostosa que pode estuprar. Não é porque ela dança de forma provocante que pode estuprar. Não é porque ela é “feia” e nunca ia arrumar namorado que pode estuprar. Não é porque ela concordou em conhecer sua coleção de figurinhas de jogadores das seleções asiáticas de futebol que pode estuprar. Não é porque ela se deitou com você e ficou trocando carícias embaixo do edredom que pode estuprar. Não pode usar força, não pode insistir com ameaças, não pode se aproveitar que a pessoa dormiu, não pode chantagear. NÃO PODE ESTUPRAR!

Quando alguém diz não, significa exatamente isso: NÃO. Não importa o que ela “quer dizer”, importa o que ela efetivamente disse. E se a pessoa está desacordada, bêbada, drogada ou sonolenta e não tem condições de dizer sim ou não, saiba: é sempre não. Se a pessoa não pode decidir, guarde a viola no saco (guarde o pinto dentro da cueca) e espere outro momento.

Para os que se perguntam se a responsabilidade não é dos dois, um esclarecimento: a culpa de ser estuprada não é da vítima. Não, ela não provocou. Ela tem o direito de vestir o que quiser, de beber o quanto quiser, de dançar, sorrir, beijar e decidir não fazer sexo. O corpo dela não é brinquedo. Ela é uma pessoa, com liberdade e direitos. Essa é a parte que o moralismo parece esquecer. As mulheres são sujeitos e têm direitos. As mulheres não estão no mundo para provocar ou satisfazer os homens. Estão por aqui pra ser felizes, tal como eles. Antes de apontar o dedo e afirmar que ela mereceu a violência sofrida, é bom pensar que os agressores não são previsíveis. Estupra-se criança, idosas, estupra-se mulheres cobertas da cabeça aos pés, estupra-se homens, meninos, estupra-se freiras e prostitutas. Estupra-se mulheres que bebem e estupra-se as abstêmias. Porque sempre a culpa é da mulher? Porque é tão mais fácil dizer que ela deu sopa, que “pediu por isso”, que “fez por onde”? Não é o “dar sopa”, ser biscate, estar bêbada ou “a mão” que a torna alvo do estupro. Homens estupram porque acham que podem, que têm esse direito, que o mundo lhes serve. É relação de poder, pura e simples.

Então, você mulher “direita” que está aí se dando o direito de julgar e apontar o dedo para a “biscate” e dizer que “ela pediu”, “mereceu” ou no mínimo que “aguente as consequências dos SEUS atos” (como se ela tivesse escolhido ser estuprada), saiba que você não está a salvo de um estupro e toda a sua “direitice” e moralismo não irão te salvar na hora em que algum homem te olhar e achar que pode se satisfazer no teu corpo mesmo contra a tua vontade. Porque a violência contra a mulher é ampla e democrática, não julga comportamento, idade, cor, profissão, classe social, origem.

Não são as mulheres que precisam aprender a evitar e se prevenir contra estupros, são os homens que precisam aprender que não podem estuprar.

.

Mais sobre o assunto:

Isso não é um convite para me estuprar!!!!
A Mídia que estupra
Me Sentindo Estuprada
Bial, o Cínico
Estupro: o que é, como não fazer
Violência sexual no BBB e muito machismo fora dele
A cena do Big Brother é um problema do Brasil
O “Boa noite Cinderela” do BBB
O suposto estupro: não existe amor no BBB
O estupro no BBB
O estupro é lindo!
Uma analogia: De quem você acha que é a culpa?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...