Na Cama Com Simone

Hoje temos duas mulheres especiais fazendo a festa no nosso Clube. Nosso GUEST POST dessa segunda é da Biscate Convidada Srta. Bia, autora do Groselha News, moderadora e autora do Blogueiras Feministas. Divertida, antenada e lambateira tropical, a Srta. Bia pinta e borda no twitter. E como Biscate adora celebrações, nada mais apropriado que lembrar a aniversariante ilustre do dia: Simone de Beauvoir – que, aliás, não recusaria um brinde: tim-tim.

Na Cama Com Simone, por Srta. Bia

Em 1952, Simone de Beauvoir estava dando uns amassos com seu peguete, o escritor Nelson Algren. Os amassos evoluíram para um je t’aime moi non plus e no fim do dia Simone precisava de um banho. Simone tinha 44 anos e Nelson tinha um apartamento alugado sem chuveiro. A solução foi levá-la até a moradia do fotógrafo Art Shay, um amigo que tinha um chuveiro e uma câmera na mão, exatamente na hora em que Simone se arrumava no espelho.

Simone foi uma biscate intelectual, que nunca deixou de exprimir suas dúvidas e de conhecer profundamente seus desejos. Sabia que seu casamento racional com Sartre era eterno, mas seu corpo sempre precisou de novos sabores, que vinham ou não com o tempo, e permaneciam ou não com o momento. Na Chicago dos anos 50 lá estava ela, nua em um banheiro de alguém. Liberta e relaxada, decidindo como prender o cabelo.

Como seria bom se todos pudéssemos nos despir do conservadorismo e do medo de se entregar ao corpo. Um corpo que pulsa, está vivo e tem desejos, que sucumbe aos pormenores de uma fungada no cangote, que está pronto para decidir o que os lábios não precisam falar. Simone está despida de seus medos e pudores, pronta para arrancar mais um pêlo na sobrancelha, ou pronta para mais uma noite em meio a braços e pernas sedentos. A foto pode ter sido roubada, mas não havia nada a esconder. Há uma mulher viva, corpórea, e sensual. Uma mulher entregue a espontaneidade de sua liberdade.

A biscate não esconde por pudor, ela está inteira e transparente no momento em que joga o cabelo suado para trás depois de horas sambando. O sorriso transborda em cada gesto. Tirem quantas fotos quiserem, ela está estampada nos murais da vida, Aproveitando cada dia como uma dádiva. Um momento que escolheu viver, sem fechar portas para quem quiser compartilhar esse clique de intimidade.

Ela nasceu em 09 de janeiro de 1909. E em 1952, mantinha o ímpeto de se entregar a quem ela desejasse, sem receios, sem compromissos e sem pensar no que os outros iam dizer. Uma mulher que atravessou seu tempo, sem nunca perder l’ésprit de la biscatage.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...