Em Amarelo

A rua tem cheiro de flor. Aqui, café e cuscuz. Felicidade em amarelo. São as pequenas alegrias, sabe. Aquele jeito de franzir a testa. A mão que nem percebe brincar com o meu decote. A carinha piscando na mensagem. Os cds com sua letra, os livros sem dedicatória. A pergunta: e vamos beber o quê? Aquele dia na represa. A flor roubada. A lua, enorme, pela janela. Os fogos na varanda. Todas as noites em que acordo no seu abraço. Sorrisos sem motivo e as coisinhas miúdas estão ali, feito jarrinho de girassol na janela, lembrando pra que lado fica o morno.

Mesmo eu que sou um oco do mundo, negros abismos, dores que antecipo. Minha mala é pesada não de passado mas de antigos futuros. Como quem anda à beira do abismo, acostumada a vertigens. Mesmo eu, já fui, em dias, a menina com uma flor, nas vozes dos que já me amaram. E, aqui, outra vez.

girassol

Aceito, no peito, o bem querer girassol. Grande demais pra ser o que é. Mas insiste. Colorido. Estabanado. Caloroso. Exuberante. Que só se sabe assim, voltando-se pro riso. Que se faz no repetir-se da cama bagunçada, do suor nos lençóis, da janela aberta, nesse quarto que é sempre noite mesmo em tempo de sol. Que se firma na forma como os corpos se sabem um momento antes do sono, no morno de estar junto muito tempo, nos sons que se fazem íntimos. Que se nutre nos afagos, no gostoso de caber na mão, do nariz no pescoço, do joelho entre joelhos, da ilusão. Que vinga exatamente no agora, espaço sendo tempo, tempo sendo gosto.

Gosto de girassóis. Eles têm a certeza dos dias, mas talvez não para eles. São demasiado. Demasiado exuberantes, demasiado coloridos, demasiado mortais. São estabanados demais para serem flores. Gosto desse sentir. Também, em meu peito, certezas de dias outros. Talvez não para nós, mas outros. Eu sou estabanada demais para o amor, mas insisto. Girassol que é, justamente porque finda. Murcha. Mas não hoje.

Em tempo

Antes do post propriamente dito, quero propor uma rapidinha (ui!!!):

Pergunte a si mesmx quando foi a última vez em que dedicou um momento, um dia ou um pouco de tempo só para você?

Se as lembranças foram imediatas e boas, parabéns! Você é uma pessoa de sorte e que aproveita as oportunidades que esse universo cão nos oferece de vez em quando. E que a gente quase sempre deixa passar, seja lá por qual motivo.

(Tempo só para mim.)

Tá aí. Tem mudança que atinge a gente em cheio, né? Ainda mais quando a iniciativa da mudança não é nossa, propriamente dita… Aí o mundo acaba, tudo vira b*sta e você amaldiçoa o dia em que se deixou levar por x questão. Mas continua aí, com uma vida inteirinha passando diante dos seus olhos.images

Levanta-te e anda! (perdoem-me o trocadilho religioso, não pude evitar)

Porque é sério, a vida rola lá fora. Bem rápido. E você não precisa ter alguém que “te complete” para curtir esse processo que pode ser muito gostoso. Isso depende muito mais das suas escolhas e da sua vontade de experimentar o novo. Ou de voltar a apreciar aquilo que em algum momento da sua existência, você amava fazer.

Caminhe na praia, no parque ou pela cidade. Reveja seus amigos. Cante no chuveiro. Pare alguns minutos para observar a paisagem pela janela. Coloque em dia aquela lista de livros ou de filmes. Viaje pra longe ou sem sair do lugar. Experimente aquele prato tailandês esquisito. Adote um bichinho abandonado, que merece e precisa do seu amor. resumoFique perto daqueles queridos da sua família. Mude o visual. Aprenda a tocar um instrumento, a pintar ou um novo idioma. Olhe para dentro de você e se perceba.

Faça tudo. Só não pare no tempo, porque ele não vai parar para te esperar.

“Finding ways to stay solo…”

Escrever nunca foi tão triste

Tentei escrever,
colocar os sentimentos em palavras.
Pensei em você,
os versos, em gotas, molharam o papel.

(Alves Rosa)

 

Ontem, olhei as nossas fotos. E todas as lembranças se transformaram num filme que assisti sozinha…

Quando te conheci, juro, não esperava nada. Eu realmente acreditei que você seria escreverapenas mais um entre tantos que poderiam estar comigo. E confesso que gostava dessa fase de incertezas. Porque parecia que quanto menos pistas nós tínhamos do futuro, mais a vontade de estarmos juntos aumentava. As descobertas eram o alimento dela.

Agora, estou tentando entender onde foi que nos perdemos um do outro…

Dói. Dói ouvir você dizer que é impossível não gostar de mim, mas que não se sente feliz ao meu lado. Ou quando você me pede para pensar nos momentos bons que tivemos. É torturante essa dor. É duro cultivar memórias que não irão se repetir. E chego a pensar que sua indiferença talvez doesse menos em mim do que a sua oferta de ombro amigo.

Ser amigos. Esta foi uma das muitas promessas que fizemos um ao outro ao longo da nossa trajetória como casal. “Casal perfeito”, nas palavras de nossos amigos e familiares. E mesmo passando a vida inteira desconfiada de “perfeições inabaláveis”, acreditei genuinamente na nossa. Achei que realmente nada iria nos abalar…

E por mais difícil que seja o meu momento atual e te dizer isso, vá. Não quero ninguém ao meu lado por pena ou por consideração. E quando você realmente souber o que procura, seja feliz! De verdade.

Quem sabe um dia, a gente não consiga cumprir aquela promessa, não é mesmo? É que as feridas não cicatrizam imediatamente após o impacto.,,

tumblr_lcyv5867q91qakmqso1_500E feridas de amor demandam muito cuidado. Porque só ama novamente um coração verdadeiramente curado. E enquanto não ama, sente mil coisas inexplicáveis. Às vezes, vai do bem querer à raiva em questão de minutos. Mas até isso passa. E ensina.

Muitas foram as páginas em branco que preenchi. Ora com cores, ora com dores materializadas em palavras. Mas escrever, para mim, nunca foi tão triste como agora.

 

Quanto tempo é necessário para sentir-se feliz?

Há vários aspectos que podem fazer com que a gente fique feliz. Pode ser um objetivo alcançado, a resolução de um conflito, estar em algum lugar gostoso, divertir-se com os amigos ou com a família, brincando com um bichinho, tomando sorvete… Mas, e aí? Você costuma cronometrar quanto tempo leva para que essas coisas tornem-se boas? Existe um timing para isso?

Pois é, gente. Aposto que a resposta de muit@s de vocês tenha sido um sonoro NÃO. Ninguém, pelo menos que eu tenha conhecido, parou para pensar de onde vem tanta felicidade. Ou se questionado por que algumas situações nos trazem tanto prazer. Contudo, a gente faz exatamente isso quando conhece alguém interessante. A gente as vezes (para não dizer sempre) se policia demais em relação ao que este alguém nos provoca. Fica impressionad@ como em tão pouco tempo, tal pessoa consegue mostrar – se tão incrivelmente irresistível…

Eu digo isso abertamente p0r aqui porque já fui assim. E na minha opinião, encantar-se abobadamente por alguém em pouco tempo era superficial e idiota. Era algo que não merecia a minha atenção, porque da mesma forma que veio, iria. Bem rapidão. O que eu não imaginava é que, assim como para quase tudo na nossa existência, há uma série de variáveis que podem fazer com que isso valha muito a pena. Tentar viver mais  e com mais serenidade o presente, por exemplo, é uma delas.

Em pensar que eu acreditei com tanta força que não viveria isso denovo… Por um tempão.

Não acho que a gente não deva mais pensar no futuro. Só que o agora, o hoje, o presente pode se mostrar delicioso e muito digno de ser aproveitado. Não existe um tempo ideal de felicidade. Duas semanas, por exemplo, podem nos tirar o chão. Podem nos fazer um bem enorme. Dá para viver isso sem cobranças. Sem culpas e sem expectativas destrutivas e frustrantes, sobretudo se estas forem em relação ao outro.

Eis aqui uma biscate encantadinha. E que está aproveitando a sua felicidade e tudo que ela tem a oferecer naturalmente. Sem cronômetro.  🙂

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...