Isso também é assunto meu

É. Eu tenho essa mania chatinha de trazer muita coisa do meu cotidiano pra cá. Mas é que vivencio tantas situações que ilustram o que penso e observo em nossa sociedade, que acabo não conseguindo evitar. Me julguem!!!

Dia desses, um conhecido me questionou sobre o porquê de uma das causas pelas quais milito ser a das bandeiras LGBT.

“Você tem certeza que não é lésbica? Porque não tem sentido defender tanto algo que não se pratica.”

Se essa cena te incomoda, é simples: olhe para outro lado. Ou comece a enxergar as coisas de outro jeito...

Se essa cena te incomoda, é simples: olhe para outro lado. Ou comece a enxergar as coisas de outro jeito…

Essas foram as palavras dele. Esse rapaz acredita que ser lésbica é praticar alguma coisa. Ou então, que para defendermos um grupo historicamente oprimido temos que, necessariamente, “ser parte” dele. E isso é recorrente no pensamento de muita gente, ainda. Não o culpo por reproduzir essas ideias, só queria mudar isso de alguma forma.

Reconhecer os próprios privilégios não é fácil. Nem acontece do dia para a noite. Faz parte de um processo contínuo, não linear e de constante aprendizado. Não pensem vocês que nós, militantes, nascemos sabendo fazer tudo isso. Tudo sempre tem um começo…

E aí, será que vocês topam começar também???

Eu, Cláudia, sou heterossexual, cis, branca, cursando minha segunda graduação e de classe média. Apesar de sofrer com machismos diversos pelo simples fato de ser mulher, eu nem de longe, sofro em intensidade equiparável a de uma garota lésbica ou bissexual que tenha essas mesmas “características”. Quando ando com meu namorado na rua, por exemplo, não percebo ninguém nos olhando torto por isso. Quando nos beijamos em público, ninguém acha isso exótico/estranho/disgusting. Se eu fosse fã de algumas religiões, provavelmente não teria problemas para assumir com tranquilidade a minha orientação sexual, já que esta condiz com o padrão heteronormativo supramencionado. Será que se ao invés de namorado, fosse uma namorada, seria assim? Evidentemente, sabemos a resposta.

Gosto de imaginar que algum dia, as pessoas poderão expressar seu amor e seu desejo de forma verdadeiramente livre. É por isso que falar sobre a visibilidade lésbica e bissexual é assunto meu sim. Poderia ser nosso, né? Porque reivindicar direitos não assegurados, respeito e tolerância é uma luta legítima que deveria ser abraçada com todas as forças pelo maior número possível de indivíduos. Aí, quem sabe essa ideia de privilégio se torne realmente uma bobagem?

Les-Bi-Biscatismos

Les-Bi-Biscatismos

A postagem faz parte da 1ª Semana de Blogagem Coletiva pelo Dia da Visibilidade Lésbica e Bissexual, convocada pelo True Love

 

mãe e amiga

Nunca soube quando me dei conta que era bissexual, mas minha atração física desde sempre foi por ambos os gêneros. Já me perguntaram porque me atraem as mulheres, outra pergunta que acho difícil de responder, eu sei o que me atrai, mas porque, não tenho ideia!

Meu primeiro beijo com uma mulher me incomodou, para mim foi tão natural que me incomodou, como assim? O normal é querer homem, será que sou estranha? Uma garota de 15 anos passando por essa reviravolta louca na cabeça! O que fazer? Será que eu sou errada? Já não bastava ser a nerd, a desajeitada nos esportes, a filha de militar, ainda seria a “machona”? Você fica em pânico, quer se esconder… Por muitos anos não assumia minha sexualidade a ninguém, só ficava com homens.

Aí, desabafei com minha mãe, contei para ela, tive medo de sua reação mas ela reagiu como nunca imaginei que reagiria, ela foi a minha companheira! Depois disso, ela se tornou minha maior e melhor amiga. Somos brigonas, mas ela sempre foi meu porto seguro, vejo tantas meninas na mesma situação que eu sofrendo com o preconceito da família. Assumo que sou uma tremenda sortuda, nunca precisei me esconder da minha mãe. Apaixonei por homem, por mulher, conto pra ela, falo e mostro quem é, ela torce por mim.

“Eu amo a minha filha lésbica”

Qual a dificuldade de amar seu filho ou sua filha? Sendo hetero ou homo, não deixa de ser filhx! Minha mãe é moderna, diferente de mães que conhecemos? Sim, mas poderia ser o modelo de mãe que se encontra no cotidiano. Triste saber que amigas minhas sofrem, são expulsas de casa, sofrem coisas piores de familiares intolerantes que não conseguem aceitar e conviver felizes com a diferença.

Ia escrever um post sobre preconceito, mas acho legal falar de como é bom ter esse apoio em casa, uma forma de falar de como a tolerância na família pode fazer bem. Saber que independente de como seja meu dia, independente de como me tratem, cheguei na casa da mamãe, lá eu tenho carinho, apoio, cuidado e um ombro pra desabafar! Sou dessas que acredita que um bom exemplo pode mudar muita coisa, é o exemplo da minha mãe que deixo hoje nessa quinzena da visibilidade lésbica e bissexual.

semana_lesbica_bissexual

Esse texto faz parte da 1ª Semana de Blogagem Coletiva pelo Dia da Visibilidade Lésbica e Bissexual, convocada pelo True Love

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...